Como a tecnologia e a engenharia trabalham em conjunto para dar esperança e uma nova perspectiva àqueles que de alguma forma passaram por uma amputação de membros.
por
Leticia Alcântara Andrade de Freitas
|
27/06/2022 - 12h

Por Letícia Alcântara

Ilustração de confecção de prótese de perna  - Foto: Getty Images
Ilustração de confecção de prótese membro inferior - Foto: Getty Images

 

No dia 16 de agosto de 2021, Bárbara Caroline, moradora de São José dos Campos, município do interior do estado de  São Paulo, sofre um acidente de moto que mudaria sua vida. Pilotando na via Cambuí, de máscara e capacete fechado, Bárbara perdeu a consciência, devido a uma hipóxia, condição médica caracterizada  pela falta de oxigênio no corpo; a mesma narra que sentiu que iria desmaiar, porém não teve tempo de parar a moto.

Após ser socorrida, já no hospital realizou todos os exames necessários, Um dos vários ortopedistas que a  atenderam explicou que, de seu joelho para baixo, encontrava-se tudo destroçado incluindo todos seus ligamentos e o próprio joelho, restando apenas 20% de tecido da sua perna direita. Após a queda, a moto bateu no meio fio, seu corpo escorregou pela grama, e sua perna colidiu com uma placa de sinalização de trânsito. Caso não houvesse a placa, teria tido apenas arranhões leves. No mesmo dia de seu acidente, ela então passa por uma amputação. 

Bárbara conta que atualmente está no processo de fisioterapia para poder então utilizar uma prótese, a mesma pontua que todo seu tratamento é realizado através do SUS, dizendo ainda que enxerga na prótese que utilizará, a esperança da volta de  sua independência, sendo possibilitada novamente de realizar  o simples gesto de poder abraçar seu filho, de 6 anos, em pé, podendo caminhar e segura-lo pela mão na rua. A protetização trará novamente a segurança de andar livremente,  chegando mais perto daquilo que fazia antes, como correr, pular dançar… Atividades que eram presentes, antes do ocorrido, em sua rotina.

Por definição, próteses ortopédicas são aparelhos que desempenham funções motoras semelhantes às do membro amputado. Seu uso traz inúmeros benefícios, para aqueles que nasceram sem, ou que de alguma maneira perderam um de seus membros, a tecnologia das próteses não só representa funcionalidade para estas pessoas, bem como devolve e eleva a autoestima, entregando esperança e uma nova perspectiva aos usuários.  

As próteses ortopédicas, não são uma invenção nova do século XIX e XXI, desde a antiguidade os egípcios desenvolveram e faziam uso do mecanismo de membros artificiais para suprir a necessidade dos amputados. A diferença dos dias atuais, encontra-se no uso da tecnologia a favor destas demandas. Ao contrário do passado, em que esses membros eram desenvolvidos diante de condições rudimentares, hoje, a tecnologia se une  a medicina e a engenharia para estabelecer melhores condições, as quais são mais funcionais e com uma gama mais vasta de utilidades.

De fato hoje em dia a tecnologia é um elemento determinante para essas invenções, nos primeiros relatos relacionados ao assunto como mencionado, ainda que nem tão tecnológicos, estas descobertas sem sombra de dúvidas já faziam uma diferença imensurável na vida dos seres humanos. Nesta época as próteses geralmente eram feitas utilizando madeira, e o couro sendo utilizado para fornecer a sustentação necessária. Durante a primeira e a segunda guerra mundial, ocorrem avanços significativos neste campo, devido ao elevado número de soldados que sofreram amputações, logo uma maior demanda proporciona maiores avanços e descobertas. 

No ano de 1969, o médico cirurgião holandês Pieter Verduyn desenvolveu a primeira prótese transtibial articular sem travas, isto significa que, diferente das antigas, esta permitia algum grau de movimento e flexão para o usuário. A tecnologia não só promoveu uma melhora significativa nos materiais e funcionalidades das próteses, para além disso o passar dos anos e a modernização, da engenharia em conjunto com a medicina, baratearam os custos, de modo que as mesmas tornaram-se acessíveis a um maior número de pessoas.

Hoje em dia, existem diferentes tecnologias para a confecção e funcionamento das próteses. O Engenheiro de automação e controle Leandro Jussek, conta um pouco mais da prótese mioelétrica que desenvolveu. A mesma funciona através de estímulos elétricos, captados pelo músculo do antebraço, por sensores acoplados no coto do paciente. Leandro explica ainda que, a cada contração de um músculo se produz uma tensão elétrica, que pode ser medida através da pele. Estes sinais são captados e amplificados, enviados a um microprocessador, acionando então os servomotores contidos na prótese. No caso de pacientes amputados dos membros superiores, as próteses mioelétricas trazem maior independência e funcionalismo.

O engenheiro comenta que pessoas com deficiência física apresentam grandes problemas de integração na sociedade, em função da dificuldade de executarem tarefas consideradas simples do dia a dia. Com o avanço da tecnologia, hoje é possível desenvolver próteses eletrônicas, leves, resistentes e de baixo custo, para pessoas com deficiência física, melhorando sua qualidade de vida.

Infelizmente as próteses mioelétricas disponíveis no mercado, apresentam valor de compra relativamente alto, e muitas vezes envolvem custos adicionais, tais como, importação, custos de troca de peças e manutenção. No Brasil, não existe fabricante nacional que ofereça esse dispositivo para o mercado interno. Diferente destas, a prótese de Leandro é um produto de baixo custo, e com pouco investimento. Ele ainda lamenta que no País não haja incentivos do governo para o desenvolvimento das próteses, para membros superiores e pesquisas. Sendo suas alternativas procurar empresas privadas que manifestem interesse em investir nos projetos.

Ainda em relação às dificuldades de acesso às próteses através do governo,  Plínio Francisco, amputado do joelho para baixo narra as dificuldades que teve para ter acesso a sua prótese, que demorou cerca de dois anos até chegar a ele, e que muitas vezes ela não dura muito, devido ao material utilizado na confecção. Que as próteses mudam a vida das pessoas, devolvendo, autonomia e dignidade, não existem dúvidas, então quais são os impasses que circundam a falta de investimento e interesse por parte do Estado nesta área. Atualmente vivemos tempos obscuros, onde saúde, inclusão e educação, parecem não ser pautas prioritárias,  a tecnologia tem o poder de reescrever histórias, executando aquilo, que antes parecia impossível, de modo que deveria mais do que nunca ser uma primazia social, em especial por parte dos líderes e governantes.

  

  

Embora tenha o poder de salvar vidas, no tratamento de doenças como o câncer, ela reforça a diferença entre classes no Brasil
por
Guilherme Silvério Tirelli
|
23/06/2022 - 12h

Por Guilherme Tirelli

Era praticamente impensável, alguns anos atrás, crer que a tecnologia se desenvolveria tanto em um espaço de tempo tão curto. Muitos fracassos aconteceram até que o Raio-X, enfim fosse descoberto por Wilhelm Roentgen no fim do século 19. Várias décadas se passaram até que Felix Bloch e Edward Purcell conseguissem desenvolver a primeira máquina de ressonância magnética, a partir do estudo dos íons, em meados da década de 1960. Todos esses avanços mudaram a história da medicina, e consequentemente, fizeram total diferença na vida na vida das pessoas.

Felix Bloch e Edward Purcell
Felix Bloch e Edward Purcell. Fonte: Getty Images

Uma delas é Marco Aurélio Peres. O auditor fiscal do trabalho dedicava-se de segunda a segunda até que uma notícia o fez perder o chão. Quando fazia exames de rotina solicitados pelo cardiologista, um deles mostrou elevação repentina do PSA (Antígeno Prostático Específico), um marcador de câncer de próstata. Após ser encaminhado ao urologista e realizar outros vários exames, incluindo biópsia, veio o laudo definitivo do câncer. Na época, ele tinha 53 anos e nunca havia tido uma doença mais grave, ou precisado passar por qualquer tipo de intervenção cirúrgica.

Muito assustado, Marco leu bastante sobre a doença e a respeito da prostatectomia radical, tendo em mente relatos de pessoas próximas à ele que, após a cirurgia, perderam definitivamente a ereção e/ou passaram a sofrer com elevados graus de incontinência urinária. Homens com idade semelhante à dele que precisavam usar fralda geriátrica diariamente. Para piorar o cenário, dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), indicavam que anualmente cerca de 14 mil óbitos eram registrados.

Esse número fez com que o servidor público federal repensasse o sentido da vida. Todos os seus objetivos e sonhos, agora seriam pautados pela esperança de sobreviver. O câncer de próstata é o segundo tipo mais comum da doença em homens, sendo que em 2020, 65 mil casos foram detectados. Na tecnologia, entretanto, reside a esperança de alguns, já que nos últimos anos, uma série de inovações tecnológicas surgiram tanto para tornar mais eficiente o tratamento, quanto para diagnosticar o tumor o mais rápido possível. Atualmente existem diferentes formas de retirar o órgão, que variam desde modalidades abertas até a cirurgia robótica. Pela prostatectomia aberta, é feito um corte na parede abdominal, abaixo do umbigo para ter acesso ao órgão que será removido. Porém, o risco de incontinência e disfunção erétil é elevado.

