Resultado divulgado na quarta-feira (14) impôs uma derrota ao bloco político de centro-esquerda, no poder há 8 anos. Partido de origem neonazista se torna o segundo maior do país.
por
Luan Leão
|
15/09/2022 - 12h

Passados três dias das eleições gerais na Suécia, a atual Primeira-Ministra do país, Magdalena Andersson, reuniu a imprensa em uma coletiva na capital Estocolmo, para comunicar a derrota no pleito do último domingo (11). A disputa entre o bloco governista, de centro-esquerda, e o bloco de oposição, de direita/extrema-direita, foi apertada e decidida por uma vantagem mínima.

As pesquisas de intenção de voto antes das eleições mostravam uma vitória apertada dos governistas, liderado pela Primeira-Ministra. Nas apurações boca de urna, ainda no domingo (11), as projeções eram similares às pesquisas. Porém, no começo da segunda-feira (12), o bloco de direita/extrema-direita começou a aparecer com a maioria dos votos, com cerca de 90% das urnas apuradas.

Ainda na segunda-feira (12), candidatos do bloco de oposição comemoram o resultado junto a seus apoiadores. A Primeira-Ministra, no entanto, não havia declarado a derrota dos governistas. Com a margem de vantagem estreita, ainda era possível uma virada dos governistas, o que dava razão para a cautela de Andersson quanto ao resultado. 

 

Em números



Os números divulgados nesta quarta-feira (14) mostram que o partido Social-Democrata, que está no governo há 8 anos e é o partido que mais vezes governou a Suécia desde 1930, segue sendo o maior do país, tendo conquistado cerca de 30,5% dos votos, o que representa 107 assentos no parlamento. Os Social-Democratas conquistaram 7 cadeiras a mais do que na última eleição, mas foram prejudicados pelo baixo desempenho dos demais partidos da coligação.

Eleições na Suécia
Magdalena Andersson, Social-Democratas (a esq.), Ulf Kristerson, Moderados (centro), Jimmie Akesson, Democratas Suecos (a dir.), em debate durante as eleições. Foto: Jonathan Nackstrand / AFP 

Contudo, uma mudança importante no jogo político sueco ocorreu nas eleições deste ano. O partido de extrema-direita e de origem neonazista Democratas Suecos (SD) obteve um resultado histórico e expressivo. O partido se tornou o segundo maior da Suécia, ao obter cerca de 20,6% dos votos nas eleições; cerca de 73 cadeiras no Parlamento. O resultado mostrou o crescimento dos SD, que em 2006, há 16 anos, conquistaram apenas 3,7% nas eleições legislativas, e chegaram pela primeira vez ao parlamento em 2010, conquistando 5,7% dos votos.

O resultado rebaixou o Partido Moderado, de Ulf Kristersson, que agora é a terceira maior sigla do país, conquistando 19,1%, obtendo 68 cadeiras no Parlamento. Apesar de perder duas cadeiras no Parlamento em relação a eleição de 2018, os Moderados devem liderar o novo governo, já que os SD não conseguem obter apoio suficiente dos partidos para eleger um novo Primeiro-Ministro.

Ainda na aliança de direita/extrema-direita, os Democratas-Cristãos conqusitaram 19 cadeiras, e os Liberais, 16.
 

O resultado das eleições ainda precisam ser oficializados, o que deve ocorrer no próximo final de semana, mas marcam uma importante virada na política sueca.



E agora ?


Com 99% das urnas apuradas, de acordo com a autoridade eleitoral sueca, o bloco formado pelos partidos de direita/extrema-direita (Moderados, Democratas-Suecos, Democratas-Cristãos e Liberais) conquistou 176 das 349 cadeiras no Parlamento. A coalizão governista formada pelos partidos Social-Democrata, Verdes, de Esquerda e de Centro, ficou com 173 assentos.



“O resultado preliminar é claro o suficiente para chegar a uma conclusão” - Magdalena Andersson em coletiva reconhecendo a derrota do bloco governista

Eleições na Suécia
Primeira-Ministra, Magdalena Andersson, reconhece a derrota nas eleições gerais. Foto: Jéssica Gow / TT News Agency / AFP



Depois da divulgação dos resultados, Magdalena Andersson, primeira mulher a ocupar o cargo de Primeira-Ministra no país, e no posto há apenas 10 meses, disse em coletiva que irá renunciar na quinta-feira (15). “Pedirei ao orador que eu seja dispensada do meu posto”, disse Andersson. A premiê completou dizendo que era “importante que a Suécia tenha um novo governo o mais rápido possível”.



“Quando houver um novo governo, vou liderar a social-democracia na oposição. Nós estamos dispostos a cooperar com quem quiser fazer parte da solução dos problemas que o nosso país enfrenta” - Magdalena Andersson em coletiva reconhecendo a derrota do bloco governista


O líder do Partido Moderado, Ulf Kristersson, principal candidato ao posto de Primeiro-Ministro pela oposição, se manifestou através de uma rede social. “Obrigado pela confiança. Agora vamos colocar ordem na Suécia!”, publicou. Kristersson também disse que já deu início aos trabalhos para formar um novo governo, afirmando que “há uma grande frustração na sociedade”, e prometendo um governo “para toda a Suécia e para todos os cidadãos”.

Eleições na Suécia
Ulf Kristersson vai liderar negociações para formação de um novo governo. Foto: Frederik Sandberg / AFP



O principal cotado para o cargo de Primeiro-Ministro de fato terá trabalho para formar um novo governo. Internamente existe a expectativa de que ele tente formar governo apenas com os Democratas-Cristãos, porém, é necessário o apoio dos Liberais e dos Democratas Suecos (SD), partido de extrema-direita, no Parlamento. Já é sabido que os Liberais e os Democratas Suecos divergem em muitas pautas e se recusam a integrar uma mesma coalizão.

Jimmie Akesson, líder do SD e responsável pela ascensão do partido desde 2005, prometeu ser uma “força construtiva e proativa” no governo, complementando dizendo que o trabalho agora é fazer o país “voltar a funcionar bem”. No domingo (11), o líder havia comemorado a provável mudança no poder e revelou desejo de integrar o novo governo. “No momento, parece que teremos uma mudança no poder, e nossa ambição é ter um assento no governo”, disse Akesson. 

Eleições na Suécia
Jimmie Akesson lidera crescimento de partido da extrema-direita desde 2005. Foto: Johan Nilsson / AFP

A fragilidade da coalizão vencedora, fruto dos desafios entre SD e os Liberais, pode fazer com que os partidos apoiem o novo governo no Parlamento, mas não façam parte dele. 

Uma coalizão improvável é a união entre os Social-Democratas, partido mais votado nesta eleição, e o maior partido do país, e os Moderados. Para isso, os Social-Democratas precisariam romper com tradicionais aliados ao centro e à esquerda. Essa aliança entre a centro-esquerda e a direita não ocorre desde a 2ª Guerra Mundial.

 

No governo há oito anos, social-democratas são os mais votados, porém, a maioria absoluta no Parlamento não é assegurada. Partido de extrema-direita cresce e pode liderar bloco de direita/extrema-direita.
por
Luan Leão
|
13/09/2022 - 12h

Mais de 7,5 milhões de suecos foram às urnas no último domingo (11) para votar na eleição legislativa no país. A eleição deste ano foi pautada na segurança pública, os recentes tiroteios preocuparam os eleitores. Outros dois pontos de atenção dos votantes na corrida eleitoral foram a inflação crescente e a crise energética após a invasão da Ucrânia.

Segundo as pesquisas mais recentes, a aliança governista receberia entre 48,6% e 52,6% dos votos, contra 47,1% e 49,6% da aliança de direita/extrema-direita.



O que interessou aos eleitores ?

O debate entre os candidatos se baseou em mostrar aos eleitores quem é mais firme contra o crime, em especial de gangues. Tradicional território da direita, o tema da segurança pública foi bastante explorado durante a campanha. Por outro lado, as questões econômicas e energéticas auxiliaram a Primeira-Ministra Magdalena Andersson (Social-Democrata).

Há pouco mais de 10 meses no cargo, Andersson foi Ministra das Finanças de 2014 até 2021, quando se tornou a primeira mulher Primeira-Ministra da Suécia. Contra Andersson, os dois principais opositores são Ulf Kristersson, líder do partido Moderado, e Jimmie Akesson, líder do partido de extrema-direita Democratas da Suécia (SD). 

Eleições na Suécia 2022
Andersson e Kristersson lideram blocos diferentes nas eleições suecas. Foto: Jonathan Nackstrand / AFP 


E os números ?

As apurações preliminares mostram que a coligação de centro-esquerda, formada pelos partidos Social-Democrata, Verdes, de Esquerda e de Centro. A oposição viu o crescimento do partido de extrema-direita Democratas da Suécia (SD) e a queda do partido Moderado.

Os Social-Democratas foram o partido mais votado, com 30,5%. Em segundo lugar aparece o SD, com 20,7%; o partido Moderado, de direita, conquistaram 19% dos votos. Uma pesquisa boca de urna da emissora pública SVT mostrava que o bloco governista havia conquistado 49,8% dos votos contra 49,2% do bloco de oposição, formado pelos Moderados, Democrata Cristão, Popular Liberal e Democratas da Suécia.

Na manhã de segunda-feira (12), o cenário parecia se inverter. Com cerca de 90% dos votos apurados, a oposição estava conquistando 176 assentos contra 173 da centro-esquerda; dos 349 assentos do Parlamento sueco. A autoridade eleitoral prevê o resultado final para ao menos na quarta-feira (14).