Já a prostatectomia videolaparoscópica é realizada através de trocateres que são colocados em toda parede abdominal. Nesse procedimento, o cirurgião opera olhando para o vídeo que traz imagens da cavidade. As mãos manipulam os instrumentos de fora do organismo. A técnica apresenta bem mais vantagens do que a cirurgia aberta, mas os movimentos são efetuados em um ambiente bidimensional, de maneira que, para sua perfeita execução, é necessária maior destreza do médico. Além disso, o assistente deve dirigir a câmera em sincronia com os movimentos do cirurgião, caso contrário o procedimento pode se tornar ainda mais desafiador.

Por fim, na modalidade robótica, as vantagens da videolaparoscopia (menos dor e sangramento) são ampliadas pela precisão do robô. Ele permite visualização tridimensional e com proporções aumentadas, além de otimizar a dissecção dos feixes nervosos e na junção da bexiga com a uretra. Como consequência disso, o tempo de recuperação da continência urinária e da função erétil é menor. Já o controle dos instrumentos é realizado através do console no qual o cirurgião fica sentado, seja no painel ao alcance do comando digital ou nos pés que controlam a câmera.

Cirurgia robótica de retirada da próstata
Médico manipulando console do robô. Fonte: Getty Images

O sistema dispõe de inúmeras vantagens para facilitar sua execução. A câmera fica presa e o centro remoto dos trocateres também são fixos e portanto causam menos dano a parede abdominal. Ademais, não há tremores, uma vez que tudo é controlado pelo cirurgião em seu console. As mãos robóticas realizam movimentos de giro de até 560 graus, o que seria impossível para um ser humano. Na maior parte do tempo operatório, o médico se encontra de 3 a 4 centímetros do que se está operando, com uma visão aumentada em 10 vezes, com acomodação visual 3D. Portanto, a profundidade da imagem permite que uma maior eficiência da intervenção, sem que o sangue prejudique a visibilidade.

Com todos esses dados em mão, Marco e sua esposa foram ao urologista que o acompanhava há tempos. Ele realizava apenas os procedimentos aberto e videolaparoscópico, mas se prontificou a realizá-los, mencionando que o resultado destas técnicas poderia ser muito próximo ao da cirurgia robótica. No entanto, ao ser indagado pelo casal sobre qual procedimento escolheria, caso fosse acometido por câncer de próstata, o médico não titubeou e, de forma contundente, afirmou que se submeteria à modalidade robótica. Por ser um tratamento relativamente novo e caro, no Estado de São Paulo o procedimento estava disponível apenas na capital. A pedido do paciente, o doutor indicou outros três profissionais, dentre eles o cirurgião Carlo Passerotti, o primeiro a trazer a técnica robótica ao País e um dos clínicos que mais realiza esse tipo de cirurgia no Brasil. O funcionário público então acabou decidindo fazer a intervenção com aquele que possuía mais experiência no ramo.

A cirurgia, realizada no dia 1º de abril de 2019, durou aproximadamente 3 horas e 30 minutos e foi um sucesso. A doença não havia atingido tecidos ao redor e, ao retirar a próstata, nenhum nervo foi danificado durante o processo. A recuperação de Marco não poderia ter sido melhor. Passados mais de dois anos da prostatectomia, o servidor público tem uma vida absolutamente normal.

Entretanto, a realidade do auditor fiscal não é a mesma da grande maioria da população brasileira. Somente o procedimento robótico custa, em média, 20 mil reais. Com a taxa de internação inclusa, esse valor cresce exponencialmente. Embora alguns planos de saúde se comprometam a cobrir parte desse montante, a verdade é que apenas 24,5% dos brasileiros tem acesso a convênios, segundo levantamento do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS). Portanto, é utopia acreditar que todos teriam acesso a um procedimento como esse, como relata Marco.

 

 

A pandemia

Num piscar de olhos voltamos um século no tempo. De repente, estamos de volta ao ano de 1918. À época, sofríamos com a destruição que desmantelou o planeta. A Primeira Guerra Mundial foi cruel, mas não foi a única responsável pelo caos. A Gripe Espanhola assolou a Europa e, posteriormente, o mundo inteiro, deixando mais de 50 milhões de mortos. Já naquele período, nem todos tinham acesso a assistência e a  saúde como um todo, era muito precária.

Mais de 100 anos se passaram e aquele cenário pandêmico tornou-se novamente realidade. A Covid-19 se alastrou pelo mundo como um foguete saindo de órbita. O reflexo da pandemia vai muito além das mais de 6 milhões de mortes, até o momento. No Brasil, a enorme quantidade de infectados fez com que outras doenças fossem deixadas de lado. Os corredores dos hospitais nunca estiveram tão cheios. A realidade, porém, é ainda mais crítica, já que o SUS não tem condições de comportar tantas pessoas e o serviço público de saúde jamais foi capaz de lidar com tamanha demanda.

Não é possível tratar das pessoas da forma como se deveria. Nem mesmo com o advento da tecnologia isso seria possível. Notoriamente, ela foi uma das aliadas dos cientistas na busca por minimizar os efeitos da doença. De fato, ela que forneceu os meios necessários para o desenvolvimento das vacinas. No entanto, em um cenário mundial no qual 1% dos mais ricos detém quase 40% de toda economia global, a desigualdade social é o que prevalece. Dentro desse contexto, nada deve ser tão doloroso quanto perder um familiar por negligência, nos corredores dos hospital. O vírus não tinha cor, não possuía gênero, não tinha  religião e não carregava preconceitos. Todos estavam sujeitos a transmissão.

Entretanto, as semelhanças param por aí. As elites, sempre tiveram acesso aos melhores profissionais, mais chances de serem atendidas e, por fim, não ficaram reféns da falta de oxigênio. De volta ao exemplo do câncer é irônico pensar que a tecnologia é capaz de desenvolver métodos e tratamentos super avançados que a maior parcela da população nunca se beneficiará. No fim da história, as tecnologias, sim, ajudaram a salvar milhões de vidas, mas também realçaram a gigantesca distância entre classes. Talvez, por conta disso, a medicina é um dos maiores indicadores da desigualdade social no Brasil e no mundo.

O professor da PUC-SP, Claudir Segura, explica como o metaverso pode ser utilizado para diferentes áreas em evento promovido pela TOTVS
por
Maria Luiza Oliveira
|
18/06/2022 - 12h

 

Nos dias 14 e 15 de junho aconteceu em São Paulo, no Expo Center Norte, o Universo Totvs 2022 e contou com a participação do professor da PUC-SP, Claudir Segura para falar sobre o metaverso. O objetivo do evento foi trazer maiores informações para profissionais de TI, Administrativo/Financeiro, Startups, Operações, RH, Marketing e Vendas sobre tecnologias no mercado.

A participação do professor ocorreu no segundo dia e o tema da palestra foi no espaço “Beer for Devs: No Metaverso da Loucura”. Com apresentação André Noel e ao lado de Marcel Saraiva, Executivo de Contas da NVIDIA Entreprise e de Caio Jahara, Co-Founder e Growth Converge Metaverse, Claudir falou sobre as possibilidades de aplicação do metaverso em diferentes cenários, seja ele no mercado ou na academia.

Da esquerda para a direita: Caio Jahara, Marcel Saraiva, Claudir Segura e André Noel
Da esquerda para a direita: Caio Jahara, Marcel Saraiva, Claudir Segura e André Noel

“Esse tipo de evento é importante para criar a sinergia entre universidade e empresa para assuntos da vanguarda. E é muito importante ter um professor da universidade conversando e articulando com o mercado para avaliar e entender a consequência da tecnologia.” - relata Daniel Gatti, Diretor Adjunto da Faculdade de Ciências Exatas e Tecnologia da PUC-SP.

Daniel Gatti, Diretor Adjunto da Faculdade de Ciências Exatas e Tecnologia da PUC-SP
Daniel Gatti, Diretor Adjunto da Faculdade de Ciências Exatas e Tecnologia da PUC-SP

 

O Metaverso tem o propósito de quebrar as barreiras do espaço virtual e do físico, onde pessoas irão interagir através de avatares tanto via Realidade Virtual, Aumentada ou ainda estendida e que funciona como reflexo do mundo no qual a sociedade está inserida. Como dito no encontro pelos palestrantes, o metaverso já é uma realidade vista nos vídeos games, lançamento de produtos, e que o desenvolvimento deste "além" universo abre espaços e oportunidades nos mais diversos campos, como moda, design, educação, programação, entretenimento, comunicação, entre outros.

 

Aplicação do metaverso nos dias atuais

O Second Life é um ambiente 3D criado em 2003 por Philip Rosedele e se constituía em uma vida virtual, e que levava os jogadores a desenvolver atividades lucrativas. O jogo tem a sua própria moeda, o Lidall Dollar (L$) e tem a possibilidade de ser convertido em dólar.