Ainda estão sendo contabilizados os votos do exterior e enviados pelos correios e, devido a disputa acirrada, podem alterar o quadro da eleição. Por esse motivo, a Primeira-Ministra, Magdalena Andersson, ainda não reconheceu uma possível derrota. Depois de votar, em um subúrbio de Estocolmo, Andersson falou em “respeitar uns aos outros”. “Quero uma Suécia onde continuamos a desenvolver nossos pontos fortes. Nossa capacidade  de enfrentar os problemas da sociedade juntos, formar um senso de comunidade e respeitar uns aos outros”, disse a premiê.

Primeira-Ministra Magdalena Andersson
Primeira-ministra Magdalena Andersson votando neste domingo (11). Foto: Jonathan Nackstrand / AFP


Em caso de vitória do bloco de direita/extrema-direita, Ulf Kristersson, líder dos Moderadados, surge como favorito para liderar a formação de um governo e se tornar Primeiro-Ministro, colocando fim aos oito anos de governo do Social-Democratas. Porém, com o SD aparecendo com mais votos pode complicar as negociações. “Ainda não sabemos qual será o resultado, mas estou pronto para fazer tudo o que puder para formar um governo novo, estável e vigoroso”, disse Kristersson.

 

Líder dos Moderados pode ser novo premiê
Líder dos Moderados pode ser o Primeiro-Ministro da coligação de direita/extrema-direita. Foto: Fredrik Sandberg / TT News Agency / AFP



Apesar de ainda não ser um resultado definitivo, Jimmie Akesson, líder do SD, comemorou o resultado prévio do partido. “No momento, parece que teremos uma mudança no poder, e nossa ambição é ter um assento no governo”, disse Akesson aos apoiadores. “Independentemente do que aconteça esta noite, a coisa mais importante para mim, para nós, para todos os democratas suecos em todo o país, são os malditos 175 assentos para que possamos finalmente trazer uma mudança de poder e nossa política pró-Suécia”, completou. 
 

Líder da extrema-direita comemora resultado
Líder da extrema-direita, Akesson comemorou o resultado das eleições de domingo (11). Foto: Maja Suslin / EPA

 

De pária a aliado

Com origem neonazista, e um discursos anti-imigração e ultra-nacionalista, o SD passou por uma modernização política, passando a dialogar com maior facilidade com a classe trabalhodora, os aposentados e os setores menos qualificados. Liderado por Akersson desde 2005, o partido se vê em ascensão meteórica, saltando de 3,7% nas eleições legislativas de 2006 para os incríveis 20,7% nas eleições deste ano.

Veja o crescimento em números: em 2010 o partido chegou ao Parlamento, conquistando 5,7% dos votos. Em 2014 a legenda cresceu, subindo para 12,9%; e em 2017 chegou a 17,5%.

Pelo caráter extremista, o SD era considerado um partido pária, e os demais partidos de direita e centro se recusavam a pensar em qualquer aliança para governar que envolvesse a sigla. Porém, nessa eleição, o líder do partido Moderado, Ulf Kristersson, admitiu a possibilidade de uma coligação. Kristersson salientou, porém, que pretende contar com o apoio do SD apenas no Parlamento, optando por formar governo com os Democratas-Cristão e os Liberais. 

 

Com 61,87% dos votos pela reprovação e 38,13% pela aprovação, o projeto foi recusado. Assim, continua em vigor a Carta elaborada na ditadura de Pinochet.
por
Giulia Aguillera
Sônia Xavier
|
10/09/2022 - 12h
Manifestantes vão pra rua após resultado parcial da apuração do plebiscito
Manifestantes vão às ruas após divulgação do resultado parcial do plebiscito. Foto: Martin Bernetti/AFP

No último domingo (4), a população chilena votou em plebiscito pelo projeto de uma nova Constituição. Cerca de 62% das pessoas optaram pelo "Rechazo" (rejeição), contra os 38% dos votos no "Apruebo" (aprovação). 

 

O novo conjunto de leis, se aprovado, seria o primeiro após a Carta Magna elaborada durante a ditadura de Augusto Pinochet, em vigor desde 1980. Entre as principais mudanças propostas pelo texto, está a projeção do Chile como um "Estado plurinacional e democrático de direito". 

 

O governo de Gabriel Boric aguardava a aprovação do novo texto para colocar em prática as reformas sociais prometidas durante sua campanha eleitoral.

 

A decisão de mudar a Constituição surgiu após uma onda de atos contra a desigualdade social em 2019. Conhecido como Estallido social, as manifestações começaram contra o aumento da tarifa de transporte público e passaram a pedir, mais tarde, pela renúncia do presidente Sebastián Piñera, em exercício na época. 

 

Piñera assinou um acordo que propunha a reescrita da Carta, se fosse aprovado. Um ano depois, os chilenos foram às urnas para escolher entre a favor ou contra a reestruturação das leis. A eleição terminou com aproximadamente 80% dos votos dizendo "sim" ao projeto.

 

Em maio de 2021, foi eleita uma comissão responsável por redigir a nova Carta. O grupo era composto por 155 membros, com caráter paritário e progressista, e contava com a participação de 17 representantes indígenas. O texto foi concluído em julho e, se aceito, colocaria em prática uma série de modificações no sistema político chileno.


Os ares que o Rechazo não permitiu que chegassem ao Chile

Fila de chilenos para votação no último domingo
14,7 milhões de chilenos votaram no domingo. Foto:Esteban Félix (AP)

Uma das principais propostas do texto era a eliminação do Senado. A Constituição vigente divide o poder em duas partes: a Câmara dos Deputados e o Senado. Esse segundo, que pode interferir no trabalho dos deputados, chegaria ao fim para dar origem a um modelo com duas Câmaras: o Congresso dos Deputados, cujo papel seria formular leis gerais, e a Câmara das Regiões, exclusiva para leis de acordo regional. 

 

Outra proposta de grande relevância do documento era a criação do Sistema Nacional de Saúde Universal, que destinaria 100% da despesa obrigatória em saúde - os trabalhadores formais, no Chile, são obrigados por lei a investir 7% do salário na área  - ao sistema público.  

 

Na proposta recusada, a interrupção da gravidez de forma voluntária seria permitida por lei. Na constituição de de 1980, é protegida a vida de quem está por nascer, embora, em 2017, o aborto tenha sido descriminzalizado em três circunstâncias: risco de vida da mulher, estupro e inviabilidade fetal. 

 

Direitos aos indígenas e meio ambiente também seriam assegurados. Cerca de 13% da população chilena, as leis vigentes não fazem nenhuma menção aos povos originários. Já o novo projeto reconhecia 11 povos e nações, além de conferir autonomia a eles. 

 

Além disso, o texto conferia um forte carácter ambiental, já que reconhecia a proteção da água e dos direitos dos animais e da natureza como um aspecto fundamental.

 

O projeto de democracia paritária estabelecia, também, que 50% dos cargos de poder e nos órgãos do Estado seriam ocupados por mulheres. Com isso, o Chile se tornaria o primeiro país no mundo a implantar essa medida de igualdade de gênero.

 

A Carta também apresentou proposta de um Sistema de Previdência Social Público, que seria financiado por trabalhadores e empregadores. Um avanço em contraponto ao modelo atual, no qual a aposentadoria depende exclusivamente dos trabalhadores em fundos de pensão privados com pagamentos abaixo dos US $400 dólares estipulado pelo salário mínimo ou 60% menores que o último salário.

 

O papel das fake news no Rechazo

 

Do começo do ano até as vésperas do plebiscito, a aprovação à nova Constituição caiu. Um dos fatores mais fortes que motivou o resultado da votação foi a disseminação de notícias falsas sobre o conteúdo do texto. 

 

Como consequência, a desinformação, somada ao conservadorismo, provocou uma onda de medo nos chilenos, que apresentaram reação negativa à mudança.

Entre as principais fake news que circularam nas redes sociais sobre a Carta, estão a legalização do aborto após os nove meses de gestação; a mudança de bandeira, hino nacional e até nome do Chile; a concentração total de poder nas mãos do líder do país, que possibilitaria a implementação de uma ditadura de esquerda; o fim do direito à propriedade e à herança e a conferência de mais direitos a indígenas e imigrantes do que ao resto dos chilenos.

 

A reação do povo chileno

 

Apesar de já se imaginar o Rechazo, o povo chileno agradou a apuração até ficar, numericamente, impossível a virada. O correspondente internacional no Chile, Rafael Carneiro, em entrevista para a AGEMT, notificou que as pessoas foram pra rua com bandeiras do Chile e fazendo buzinaço de carro para “celebrar o resultado”.

 

Carneiro diz ter tido manifestações contra o resultado no domingo, mas nada muito significativo. "O que eu vi na rua foi o povo celebrando, mesmo”, contou o correspondente.

Chilena beija a bandeira do Chile depois do resultado
População comemora Rechazo. Foto: Reprodução/BBC News

Carneiro ainda menciona as manifestações estudantis que estão ocorrendo desde o início desta semana, mas diz que elas refletem mais as insatisfações não atendidas desde os protestos de 2019, que foram o ponto de partida para a redação da nova Constituição, do que a rejeição da Carta de domingo.

 

“O que eles pediram naqueles protestos de 2019, porque foram eles que iniciaram o 'Estallido social’, não foram atendidos até agora”, explica.

 

Próximos passos

Desde a campanha, o presidente já havia sinalizado que, se houvesse rejeição ao texto, o processo constituinte iria continuar, o que foi assegurado assim que o resultado foi divulgado, na noite de domingo, em discurso para a nação.

 

“Me comprometo a fazer todo o esforço para construir, em conjunto com o Congresso Nacional e a sociedade civil, um novo itinerário constituinte que nos entregue um texto que, a partir dessa aprendizagem, consiga interpretar a maioria dos cidadãos", disse Boric.