Os palestrantes explicam que um dos motivos para a Second Life não ter dado certo é devido a falta de tecnologia e profissionais capacitados da época. Contudo, esse cenário é diferente para os dias atuais, uma vez que ambos os fatores já estão disponíveis no mercado e cada vez mais a tecnologia está sendo atualizada para proporcionar uma melhor experiência no metaverso para seus usuários.

Palestra “Beer for Devs: No Metaverso da Loucura” no evento Universo Totvs 2022
Palestra “Beer for Devs: No Metaverso da Loucura” no evento Universo Totvs 2022

“Temos tecnologia disponível, profissionais e desenvolvedores altamente capacitados para acompanhar o metaverso” - diz Segura. Apesar disso, o professor faz uma ressalva da falta de valorização no âmbito nacional desses profissionais e da demora para implementar novas tecnologias no país, como o recurso 5G, que será fundamental para o funcionamento e ampliação desse conjunto de tecnologias. 

Para aqueles que acreditam que o metaverso é uma realidade muito distante, e dificilmente fará parte dela, o professor afirma que hoje podemos considerar o metaverso como o início da Internet “Ninguém conseguia definir exatamente o que era, e como funcionava, mas quando percebemos, já estávamos lá dentro e fazíamos parte dela”. Não se trata do futuro. Falamos do presente. Bem vindo ao mundo dos universos incontáveis…

 

 

 

 

 

 

País tem muitas mentes criatividas, mas quem não está numa startup ainda enfrenta dificuldades
por
Vinicius Vilas Boas
Marcelo Zanardo Penna
|
07/06/2022 - 12h

As invenções fazem parte da nossa história e sua importância passa pela evolução da sociedade, seja por sua praticidade, entretenimento ou prazer. No Brasil, inúmeros inventores brasileiros já produziram invenções que ajudaram a população e foram comercializadas no mercado nacional e internacional. Como por exemplo, o avião de Dumont e o rádio de Landell.

Porém, mesmo que isso aconteça, esses profissionais que não trabalham para empresas, sofrem com a falta de incentivo governamental e a burocracia para patentear suas ideias, pelos valores que precisam ser pagos aos advogados, para comprovação de sua originalidade. Além de alguns inventores sentirem dificuldades em vender os seus produtos, por não possuírem a desenvoltura de ser um vendedor.

Daniela Mazzei, diretora executiva da ANI
Daniela Mazzei, diretora executiva da Associação Nacional dos Inventores (ANI). Foto: Acervo pessoal

A Associação Nacional dos Inventores (ANI), intermediadora entre os inventores e empresas, ajuda-os a vender os seus produtos e facilitar as burocracias de patentear um projeto. A diretora executiva da entidade, Daniela Mazzei, conta que a ideia da criação da associação surgiu há 30 anos, quando um casal de irmãos inventores com experiência no registro de marcas viajou a uma feira de inventores no exterior e descobriu que existiam diversas associações no mundo para reunir essas mentes criativas que tinham as mesmas necessidades. Mas no Brasil ainda não havia nada parecido.

A diretora executiva afirma que, hoje, a ANI faz um trabalho bem completo, auxiliando e ajudando quem tem alguma ideia ou quem não sabe o que fazer com o projeto. “A empresa auxilia no processo de marketing, de patente, e na parte de negociação desses projetos”, comentou Daniela. Ela ainda reafirmou que o trabalho da associação é justamente esse: orientar e auxiliar empreendedores, inventores e até empresários em todos os ramos voltados a propriedade intelectual, ou, propriedade industrial, registro de marca, patente e direitos autorais, isso tanto no Brasil quanto no exterior.

Além disso, há muitos inventores que não sabem por onde começar para colocar suas ideias em prática, e a diretora cita que em alguns casos precisam de investidores. Para isso, a empresa procura gerar ao produto do inventor um impacto surreal no mercado, como exemplo, as invenções do “macarrão” para piscinas, de Adriano Sabino, que hoje é um fenômeno no mercado para quem tem piscina em casa, pela diversão e auxílio a um possível afogamento.

Daniela garante que tem boas expectativa quanto ao mercado de inventores: “acho que esse número tende a aumentar, porém, a grande questão hoje é que muitas vezes as pessoas não se enxergam como inventores, mas sim como empreendedores, mas que seus produtos não deixam de ser uma invenção”.

A diretora executiva nos traz um dado interessante, onde pesquisas mostram que mais de 60% do que foi inventado foi pensado por uma pessoa física e não uma empresa, alertando que isso deve ser valorizado e que aqui no Brasil, não temos um incentivo para que os inventores levem suas ideias adiante, diferentemente dos países mais desenvolvidos, onde cada pessoa tem um direito a fazer uma patente sem gastar muito.

Daniela crê que a partir do momento em que existirem incentivos e o próprio governo falar sobre isso, acaba por florescer um pouco mais o conhecimento. A falta de informação de muitos professores, tanto de escola quanto de faculdades, sem explicação de como funciona uma negociação de patente, empobrece a cultura da invenção. Então, a diretora da ANI afirma que este é um tema que precisa ser levado a sério.

Paulo Gannam e sua invenção H2X, voltada para a prevenção de acidentes no trânsito
Paulo Gannam e sua invenção H2X, voltada para a prevenção de acidentes no trânsito.        Foto: Acervo pessoal

De acordo com Paulo Gannam, um profissional autônomo dessa área de invenção, há outro possível problema, como do empresariado ser cauteloso ao risco, não querendo investir e, muitas vezes, apenas entrar em contato com o inventor aparentando ter interesse na invenção, pedindo detalhes, mas só para verificar como poderia copiar sua ideia sem ser legalmente punido.

Bem como, para o inventor, o auxílio governamental é essencial. “O governo precisa criar uma cultura de valorização à criatividade e à propriedade intelectual produzida por inventores brasileiros, que, embora anônimos, são responsáveis por mais de 50% de toda a produção de patentes no Brasil, sejam elas patentes de invenção ou patentes de modelo de utilidade.”, comentou Paulo.

“Necessita também criar programas e editais de fomento à inovação que atendam às demandas de inventores independentes, pessoas físicas, para que estes possam acelerar seus projetos, partindo-se do princípio de que inovação nasce em toda esquina, e não há motivo justo para que ela fique restrita a grandes centros de pesquisa de empresas e universidades.”, concluiu o inventor.

Desta forma, é necessário obrigar os órgãos responsáveis de Inovação a darem o real suporte a projetos de inventores independentes, para que eles atinjam um amadurecimento suficiente, ao ponto de conseguirem negociar seus projetos. Para assim, os inventores com o devido suporte, resultarem em mais empregos, mais concorrência entre empresas – de forma saudável, e mais arrecadação de impostos. Adquirindo uma melhora na economia e na sociedade, que passa a ter acesso a novos produtos e serviços que poderiam fazer toda a diferença em suas vidas.

Muitos tratam a invenção como um hobbie, como inventar um brinquedo com uma garrafa PET para seu filho ou então algo para facilitar em alguma tarefa doméstica. Também há aqueles em que o prazer por inventar pulsa, em uma busca insaciável para criar algo único, que revoluciona o mundo. Com isso, no dia 04/11, comemora-se o dia do inventor e a sua importância cultural e educacional é essencial para o crescimento da sociedade.

Pessoas assintomáticas podem passar pela triagem, aponta especialista
por
Esther Ursulino
|
26/05/2022 - 12h

Por Esther Ursulino

Durante a pandemia da covid-19 diversos estabelecimentos adotaram a medição de temperatura como uma das principais formas de tentar controlar a disseminação do vírus. Entretanto, especialistas apontam que esse protocolo de segurança é falho, visto que quando os termômetros são utilizados de forma incorreta apresentam resultados imprecisos. Além disso, alguns contaminados podem passar pela triagem, pois nem todos os infectados têm febre.

Os termômetros infravermelhos, também conhecidos como pirômetros ganharam popularidade durante a crise sanitária ocasionada pelo novo coronavírus. Isso se deve, em parte, pela vantagem que esses aparelhos têm sobre outros métodos de medição de temperatura: não precisam ter contato direto com o corpo da pessoa aferida – característica importante em um contexto de distanciamento social.

Mesmo fazendo a leitura à distância, esses aparelhos viraram alvo de notícias falsas. Uma delas dizia que o laser emitido por eles seria capaz de atingir a glândula pineal e trazer prejuízos à saúde. Por isso, os pirômetros não deveriam ser apontados para a testa, e sim para o pulso. Fernando Lang, que é professor de física da UFRGS, desmente a peça de desinformação. Segundo o docente, o laser dos termômetros infravermelhos não tem poder de penetrar nos objetos. Ele funciona apenas como uma mira para indicar a área que se deseja medir a temperatura, podendo ser desligado sem afetar o resultado da aferição. Portanto, não prejudica a saúde. 