Presidente do Chile em discurso para a nação
Gabriel Boric dá entrevista coletiva após a votação do plebiscito sobre o projeto de Constituição, em Punta Arenas, Chile. Foto: AP Photo/Andres Poblete

O governo não possui maioria dos votos na Câmara. A maior parte das cadeiras pertence à oposição, dividida entre centro-direita, direita e extrema direita. Para conseguir mais apoio dos partidos de esquerda dentro do Congresso, o presidente deu início, na terça- feira (6), a uma reforma ministerial.

 

A reforma foi marcada pela saída de Giorgio Jackson da Secretaria-Geral da Presidência, que saiu do comando da secretaria após críticas de diferentes setores políticos por supostamente ter contribuído para a rejeição da Constituição, por falta de diálogo com o Congresso.

 

O cargo foi assumido pela advogada Ana Lya Uriarte, que foi ministra da secretaria do meio ambiente no primeiro mandato da ex-presidente Michelle Bachelet (2007-2010) e chefe do gabinete presidencial no segundo mandato (2014-2018).

 

Outra mudança importante foi a saída da cirurgiã Izkia Siches do Ministério do Interior para a entrada de Carolina Tohá, cientista política, ex-presidenta do Partido pela Democracia, ex-ministra do governo Bachelet e ex-prefeita de Santiago.

 

Dando início às movimentações para construção de um novo itinerário para a Carta Magna, nesta quarta-feira (7), aconteceu a primeira reunião com os líderes dos partidos chilenos no Congresso para acertar as datas e a estrutura da nova Constituição. A ideia para a mesa de diálogo já tinha sido acordada nas primeiras horas após fracasso do plebiscito. 

 

"O diálogo vai se basear aqui no Parlamento, e nós, como governo, vamos acompanhar", disse à imprensa a nova secretária-geral da Presidência, Ana Lya Uriarte, na sede do Congresso na cidade costeira vizinha de Valparaíso.

Entenda o passo a passo dos próximos dias até o enterro da monarca que morreu nesta quinta-feira (08), em Balmoral, na Escócia.
por
Luan Leão
|
09/09/2022 - 12h

A monarquia britânica tem protocolos para tudo e o Palácio de Buckingham já executa o plano denominado "London Bridge", em tradução livre, Ponte de Londres. A operação foi desenvolvida em 1960 e prevê, com detalhes, os protocolos oficiais da realeza para o dia da morte da monarca. 

A Rainha Elizabeth II morreu nesta quinta-feira (08), aos 96 anos, no Castelo de Balmoral, na Escócia, onde passava o verão. Elizabeth II foi a monarca mais longeva da história do Reino Unido, tendo reinado por 70 anos, comemorados em fevereiro deste ano, como o "Jubileu de Platina da Rainha". 

 

Morre Elizabeth II
Rainha Elizabeth II nas comemorações do Jubileu de Platina. Foto: Hannah McKay / REUTERS

Quem é informado ?

Seguindo o protocolo, o secretário pessoal da rainha deve ligar para comunicar a Primeira-Ministra em atividade, neste caso, Liz Truss, sobre a morte. Todo monarca possui um código para avisar sobre seu falecimento, o de Elizabeth II, de acordo com informações de um memorando vazado há alguns anos, seria: "The London Bridge is down" - (A Ponte de Londres caiu, traduzindo). 

Após o aviso a Primeira-Ministra, o Ministro de Relações Exteriores envia um comunicado para os 14 governos fora do Reino Unido onde a rainha era chefe de estado, além de informar os outros 38 países da Commonwealth. Os oficiais também são comunicados do mais velho no cargo ao mais novo. Após o aviso a todos os ministros, as bandeiras de Whitehall, centro administrativo do Reino Unido, são colocadas a meio-mastro.

A Press Association envia um comunicado para todas as redações do mundo, no mesmo momento em que é afixado o comunicado na parte externa do Palácio de Buckingham.

 

Morre Elizabeth II
Anúncio da morte da rainha em moldura de madeira no Palácio de Buckingham. Foto: Henry Nicholls / REUTERS 

A população é avisada através de um comunicado oficial a imprensa. Um pronunciamento é feito na televisão, e o agora rei Charles III se prepara para uma série de viagens pelo Reino Unido pelos próximos dez dias.

O site da família real também é alterado, ficando apenas uma página preta com um breve comunicado informando sobre a morte da rainha. Os sites governamentais recebem um banner preto em homenagem a Elizabeth II.

Protocolos reais 

Assim que se tornou público o falecimento de Elizabeth II, todas as bandeiras dos palácios ficaram a meio-mastro por dez minutos. De acordo com a Operação London Bridge, as atividades governamentais são suspensas pelo prazo de dez dias, exceto as atividades essenciais. As plenários nos parlamentos da Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte são adiadas. 

 

Morre Elizabeth II
Bandeiras das residências reais e edifícios do governo a meio-mastro.
Foto: @10Downingstreet / Divulgação

Caso não esteja reunido, o Parlamento britânico é chamado. Como a monarca estava fora de Londres, foi iniciada, também, a "Operação Unicórnio", que cuida do translado do corpo até a capital do Reino Unido. 

O regresso do corpo da rainha ao Palácio de Buckingham é prevista para o sábado (10). O trajeto deve ocorrer em comboio desde a Escócia, caso não seja possível, o translado ocorre de avião.

Quem fala ?

A Primeira-Ministra, atualmente Liz Truss, última autoridade a se encontrar com Elizabeth II em evento oficial, deve ser a primeira a se pronunciar. 

 

Morre Elizabeth II
Liz Truss foi nomeada pela rainha em Balmoral, na terça-feira (06). Foto: The Royal Family / Divulgação 

D-Day 

O dia da morte da rainha é considerado o Dia D, e todos os dias que se seguem até o funeral são nomeados como Dia D+1, Dia D+2, Dia D+3 e assim por diante. O funeral ocorre no 10° dia. 

Cerimônias 

Ainda no dia do falecimento, ocorre uma cerimônia fechada na Abadia de Westminster, também conhecida como catedral de São Pedro. A cerimônia reúne ministros e, embora planejada, deve parecer "espontânea".


Veja o passo a passo da operação de acordo com o jornal britânico "The Guardian":

Dia D+1 


Conselho de Adesão se reúne para proclamar Charles como rei. O secretário de Gabinete e a Primeira-Ministra se reúnem com o novo rei. A expectativa é de que o rei Charles III fale ao país e a Commonwealth.

Às 12h, horário local, desta sexta-feira (09), os sinos da Abadia de Westminster, Catedral de St. Paul's e Castelo de Windsor tocarão em homenagem à rainha. Saudações de 96 tiros para marcar cada ano da sua vida serão disparadas no Hyde Park e na Torre de Londres às 13h. 

Dia D+2 e D+3

Rei Charles III é proclamado rei e a proclamação é lida de uma varanda no Palácio St.James, no norte de Londres. outra proclamação será lida na Royal Exchange. Espera-se que Charles III tenha uma audiência com a Primeira-Ministra, o secretário de gabinete, o líder da oposição, o arcebispo de Cantebury e o reitor de Westminster.  

As bandeiras estarão a pleno mastro, e permanecerão assim durante 24 horas. Depois voltarão a meio mastro até o dia seguinte ao funeral. 

O corpo deve ser levado, através de comboio, até o Palácio de Holyroodhouse. Os planos incluem uma procissão ao longo da Royal Mile, em Edimburgo, até a Catedral de St.Giles, onde a família real deve assistir a uma cerimônia reservada, antes da abertura ao público. Em seguida, o caixão será levado para o Palácio de Buckingham. 

Dia D+4

Charles chegará à Irlanda do Norte. Haverá ensaios para o cortejo do caixão da rainha do Palácio de Buckingham e Westminster Hall. (Operação Lion)

Dia D+5

Caixão deve chegar ao Palácio de Buckingham horas antes do cerimonial de estado planejado em Londres. O caixão será transferido de Buckingham até o Palácio de Westminster através de uma rota cerimonial por Londres. Espera-se que o caixão seja transportado em uma carruagem de armas. 

 

Morre Elizabeth II
Rainha será levada ao Palácio de Buckingham. Foto: Will Oliveira / EFE / EPA



Dia D+6 

O corpo da rainha ficará no Palácio de Westminster por três dias recebendo visitas. Haverá um ensaio para o cortejo do funeral de Estado. (Operação Feather / Operação Pena)

Dia D+7

Charles III chegará ao País de Gales e receberá moção de condolências. O rei também terá uma audiência com o Primeiro-Ministro Galês, Mark Drakeford. É esperado que representantes da Commonwealth comece a chegar a Londres.

Dia D+8 e D+9 

São esperados milhares de visitantes em Londres para os últimos dias em que poderão prestar suas homenagens a Elizabeth II, a monarca mais longeva da história do Reino Unido. 

Dia D+10 

Proclamado Dia de Luto Nacional. O funeral de Estado será realizado em Westminster, em todo o país serão cumpridos dois minutos de silêncio ao meio-dia. 

Ao final da cerimônia na Abadia de Westminster haverá um cortejo até o Hyde Park, onde será transferido de carruagem de armas para o carro funerário estadual e viajará para Windsor. 

Elizabeth II será enterrada na abóbada Real, na Capela de São Jorge, do Castelo de Windsor, junto ao pai, Rei George VI, e do marido, Príncipe Phillip. 