Lang também explica que os pirômetros nada emitem, pelo contrário, são receptores. Quando apontados na direção de uma superfície, apenas fazem uma análise da radiação infravermelha que é emitida pelo corpo humano – e por qualquer objeto do cotidiano, sem exceção – resultando em uma medida de temperatura. Ou seja, o laser não é o responsável por fazer a leitura, e sim o sensor desse tipo de aparelho.  

A circulação de fake news relacionadas ao funcionamento dos pirômetros fez com que muitas pessoas passassem a apontá-los para o pulso em vez da testa, o que de acordo com o físico da UFRGS provoca uma leitura imprecisa: “A testa é um dos lugares corretos (o interior da boca, o reto, embaixo das axilas são outros) para se detectar o estado febril, pois ali a temperatura é mais elevada que em outras partes expostas do corpo. (...) O pulso apresenta temperatura cerca de 2°C inferior à temperatura de outras partes do corpo utilizadas para estabelecer se uma pessoa está em estado febril. Portanto, é completamente sem sentido apontar o termômetro para o pulso.”

Além disso, os manuais desses aparelhos indicam explicitamente que a medição deve ser feita pela testa, como pode ser lido na página 7 do Termômetro Incoterm: https://www.incoterm.com.br/media/2013/10/manual-tci1000.pdf. Na mesma página há um alerta: “Tentar realizar uma medição em qualquer outro local no corpo poderá resultar em uma leitura imprecisa”. 

Outros fatores devem ser observados para que não haja interferências no resultado da aferição: 

  1. A triagem deve ser feita em um local livre de correntes de ar, em que a temperatura ambiente não seja inferior a 25°C. 

  2. O pirômetro utilizado deve ser de uso clínico, projetado para medir a temperatura do corpo humano. Os termômetros infravermelhos utilizados pela indústria não servem para este fim. 

  3. O pirômetro deve estar posicionado a uma distância de 4 a 6 centímetros em relação a testa da pessoa que terá a temperatura aferida. 

  4. A pele da testa deve estar seca e sem obstáculos

  5. A lente frontal do termômetro deve estar seca e limpa 

  6. Se o termômetro for híbrido, ou seja, que mede a temperatura de objetos e pessoas, é preciso configurá-lo para o modo “body” (corpo)

  7. As medidas de temperatura devem ser feitas em no mínimo três minutos após a prática de exercícios físicos

Tendo em vista a quantidade de cuidados necessários para que o resultado mostrado pelo pirômetro seja preciso, o médico infectologista Marcelo Otsuka diz que, comparado aos termômetros clássicos, os termômetros infravermelhos não tem uma acurácia tão boa. 

Otsuka salienta que, mesmo se tivessem uma boa capacidade de aferição, ainda seria questionável adotar a medição de temperatura como único protocolo de segurança. "Muitas pessoas podem ter o vírus, podem estar transmitindo, e não ter sintomas, inclusive não ter febre. (...) Ter a temperatura como parâmetro é uma possibilidade, mas isso nunca deve ser considerado como parâmetro único.” Por isso, para o médico infectologista, é importante que esta medida seja somada a outros protocolos de segurança, como os inquéritos epidemiológicos, a testagem, a higiene das mãos e o uso de máscaras – em especial por pessoas com comorbidades.

Segundo Rosana Richtmann, infectologista do instituto Emílio Ribas, o vírus está circulando menos, mas ainda  circula. Por isso, é importante que a população esteja com a vacinação contra a covid-19 em dia.  A médica ainda ressalta que pessoas vacinadas também podem transmitir o vírus. Portanto, é importante que a imunização seja adotada junto a outras medidas de segurança. 

 

termômetro infravermelho

 

Os dilemas que permeiam o desejo feminino de se tornar mãe
por
Leticia Alcântara Andrade de Freitas
|
23/06/2022 - 12h

Por Letícia Alcântara

 

Ilustração de feto no útero em forma de coração - Foto: Getty Images
Ilustração de feto no útero em forma de coração - Foto: Getty Images

 

O sonho de Isleida Moura de ser mãe já tem mais de 15 anos, sem sucesso, devido a problemas de fertilidade. Tal aspiração não é exclusiva de Isleide, o desejo de tornar-se mãe é expressivo no coração de milhares de outras mulheres; não é  exagero afirmar que a maioria delas já nascem mães, pois até mesmo quando elas não podem gerar filhos, isso não as impedem de adotarem e assim, exercerem este instinto natural. A grande pergunta feita por muitos é: Porque essas mulheres não adotam já que existem orfanatos repletos de crianças à espera de um lar? A resposta talvez esteja na expressão do direito de exercer sua maternidade, e quando possível de modo a sua escolha, e a ciência, estando disposta para possibilitar a concretude desta decisão.

O sonho de ser mãe, portanto, é algo presente na vida de muitas delas, mas algumas anseiam em vivenciar a experiência nas entranhas, na carne,  gerar a vida dentro de si, sentir as mudanças físicas, hormonais e, principalmente emocionais durante o processo dentro do seu ventre. Acima de tudo, é mais do que  realizar  um sonho, é experienciar por meses o milagre da reprodução. Durante esse processo a mulher  passa por uma  metamorfose e  para a maioria é uma vivência inigualável, sendo para elas os sacrifícios, físicos, psicológicos ou as dores  passadas, sentidas, em prol de colocar seu bebê no mundo, heroicamente suportadas, pois ao  vislumbrar-se tornando-se mãe ela se dispõe a enfrentar este momento com bravura  e  nada, absolutamente nada, deve ser mais importante ou maior em sua vida. É um desejo que a acompanhará por todo o sempre; sentir uma vida dentro de outra vida, dois corações batendo no mesmo corpo. Este é o ideal romântico da fertilização, que para alguns é só ciência e mercantilização, entretanto para estas pessoas a expectativa e por fim sua realização, é o milagre da vida falando mais alto.

O desejo especial de se tornar mãe, figura a vida de muitas mulheres ao redor do mundo, gerar outra vida, através do próprio ventre, trás consigo um ideal mágico, divino, espetacular; Porém pouco se fala daquelas mulheres, que se deparam com dificuldades ao longo deste processo, ainda que dados da OMS apontem que  50 a 80 milhões de pessoas em todo o mundo podem ser inférteis. No caso específico do Brasil, este número chega a 8 milhões, estando relacionado cerca de 35% dos  casos de infertilidade,

Número que coloca a infertilidade como o bicho papão para todas que querem engravidar  ou seja, as mulheres que colocam a maternidade como projeto de futuro. Mais que curar e tratar doenças, os avanços da ciência carregam a possibilidade da realização de sonhos, sendo um destes mecanismos a reprodução assistida. Entende-se por reprodução assistida todo e qualquer processo reprodutivo, que tenha alguma espécie de intervenção científica, viabilizando desta forma a gravidez. Tais intervenções podem ser divididas em procedimentos de baixa e alta complexidade, sendo o primeiro quando não há manipulação dos óvulos e espermatozoides em laboratório, já no caso do segundo, ocorre esse manuseio o  que explica a terminologia “In vitro”, de forma simplificada, como esclarece a pesquisadora e especialista em reprodução humana, Michelli Montãno, que hoje reside na Espanha, um dos destinos mais procurados na Europa e no mundo, para as técnicas de reprodução.

Tudo depende de quão invasiva é esta intervenção. Dentro destas duas subdivisões, existem diversos métodos que podem ser adotados, a depender da necessidade de cada paciente. Ainda em relação ao método, a especialista pontua que o mesmo deveria ser decidido de forma individual, com cada paciente porém isso na prática ,não ocorre, os ginecologista em sua maioria, não costumam pedir exames para investigar como está a reserva ovariana da mulher, e quando pedem , são em pacientes já com idade avançada, o que para Michelli é um erro, pois isso deveria ser pedido inclusive para mulheres jovens, para alertá-las, a fim das mesmas ponderarem as opções, incluindo o  congelamento de óvulos.

Quando nos referimos ao método é importante salientar, que não é correto usar as expressões taxa de sucesso e de falha, uma vez que cada organismo é um, e mesmo obtendo sucesso na tentativa, em algumas situações, a gravidez não irá adiante, pelo contrário em diversos casos uma primeira experiência não é o suficiente. Muitos fatores levam mulheres, a recorrerem a estes tratamentos, como problemas genéticos, e até mesmo o avanço da idade. Estudar, trabalhar, casar, alcançar estabilidade emocional e financeira,  é um processo longo, e quem segue essa ordem, não necessariamente a risca, mas que escolhe deixar por último a concepção dos filhos, acaba se deparando com alguns desafios, especialmente em se tratando de mulheres, que não só tiveram uma inserção tardia no mercado de trabalho, pós constituição de 1934, como também seguem enfrentando diversos estigmas e preconceitos sociais referentes a conciliação de vida profissional e maternidade.