 

Monarca mais longeva da história do Reino Unido. Elizabeth II morreu aos 96 anos, após 70 anos de reinado.
por
Luan Leão
|
08/09/2022 - 12h

"The London Bridge is down" - A ponte de Londres caiu, esse era o código definido para que o secretário pessoal da rainha Elizabeth II informasse a Primeira-Ministra do Reino Unido, Liz Truss, sobre o falecimento da monarca. Aos 96 anos, Elizabeth Alexandra Mary Windsor faleceu na tarde desta quinta-feira (08), em Balmoral, na Escócia.
 

Morre Elizabeth II
Arco-íris se formou na frente do Palácio de Buckingham, em Londres, nesta quinta-feira (08). Foto: Frank Augstein / AP

O comunicado oficial por parte do Palácio de Buckingham ocorreu por volta das 14h30 (horário de Brasília), 18h30, horário local de Londres, através de uma rede social. "A Rainha morreu pacificamente em Balmoral esta tarde. O rei e a rainha consorte permanecerão em Balmoral esta noite e retornarão a Londres amanhã", disse o anúncio.
 

Morre Elizabeth II
Rede BBC anunciou a morte com imagem da rainha ao som do hino do Reino Unido. Foto: Andre Couldrige / REUTERS

Os filhos de Elizabeth II, Charles, Anne, Andrew e Edward, estavam todos reunidos no Castelo de Balmoral desde o começo do dia, quando a assessoria do Palácio informou que a rainha estava sob supervisão médica, e que inspirava cuidados.

"Após uma avaliação nesta manhã, os médicos da rainha estão preocupados com a saúde da Sua Majestade e recomendaram que ela permaneça sob supervisão médica. A rainha permanece confortável e em Balmoral", dizia o comunicado. 

Com a morte de Elizabeth II, o príncipe Charles, o seu filho mais velho, e sucessor direto, assume como novo rei do Reino Unido e de mais 14 países. Em pronunciamento a imprensa, cerca de 30 minutos depois do anúncio do falecimento, a Primeira-Ministra Liz Truss informou que Charles usará o nome de Rei Charles III.

Charles Phillip Artur George será o monarca mais velho a tomar posse, aos 73 anos. Charles tem dois filhos, os príncipes William e Harry, fruto de seu casamento com a princesa Diana, cinco netos; George, Charlotte, Louis, Archie e Lilibet, e é casado com a agora rainha consorte, Camilla Parker. 

 

Morre Elizabeth II
Rei Charles III será o rei mais velho a assumir o trono. Foto: Ben Stansall / AFP

Em seu primeiro pronunciamento como Rei Charles III, ele lamentou a morte da mãe. "A morte da minha querida mãe, a majestade a rainha, é um momento de grande tristeza para mim e para os membros da minha família. Nós lamentamos profundamente o falecimento de uma querida soberana e uma mãe que foi muito amada. Eu sei que a perda dela será muito sentida no país, na Commomwealth e por incontáveis povos no mundo", disse o texto. 

Seguindo o protocolo de morte da monarca Elizabeth II e ascensão ao poder de Charles III, as bandeiras do Reino Unido estão a meio mastro e um anúncio de falecimento foi afixado no portão do Palácio de Buckingham. A BBC, rede estatal, suspendeu a programação e transmitirá apenas informações sobre a despedida da rainha. 

 

Morre Elizabeth II
Anúncio afixado na porta do Palácio de Holyroodhouse. Foto: Lee Smith / REUTERS

A transmissão do BBC News Special está sendo conduzida pelo âncora Huw Edwards. Desde o início da cobertura, ainda sem a confirmação da morte, o âncora, repórteres e analistas usam roupas em tons escuros e gravata preta - essa é uma etiqueta da rede para os momentos em que um membro da família real morre.

Candidato da esquerda é eleito com margem mínima e emplaca o primeiro governo de esquerda do país. Francia Márquez será a primeira vice-presidente negra do país.
por
Luan Leão
|
20/06/2022 - 12h

No domingo (19), em uma eleição com cerca de 22 milhões de votos, a Colômbia escolheu o novo chefe do executivo. O economista e senador Gustavo Petro, de 62 anos, candidato da coalizão Pacto Histórico, foi o vencedor do pleito obtendo 50,50%; contra 47,16% do empresário Rodolfo Hernández, de 77 anos, candidato de ultradireita, da Liga de Governantes Anticorrupção. A diferença entre os dois candidatos foi de 717 mil votos.

O resultado apertado já era o que apontavam as pesquisas, as projeções, porém, mostravam leve favoritismo de Hernández, que saiu derrotado. Petro obteve 11.281.013 milhões de votos ante 10.580.412 de seu adversário. 

Na sua terceira vez concorrendo ao cargo, Petro liderou as pesquisas de intenção de voto durante boa parte da campanha, e foi o candidato mais votado do 1° turno, tendo 40,32% dos votos. Já Hernández, por sua vez, foi a surpresa desta eleição, desbancando a direita tradicional, grupo político do ex-presidente colombiano Álvaro Uribe (2000-2010), que governou o país até este ano, tendo Iván Duque como representante.