Como esclarecem os especialistas, a idade reprodutiva das mulheres, atinge seu pico entre os 25 e os 29 anos, após 29 anos até os 35, as chances ainda são consideradas boas,  depois dos 35 as dificuldades aumentam gradativamente ao passar dos anos, sendo depois dos 40 frequentemente necessário o suporte médico, e  os riscos de complicações gestacionais, considerados  altos.  A entrevistada Francielle Delabio, relata que ao chegar próximo aos 40, vinda de tentativas naturais infrutíferas, não queria mais esperar, então aos 38 anos começou o processo, Francielle que recorreu ao congelamento dos óvulos, para fertilização em um momento propício, seguindo orientação médica, com testes de ovulação e administração de medicamentos, obteve êxito na primeira tentativa, e hoje tem uma filha de 5 meses de vida.

Gráfico idade x fertilidade, Fonte: Felicitá Instituto de Fertilidade
Gráfico idade x fertilidade, Fonte: Felicitá Instituto de Fertilidade 

Na caminhada, para a tão sonhada gravidez, as mulheres lidam com constantes adversidades, encarar  a expectativa, ansiedade e frustrações. Amanda Bueno, que realizou duas FIVs (Fertilização In Vitro) relata seu sofrimento, afirmando que a parte mais complexa de lidar é o psicológico, e que vivenciou uma montanha russa de emoções incluindo, medo, frustração e  luto. Ela sinaliza a importância de toda mulher que passa por este tratamento ter um acompanhamento psicológico, principalmente porque ele influencia muito no resultado final. Amanda, ainda não conseguiu engravidar, porém afirma que após se recuperar psicologicamente, pretende continuar tentando. 

Outro fator determinante são os elevados valores, as medicações são caras, juntando procedimentos e internação, tornam-se menos acessíveis ainda; os valores de uma inseminação giram em torno de 10 mil reais, e uma fertilização in vitro, não ficando abaixo de 20 mil. Os procedimentos, por enquanto, não estão no rol de cobertura de nenhum convênio, o que gera ainda mais desilusão  para as contratantes. No Brasil já existem tratamentos realizados pelo SUS, para famílias de baixa renda, porém ainda que mais acessíveis, nem sempre são 100% gratuitos, requerendo custos altos para o padrão da maioria da população, além de uma burocracia significativamente demorada.

Isleide Moura atualmente conseguiu o tratamento pela  UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), que detém  um programa de assistência para pessoas de baixa renda, a mesma narra que a instituição cobra um valor de 3 mil e 900 reais pela internação e os procedimentos cirúrgicos, além do custeio da medicação, que totaliza 5 mil reais, e também fica por sua conta.

Os dilemas que circundam a reprodução assistida são muitos, além de negligenciados pela população em geral e pelo governo, pouco se fala de um tema que é realidade constante para muitas mulheres, para muitas famílias. Aquelas que exprimem o desejo da maternidade biológica, gerar uma nova vida, não deveriam jamais ser privadas desta vontade, especialmente quando o fator determinante se restringe ao dinheiro, ou melhor a falta dele.

Que avanços médicos/científicos são imprescindíveis e essenciais não existem dúvidas, ou questionamentos, mas e quando estes avanços só chegam para alguns? E quando a ciência se torna reduzida a só mais um objeto de aparthaid social, quanto vale um sonho? E mais quanto vale uma nova vida, que a ciência pode e deve, ajudar a gerar, más que por assimetrias sociais presta este auxilio apenas para alguns.

 

 

 

Quando surgiu o crack em São Paulo? E a 'Cracolândia'? O que dizem os psiquiatras?
por
Pedro Laigalini
|
23/06/2022 - 12h

Por Pedro Guimarães Labigalini

 

O que hoje chamamos de centro-velho já foi palco de diversas transformações sociais, diásporas, movimentos de industrialização e, depois, de acentuada gentrificação. A verdade é que o solo entre a Avenida São João e a Alameda Cleveland protagoniza a história da cidade de São Paulo, e esboça, invariavelmente, um reflexo, da urbanização paulista. Até o início da década de 30, o fluxo econômico de São Paulo, e até mesmo grande importância das movimentações financeiras nacionais, corriam entre a Santa Cecília e a Catedral da Sé. É justamente com a quebra da bolsa de Nova Iorque, em meados de 1930, que ocorre a debandada empresarial do centro. Empresas, rádios, televisões e bancos migram da região central, e partem para o logradouro de mais altitude: a Avenida Paulista.

Mas, para compreender com eficácia as dinâmicas habitacionais da área em apreciação, devemos retornar à 1878, quando o empresário suíço Frederico Glete e o alemão Victor Nothmann, arremataram grande terreno na circunvizinhanças da ainda incipiente São Paulo, e repartiram a terra em lotes para dar fundação a grandes mansões. Ali, ergueu-se o primeiro bairro planejado da cidade, onde se aportaram vultosos industriais e o baronato cafeeiro, haja vista a boa localização assegurada para as viagens de tratativas negociais. Esse empreendimento tem marcantes traços e influências dos mestres-de-obra e artesãos portugueses, italianos e espanhóis que foram empenhados  na construção civil.

O bairro manteve essa atmosfera do baronato até a, já mencionada, quebra da bolsa de Nova Iorque. Quando ocorre o capital sobe a colina e se instala na Av. Paulista, as grandes mansões começam a dar espaço a cortiços, e os habitantes dos Campos Elíseos passam a ser, majoritariamente, parte do proletariado de uma cidade que aportava indústrias no seu recinto residencial. Ocorre que muitas estruturas foram mantidas, e edifícios sobreviveram à industrialização, de forma que a Prefeitura decidiu, por meio do Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo (CONDEPHAAT), tombar as características urbanísticas do perímetro, em 1986.

CRACOLÂNDIA

 

Apesar do tombamento conferido pela municipalidade, a degradação dos Campos Elíseos teria início quatro anos depois, e não seria através do esmorecimento da identidade urbana, mas através de um fenômeno social  sintomático.

De acordo com a Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. do Ministério da Justiça e Segurança Pública o crack surgiu nos Estados Unidos na década de 1980 em bairros pobres de Nova Iorque, Los Angeles e Miami. O baixo preço da droga e a possibilidade de fabricação caseira atraíram consumidores que não podiam comprar cocaína refinada, mais cara e, por isso, de difícil acesso. Aos jovens atraídos pelo custo da droga juntaram-se usuários de cocaína injetável, que viram no crack uma opção com efeitos igualmente intensos, porém sem risco de contaminação pelo vírus da Aids, que se tornou epidemia na época.

Em oitenta e seis, ano que o CODEPHAAT conferiu proteção ao bairro, o crack ainda não era conhecido no Brasil. O primeiro relato da droga data de 22 de julho de 1990. A Polícia Militar teria apreendido um jovem com pouco mais de 200 gramas, na zona leste de São Paulo. No início, o consumo acabou se concentrando, em grande parte, naquele lado da cidade. Até que uma disputa entre os traficantes deslocou o fluxo de vendas para a região da Luz.

Em 1988, o Terminal Rodoviário da Luz havia sido desativado. Sem-tetos e pessoas em situação de rua habitaram o complexo no primeiro momento. Quando ocorre, porém, a mencionada diáspora do tráfico, em movimento semelhante ao que ocorrera com o capital nos anos 30, a região é tomada pela presença dos usuários e pela “cena aberta de uso de drogas”.

A primeira vez que o termo apareceu no vocabulário escrito remete a 1995, em reportagem do Estadão que tratava da inauguração da Delegacia de Repressão ao Crack . A concentração para consumo, desde lá, foi apenas aumentando. Até que em 2005, a gestão municipal de José Serra deu estopim às ações:

Serra desligou bares e hotéis associados ao tráfico da região, tentou retirar aqueles em situação de rua da região, e declarou imóveis como sendo de “Utilidade Pública”, para viabilizar a desapropriação. As medidas não surtiram efeito significativo nenhum.

Em 2007, a gestão era de Gilberto Kassab. Promoveu o programa “Nova Luz”, que renunciava 50% da cobrança de IPTU da região, e 50% do ISS. Apesar de beneficiar, notadamente, os menos vulneráveis, a ação também não provocou grandes alterações nas estruturas já estabelecidas de degradação urbano-social que agora assolavam os arredores da Rua Helvétia.

Diante do pujante insucesso das políticas de Kassab, o Governo Estadual se levantou da cadeira, e Geraldo Alckmin foi quem deu início a uma política que correu paralela e conjuntamente às empreitadas municipais, o Programa Recomeço.

O Recomeço contou, em sua elaboração, com a participação do médico psiquiatra da Unifesp, Ronaldo Laranjeiras.  Com Ph.D na Inglaterra, e prática conhecidamente mais conservadora, ele concedeu entrevista a esta reportagem, que será reproduzida mais adiante. Ele foi um dos responsáveis pela implementação dos CRATOD’s (Centro de Referência de Álcool, Tabaco e Outras Drogas), que acolhe os usuários na Rua Prates.

De acordo com o Portal do Governo do Estado, “as mães dos pacientes procuram orientação no chamado ‘Recomeço Família’, um braço do Programa Recomeço. (...)
Muitos dos pacientes recebem ali mesmo o encaminhamento para o tratamento, de acordo com o seu quadro e nível de intoxicação. Além das Comunidades Terapêuticas, eles podem ser direcionados também a uma avaliação médica ou, em casos menos graves, para um Caps do município ou da própria instituição.”

A ação chegou a atender mais de 3.000 pessoas por dia em todo o estado paulista, e, apesar de também oferecer assistência social e atendimento ao paciente, recebeu tantas opiniões contrárias quanto pacientes.

As críticas recaem, em sua maioria, no direcionamento às Comunidades Terapêuticas. A psiquiatria parece não ter entendimento sedimentado e único a respeito do tratamento de dependência química. Mas duas frentes se ressaltam nas políticas de saúde pública lançadas nas últimas décadas.

A primeira caminha pela via da internação e afastamento do usuário. A outra anda ao lado da assistência social e redução de danos. Esta segunda teve expressividade em alta quando embasou o programa Braços Abertos, com Fernando Haddad à frente da Prefeitura em 2014. O programa foi coordenado pelo psiquiatra Dartiu Xavier, colega de casa de Laranjeiras, também da Unifesp. Usuários de crack eram acolhidos em hotéis e a Prefeitura tentaria promover alimentação, assistência médica e trabalho. Aqueles que varriam as ruas passaram a receber R$ 15 reais.

As ações foram desmontadas quando João Dória assumiu. Em meados de 2016 pediu à justiça a internação compulsória de mais de 400 usuários de crack da região. O Ministério Público entendeu a ação da prefeitura como improcedente, e a justiça rejeitou o pedido.

Concorrentemente ao Programa Recomeço, estadual, Dória lançou o Redenção, que ficou marcado por uma grande intervenção policial que tomou as ruas do centro, no mesmo 21 de maio em que acontecia a Virada Cultural. Se, naquele momento, houve uma pulverização dos usuários, não demorou uma semana até que se concentrassem novamente, desta vez no preciso endereço da R. Helvétia. Ali permaneceram, e assim mantiveram-se os esforços do Poder Público. Até o presente ano de 2022, em que ocorreu a ocupação da Praça Princesa Isabel, e a consequente operação policial que retirou os usuários e cercou a praça para as reformas a agendadas alguns meses antes.

A movimentação de pessoas que usam e traficam drogas a céu aberto voltou a crescer na região da Cracolândia, no centro de São Paulo, após dois anos de queda. A média de frequentadores chegou a 579 pessoas por dia de janeiro a setembro de 2021, número 21% maior do que o registrado no mesmo período em 2019 (478) e 14% maior que em 2020 (506).

A prefeitura, no primeiro dia de ações de zeladoria, retirou onze toneladas de lixo em duas rodadas de limpeza na Princesa Isabel. O que leva a subprefeitura da Sé, responsável por aquele território, ao pódio das despesas em varrições e limpeza de calçadas.

Se a manutenção do espaço é, ora, tão custosa, e sequer há retorno fiscal para a Prefeitura, por quê não encontramos soluções efetivas até o momento? A medicina parece tampouco ter uma resposta. Ou tem respostas, mas elas são bastante idiossincráticas. 

 

O QUE DIZ A MEDICINA?


 Ronaldo Laranjeiras concedeu entrevista a esta reportagem quando dos mais recentes fatos acerca da mudança para a Princesa Isabel.

Do consultório de sua clínica de dependência, Ronaldo conversou via zoom. Ao fundo, as estantes de livros eram atingidas pela luz do sol vespertino, que entrava por uma ampla janela. De sua mesa, respondeu descontraidamente às perguntas, e o trecho de maior relevância está aqui transcrito.

Na sua visão, onde está a ponta do novelo pra gente desatar esse nó da ‘Cracolândia’? São 30 anos de Políticas Públicas, o senhor inclusive participou do Programa Recomeço e disse que foi descontinuado. Mas onde o Poder Público, e talvez nós, como sociedade, estamos errando e o que estamos deixando de encontrar para desatar esse nó?

“Acho que você tem que saber que são várias populações que estão na cracolândia. Você tem ali a população de rua que não usa drogas; você tem a população de rua com transtornos mentais severos; e você tem pessoas usuários de drogas, eventualmente com transtornos mentais; e tem usuário que fica de passagem, que não é frequentador da cracolândia, mas vai, passa, fica naqueles hotéis.

Então, o ponto central é que você não teve uma política que levasse em consideração essa complexidade. E tem um pilar central aí que é o crime organizado, que ganha 9 milhões, no mínimo, por mês. É uma empresa que fatura nove milhões por mês; não existe isso. Você tem a feirinha de objetos roubados ali. Você pergunta pros usuários como eles consegue dinheiro, se a pessoa não trabalha, é por roubo, fruto, prostituição.

Então, a política pública, ela é muito pontual e muito frágil pra lidar com essa complexidade. Isso é válido aqui em São Paulo, lá em São Francisco, Los Angeles. Enquanto a política pública não levar essa complexidade... e não são os moradores de ruas só, ‘puros’ (apenas), tem o crime organizado que se beneficia. (...)

(...)Então a política falha porque ela não leva em consideração essa complexidade. Aí fica num debate muito pobre, ao meu ver: ‘vamos internar todo mundo, ou vamos prender todo mundo’. Eu acho o debate meio pobre. Acho que não vai ser uma solução única, você prender ou internar. Ou dar casa para todo mundo.

É não levar em consideração a complexidade da política para uma população muito vulnerável. Porque tem gente que sai da prisão, a gente tem esse dado, não tem para onde ir, e vai pra cracolândia. Ou então a família não aguenta mais o cara usar crack, manda embora, e ele vai lá pra cracolândia. E ele é se abrigado, de alguma forma, pelo crime organizado, acaba tendo alguma função dentro da cadeia de venda de drogas, nos pequenos roubos e furtos.

Então tem uma complexidade, todo mundo ‘ah, vamos fazer prevenção’, aí a pessoa acha que uma ação de prevenção, qualquer que seja, vai resolver essa complexidade.

O que eu acho...  é uma ingenuidade! Ou eu estou velho, (risadas) e com bastante tempo de cadeira, (por isso) não acredito nessas ingenuidades. (...)

(...)O Prefeito, ao meu modo de ver ver, deveria se reunir com a Câmara de vereadores, com o Ministério Público, com a Defensoria Pública, e ter um consenso do que fazer. De qual setor fazer. É saúde, é social? Isso é parte do governo... e então fazer uma política consensual do que fazer com a cracolândia. Essas medidas unilaterais e isoladas, elas tem um efeito imediato (...) mas se não tiver uma dimensão, se achar que ‘do prefeito’. Se tiver um cara que vai ser o ‘xerife’ da cracolândia, está  fadada ao erro.(...)”

 

Esta é a visão de um médico com prática e postura mais conservadoras, e anteriores a que é encampada posteriormente por, e tem como maior expoente o coordenador do Braços Abertos, Dartiu Xavier. Dartiu segue a linha da Redução de Danos. Foi procurado por esta reportagem, que não obteve respostas. Para Xavier, que coordena o Programa de Orientação e Atendimento a Dependentes da Unifesp (PROAD), conforme entrevista ao portal UOL: “os modelos mais repressivos e coercitivos fracassaram no mundo inteiro”. Internar o usuário, retirando-o de seu ambiente para o tratamento, não produz efeitos a longo prazo, mesmo com recursos financeiros, porque a droga "não é causa, é consequência”. Ele afirma também que, o usuário ficar “limpo” em uma clínica, é uma situação fácil. "Mas quando a pessoa volta para a sua vida e seus problemas, ela recai",

Em outra entrevista concedida à Folha de São Paulo, desta vez por escrito, delineou melhor sua impressão:

Aquela imagem do engenheiro que perdeu tudo e foi morar na cracolândia é a raridade da raridade. A droga é efeito, não causa da exclusão. A pessoa já vive excluída socialmente, e sua miserabilidade faz a droga florescer. Há uma grande diferença entre o usuário ocasional e o dependente. Para o segundo, a droga, seja álcool, seja crack, não é recreacional, é fuga”

Quando a gestão municipal de João Dória trouxe à tona, novamente, a internação compulsória, Dartiu disse ao Brasil de Fato:

“Para você ter uma ideia, mais de 90% de quem é internado contra a vontade recai e volta a usar drogas menos de um mês depois da internação. Ou seja, a eficácia é tão baixa que não se justifica do ponto de vista médico. Isso sem mencionar as atitudes que são tão afrontosas às liberdades individuais, aos direitos humanos. Então, eu acho lamentável que a gente, em 2017, esteja ainda voltando ao retrocesso"

Ao Mídia Ninja, disse:

“A minha impressão é que estamos indo na contramão da história, cada vez mais retrógrado nas políticas públicas para drogas. Embora a gente veja uma tendência mundial mais reacionárias, o mundo inteiro está revendo suas políticas de drogas e se flexibilizando. Há vários países regulando e legalizando. Os Estados Unidos e o Canadá, por exemplo, estão indo para uma linha francamente de redução de danos, se abrindo para outra visão, muito mais parecida com a Holanda.”

 

 

Chave por trás de inúmeras descobertas tecnológicas que mudaram a história é, também, o principal motivo da destruição em massa causada pela guerra.
por
Guilherme Silvério Tirelli
|
05/05/2022 - 12h

Por Guilherme Tirelli

Na contemporaneidade, o mesmo país que clamava por liberdade alguns anos atrás, chora os reflexos de um período sem precedentes. A recente invasão russa à Ucrânia, no fim de fevereiro, marca uma nova era global, principalmente no que diz respeito as disputas pelo poder. O confronto, reverbera uma vertente híbrida da guerra, pautada nos estudos cognitivos da mente humana, e em três pilares fundamentais: ciência, tecnologia e mídia.

Praça da Independência em Kiev em 2018
Praça da Independência em 2018. Fonte: Arquivo pessoal

A guerra, por sua vez, possui uma trajetória longínqua que iniciou-se nas antigas batalhas relacionadas ao estado de Lagash, por volta de 2525 a.C. Já durante o Renascimento, Nicolau Machiavel defendia a tese de que um grande governante deveria assumir sua profissão nada mais além do conflito. A ótica de que “O Príncipe” não deveria ser amado por seu povo, mas sim temido por ele, perdura desde a Idade Média. Aliado a essa premissa, com a finalidade de se tornar bem-sucedido durante os conflitos, o italiano pregava que o domínio das técnicas, sistemas e estratégias era essencial.

Dessa forma, desde o século XIV a ideologia de que a ciência era fundamental dentro das discussões sobre logística de guerra vem sendo propagada, uma vez que foi ela quem sempre produziu e, ainda produz, meios para a continuação de confrontos. Por sua vez, o desenvolvimento tecnológico na produção das armas, tornou ainda mais brutais as consequências dos conflitos. Segundo o coronel da reserva do Exército, Orizon Ruyter de Freitas Jr, com o advento da tecnologia, foi possível incorporar dispositivos capazes de maximizar o dano causado, como por exemplo, a mira eletrônica. Ainda de acordo com o militar, é o uso da ciência que dita as relações de poder nos dias de hoje.

Contudo, para se compreender o período exato em que, principalmente os europeus reconheceram a vantagem que ela poderia lhes proporcionar, é preciso retornar ao cerne da Primeira Guerra Mundial. Até então, nenhum outro enfrentamento havia causado mais de dois milhões de mortes. Todavia, entre 1914 e 1918, nove milhões de pessoas perderam suas vidas, não pelas mãos da Tríplices Aliança, ou dos “Aliados”, mas sim pela ciência.

E foi pela Ciência, durante o conflito, que a invenção da metralhadora, creditada à Hiram Maxim, se transformou em um mecanismo mais mortífero. No entanto, a química também teve um papel muito importante no decorrer da guerra. Levando em consideração o enorme número de armas e munição, as formações em linha deixaram de fazer sentido, ao passo que o de canais abaixo do solo tornou-se uma maneira viável de defesa. Com o intuito de fazer os inimigos saírem das trincheiras, os alemães utilizaram o gás cloro, que atacava as células do sistema respiratório. O contra-ataque não demorou e veio quando os cientistas desenvolveram filtros e máscaras capazes de neutralizar os efeitos do gás.

O uso da metralhadora durante a 1ª Guerra Mundial
O uso da metralhadora durante a Primeira Guerra Mundial. Fonte: Getty Images

O confronto, porém, ainda estava longe do seu desfecho. Enquanto a química continuava a causar danos localizados, tanques começaram a ser utilizados, ao mesmo tempo em que os aviões foram equipados com metralhadoras. Nos oceanos, os submarinos também tiveram sua importância durante o combate. Por fim, dentro de um contexto cibernético, o fato dos alemães terem atrapalhado a circulação de produtos para a Inglaterra foi um dos combustíveis que levaram a Europa a destruição.

Mas, além das milhões de perdas irreparáveis, as consequências da Primeira Guerra Mundial foram experimentadas no mundo inteiro. A criação de um ciclo competitivo de inovação provocou incessantes desdobramentos, presentes até os dias de hoje. Entretanto, a principal concepção deixada pelo conflito foi que, para realmente ter sucesso, era estritamente necessário inventar e inovar antes dos demais. Tal máxima impulsionou a criação de novos mecanismos ainda mais letais que deixariam sua marca duas décadas depois.

Idealizada por H. G. Wells, a bomba atômica não passava de uma utopia, um conceito ficcional atrelado às obras do escritor britânico, ainda em 1914. No entanto, anos mais tarde o cientista Leo Szilard realmente descobriu-a, ao passo que Albert Einstein sugeriu que ela poderia ser construída na prática. Em agosto de 1939, o alemão assinou uma carta destinada ao então presidente americano Franklin Roosevelt, alertando que a Alemanha Nazista poderia construir um novo tipo de bomba, extremamente perigosa e que por essa razão estavam extraindo urânio em minas na Tchecoslováquia.

A carta, apenas foi assinada por Einstein. Quem a escreveu foi justamente Szilard. Sob um ponto de vista global, a escritura marcava o surgimento de uma nova era na história da guerra. Roosevelt tomou a frente do Comitê do Urânio que deu origem a principal corrida armamentista da Segunda Guerra Mundial. Em 1943, cerca de quatro anos após o início do conflito, Estados Unidos e Reino Unido fundiram suas pesquisas. Os cientistas britânicos tiveram um papel muito importante ao decifrarem o código secreto dos alemães. Além disso, ajudaram no desenvolvimento do radar e, mais tarde, no projeto Manhattan.

Carta enviada por Einsten à Franklin Roosevelt
Carta entregue à Roosevelt por Albert Einstein. Fonte Getty Images

Dois anos após unirem forças, Estados Unidos e Reino Unido tornaram  Manhattan uma espécie de segredo absoluto. Ninguém saberia quais seriam os próximos passos do projeto até 16 de junho de 1945, dia em que a primeira explosão nuclear foi realizada no Novo México. A experiência Trinity serviu como um teste para aquilo que se transformaria em uma das tragédias mais dolorosas testemunhadas pelo homem.

Em agosto do mesmo ano, após a morte de Roosevelt, Truman autorizou o uso das bombas de Hiroshima e Nagazaki. Centenas de milhares de pessoas foram assassinadas durante o ataque ou por consequência dele, algum tempo depois. Trinity não apenas decretou o início da Era Atômica, mas provou que a Ciência, responsável pelo surgimento de inúmeras tecnologias que alavancaram a humanidade, também tinha o poder de causar uma destruição em massa. Os cientistas assumiram o projeto com um grande entusiasmo, tanto pelo que poderia significar militarmente, quanto, principalmente, pela oportunidade de explorar os limites do conhecimento humano e recursos da época. Contudo, uma vez concluída, a bomba causaria um efeito nunca antes visto e eles assistiriam, perplexos, as consequências do que haviam ajudado a construir. Mesmo após as críticas aos ataques, a tragédia marcou o ponto inicial da corrida nuclear.

Quase quatro anos após o desfecho da Segunda Guerra Mundial, no dia 29 de agosto de 1949, a União Soviética também testou sua primeira bomba atômica em Semipalatinsk. O experimento apenas endossou o que já se sabia: a Guerra Fria se tornaria uma realidade. A partir desse momento, o desenvolvimento tecnológico já consistia na principal frente do conflito. O lançamento dos satélites Sputnik 1 e 2, fez com que o Departamento de Defesa dos Estados Unidos criasse a ARPA (Advanced Research Projects Agency), divisão apoiada pelo governo americano, que desenvolvia pesquisas em tecnologias de computadores nas universidades

É exatamente nesse contexto de embate tecnológico que, em 1969, surge a Internet, sob o nome de Arpanet. A visão do Pentágono à época era que a rede seria um importante mecanismo de defesa, caso houvesse um ataque nuclear dos soviéticos. Os dados permaneceriam armazenados, com o intuito de manter ativa a comunicação entre militares e cientistas. De acordo com o coronel Orizon, ainda que restrita ao uso militar, o novo sistema comunicacional adquiriu um caráter revolucionário. Segundo ele, o grande efeito que ela trouxe foi na questão da velocidade das comunicações. Como consequência disso, as disputas pelo poder começaram a ser pautadas pelo acesso a informação, o que deu origem a guerra de narrativas. É justamente nesse contexto tecnológico que a Guerra Fria se instaurou.

Sob um ponto de vista global, o conflito impulsionou o uso da ciência e da tecnologia. A Guerra Fria se caracterizou como um fenômeno plural que moldou as condições e as decisões, assim como as relações internacionais, em meio a rivalidade entre Estados Unidos e União Soviética. O embate, ainda que indireto, criou um forte clima de tensão sobre a possibilidade de um confronto aberto entre as duas potências. Como consequência desse processo, após a dissolução da URSS, Ucrânia, Bielorrússia e Cazaquistão assinaram um acordo na década de 90, no qual abriram mão de seu armamento nuclear.

Na contemporaneidade, entretanto, os reflexos desse acordo começaram a ser testemunhados. De acordo com a ONU, mais de 3 mil civis morreram na Ucrânia desde a invasão russa ao país. A entidade considera que esse número é ainda maior, uma vez que o confronto dificulta o acesso a determinadas áreas do país. A estimativa é de que pelo menos 5,5 milhões de pessoas fugiram do território ucraniano desde o princípio da guerra. Tal cenário não remete em nada aquele de uma década atrás, no qual Estados Unidos e Rússia assinaram o New Start.

O acordo, firmado em 2010, limitaria o arsenal nuclear das duas potencias a “somente” 1500 ogivas ativas até 2021. Contudo, embora ele tenha sido prorrogado por mais cinco anos, ainda não cobre pontos críticos da tensão entre os países. Por esse motivo, Moscou continua desenvolvendo novos super mísseis nucleares, enquanto Washington multiplica e rearma as bases da OTAN. Era evidente que uma hora o preço viria. Porém, o mais cruel é que aqueles que não tinham nada a ver com o embate entre Estados Unidos e Rússia são os que pagam com a própria vida.

Acordo New Start
Putin e Biden em reunião sobre o New Start. Fonte: Folha PE

Diante desse cenário, chega a ser uma utopia acreditar que a Guerra Fria, de fato, acabou. Ela está ai, para todo mundo ver. Os desdobramentos recentes sugerem que, na Ucrânia, a nova ordem mundial está sendo decidida. O conflito entre russos e norte-americanos está muito longe de acabar, principalmente em um contexto global cada vez mais dominado pela tecnologia que, por sua vez, permite a construção e consolidação de confrontos dessa magnitude à qualquer instante. Caminhamos a passos largos ao encontro de uma realidade pautada pelo desenvolvimento científico e tecnológico e essa conjuntura pode ter pontos positivos e negativos. Depende do caminho que a humanidade escolher. Fato é que se nenhuma medida for tomada nos próximos anos, poderemos sim, ficar reféns das máquinas.

Inovando a forma tradicional de armazenar seus dados, o sistema garante mais benefícios aos usuários e empresas
por
Malu Marinho
Ramon de Paschoa
Tabitha Ramalho
|
07/12/2021 - 12h

  A tecnologia da nuvem inclui o fornecimento de serviços de inteligência aos servidores, armazenamento, análises e bancos de dados, rede e software, tudo isso pela Internet para oferecer inovações mais rápidas. O engenheiro de dados da marca esportiva Nike, Thiago Corrêa, afirma que através dessa tecnologia se otimiza os custos e o tempo da sua empresa, estresse, além do dinheiro e mão de obra.


    As grandes empresas de tecnologia Google, Microsoft e Amazon são fornecedoras do sistema de computação em nuvem. Com o uso diário da internet, hospedar documentos tornou-se algo benéfico tanto para a segurança — armazenando seus dados com a proteção da Lei Geral de Proteção — quanto para o transporte de informações. Ao contratar, as empresas deixam de arcar com mão de obra especializada e grandes servidores para armazenar, a Nuvem é elástica e fornece a quantidade adequada de recursos de Tecnologia da Informação, sempre que necessário.

     Utilizado pela primeira vez no ano de 1997, o termo "computação na nuvem" foi adotado pelo professor de sistemas de informação Ramanath Chellappa, da Goizueta Business School. Em palestra, Chellappa se apropriou do termo por inspiração do símbolo da "nuvem" para representar algo que está "no ar", assim como a internet. Desde então, "a gente começou a virtualizar a própria infraestrutura" como pontuado por Corrêa. Tornou-se cada vez mais comum o uso da inteligência não só para cientistas da computação ou profissionais de TI (Tecnologia da Informação) mas também para o público geral.

      Revigorada há pouco tempo no Brasil, a sanção da Lei Geral de Proteção de Dados, também conhecida como LGPD, traz para as empresas a obrigatoriedade de informar a finalidade da coleta (de dados) aos titulares. 

Thiago Corrêa, engenheiro de dados/ acervo pessoal

A lei se aplica à tecnologia da Computação na Nuvem, já que sua principal função é o armazenamento de referências para as empresas. O engenheiro sinaliza que, quando um analista recebe a pesquisa, ele não tem acesso ao CPF do usuário, por exemplo. E acrescenta, "como sou o engenheiro de dados, ao ver esse tipo de informação (pessoal), preciso mascarar para que a empresa esteja dentro do combinado com a LGPD". 
 

  Com a fiscalização mais atenta através da LGPD, o cotidiano individual é facilitado, já que é informado ao usuário onde, porquê e para quem seus dados estão sendo coletados. Para as grandes corporações, a Nuvem fez com que muitos gastos fossem evitados, por não haver necessidade do uso de máquinas com servidores. O engenheiro explica que, "quando a gente fala de empresas, o serviço em nuvem é um benefício porque elas não vão ter aquela dor de cabeça de custos e perda de tempo que tinham antes."

   O engenheiro aponta um diferencial positivo sobre o uso da tecnologia, explicando que o principal data center — o centro de processamento de dados — do Google fica na Finlândia e, a energia consumida é totalmente ecológica. Ainda pontua como sendo um benefício ambiental, "a computação em nuvem fornece não só diferencial para si mesmo, como para a natureza". 

    Migrar para o serviço de computação na nuvem é o começo da maior presença da tecnologia nas nossas vidas cotidianas. As empresas de grande porte abordam a inteligência como uma jornada de melhoria constante. De acordo com a Accenture Technology, em pesquisa realizada com mais de 4.000 respondentes, revelaram que o deslocamento para a nuvem entrega resultados positivos: quase 3/4 das empresas consultadas relataram cortes de custo de até 11% e puderam acelerar a carga de trabalho em resposta à pandemia, fornecendo melhor qualidade, segurança dos dados, e suporte aos profissionais da área. 

    A tecnologia chegou para facilitar diversos setores, "você não precisa mais ser especialista em configurações de equipamento" diz Corrêa, "muito mais fácil, ir no terminal da servidora e clicar (...) facilita, para todos, incluindo o especialista de TI." complementa. A inteligência de Computação na Nuvem, não é um mecanismo restrito aos servidores da área, e sim, para todos que fazem uso da internet seja para trabalho, estudo ou armazenamento de informações comuns. 
 

O equipamento é utilizado em casos refratários do tratamento convencional
por
Isabela Lago Miranda
|
24/11/2021 - 12h

Por Isabela Lago Miranda

Oxigenação por membrana extracorpórea, ou ECMO, é uma técnica que utiliza dispositivos mecânicos para dar suporte respiratório para um paciente, utilizados em casos de gravidade como uma forma de proporcionar tempo até que se estabeleça um tratamento ou um transplante de órgãos. Em casos graves da doença que não responderam bem à ventilação mecânica, ECMO foi utilizada no tratamento da Covid-19 em centros especializados com equipe multifuncional com treinamento específico. A tecnologia passou a ser conhecida pela população geral após ser utilizada pelo ator e comediante Paulo Gustavo quando foi internado pelo corona vírus, gerando comoção nacional, que não compreendia na época do que se tratava.

                O processo se dá com a retirada do sangue através de uma veia para uma bomba e por uma membrana artificial que faz a função do pulmão, essa técnica ajuda a retirar o gás carbônico e oxigenar o sangue, que é devolvido para o organismo. “Tem como finalidade o repouso do pulmão afetado pelo covid até que se consiga tratar a doença e, com a melhora dos sintomas, vai se reduzindo a necessidade da ECMO até sua retirada final” explica Daniela Cristina, fisioterapeuta respiratória do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo.

                Embora aumente as chances de sobrevida, a ECMO também oferece risco aos pacientes, como hemorragia, infecção, embolia pulmonar e acidente vascular cerebral; além disso, é custosa, por isso não é incorporada ao SUS por ordem da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema de Saúde (CONITEC). Mesmo assim, a CONITEC estima que 1 a 1,2% dos pacientes com Síndrome de Angústia Respiratória Aguda (SARA) pela covid-19 refratários ao tratamento convencional se beneficiariam da ECMO enquanto os outros 99% necessitariam de ventilação mecânica.

 “Já usávamos ECMO no tratamento de pacientes com SARA e após o início da pandemia foi incorporado ao tratamento de pacientes de Covid19. Antes tínhamos poucos pacientes utilizando, mas a pandemia fez com que a máquina fosse mais usada e mais profissionais tenham que ser treinados para usar ela”. Daniela considera que há significantes benefícios para o uso dessa tecnologia, “A expectativa de vida, ou sobrevida, aumentou, tornando possível o tratamento até o final do Covid19, a recuperação total e a alta hospitalar”.