A vitória de Gustavo Francisco Petro Urrego é um fato histórico para o bloco de esquerda no país, que pela primeira vez integrará o comando executivo nacional. O ex-prefeito da capital Bogotá e ex-integrante do grupo de guerrilheiros Movimento 19 de abril (M-19) governará o país de 2023 a 2026. Através das redes sociais o agora presidente eleito agradeceu os eleitores e disse que era o dia "das ruas e das praças". 

 

"Hoje é dia de festa para o povo. Que se festeje a primeira vitória popular. Que tantos sofrimentos se amorteçam na alegria que hoje inunda o coração da pátria. Essa vitória para Deus e para o povo e sua história. Hoje é o dia das ruas e das praças" - Gustavo Petro.

 

Outro ponto inédito que a disputa deste domingo (19) proporcionou foi a eleição de Francia Elena  Márquez Mina, de 40 anos, advogada e primeira mulher negra a ocupar o cargo de vice-presidente no país. Márquez Mina é figura conhecida pelo seu ativismo ambiental, tendo conquistado o Prêmio Ambiental Goldman, considerado o “Nobel do Meio Ambiente'', em 2018. 

Francia Márquez, nova vice-presidente da Colômbia
Francia Márquez é a primeira vice-presidente negra da Colômbia. Foto: Reprodução / Twitter

Em suas redes sociais, Márquez agradeceu aos eleitores que foram às urnas. "Obrigada às colombianas e aos colombianos que saíram massivamente a votar hoje com dignidade, vencendo o medo e com esperança", disse após a divulgação do resultado. 

Atual presidente, Iván Duque também se pronunciou após a divulgação do resultado falando em transição "harmoniosa, institucional e transparente".  "Liguei para @PetroGustavo para parabenizá-lo como presidente eleito dos colombianos. Concordamos em nos reunir nos próximos dias para iniciar uma transição harmoniosa, institucional e transparente", escreveu o presidente. 

Menos de uma hora após o resultado ser anunciado, Hernández reconheceu a vitória de Petro por meio de um vídeo publicado nas redes sociais. "Colombianos, hoje a maioria dos cidadãos escolheu o outro candidato. Como eu disse durante a campanha, eu aceito os resultados dessa eleição", afirmou o candidato derrotado. 

Conhecido como “Trump Colombiano”, Hernández também mandou um recado para Petro. “Peço ao doutor Gustavo Petro que seja fiel ao seu discurso contra a corrupção e que não decepcione os que confiaram nele”, disse. 

 

“A mudança consiste em deixar o ódio para trás”

Em seu discurso da vitória ao lado de sua esposa, Veronica Alcocer, Petro falou em “política do amor”. “A política do amor não é uma mudança para nos vingarmos, não é uma mudança para construir mais ódio ou aprofundar o sectarismo na sociedade colombiana. Nossos pais e avós nos indicaram o que significa o sectarismo. A mudança consiste em deixar o ódio para trás”, disse o presidente eleito. 

Gustavo Petro, presidente eleito da Colômbia
Gustavo Petro presidente eleito da Colômbia. Foto: Reprodução / Twitter

Na fala, Petro também mencionou um acordo nacional para assegurar a paz e o direito das pessoas, em um aceno aos grupos de guerrilheiros que ainda não baixaram as armas. O presidente eleito também falou sobre seu próprio passado, dizendo que lutou “contra a injustiça, contra um mundo que não deveria ser, contra a discriminação, contra a desigualdade”. 

 

“Quanta gente morreu, quanta gente está presa hoje, quantos jovens tratados como bandoleiros só porque tinham esperança, só porque tinham amor” - Gustavo Petro 

Reforçando temas abordados na campanha, Petro falou sobre uma maior integração na América Latina, destacou a importância do país na luta contra as mudanças climáticas, dizendo que é preciso salvar a Amazônia para salvar a humanidade, e tornou a falar de um maior diálogo nas Américas, incluindo até conversas com os Estados Unidos. O discurso também tratou sobre o fortalecimento da economia popular. 

 

Irregularidades 

De acordo com a Missão de Observação Eleitoral (MOE), até o encerramento da votação foram registradas 310 denúncias de crimes eleitorais. A entidade informou que ao menos 83 denúncias eram sobre a liberdade do voto. A MOE disse também que recebeu denúncias de coação por parte de empregadores que obrigaram ou ameaçaram seus trabalhadores a votarem em determinado candidato de sua preferência. 

Segundo o relatório, os locais com mais supostos relatos de irregularidades foram: Antioquia, Valle Del Cauca, Atlântico, Risaralda e Bogotá. 

 

Panorama nas Américas 

A vitória de Gustavo Petro faz a Colômbia se unir a outros países da América Latina com governos de esquerda. A virada à esquerda começou em 2018, com a eleição de Manuel López Obrador, no México. Em seguida,  Alberto Fernández foi eleito na Argentina, em 2019, e Luis Arce, em 2020, na Bolívia. Em 2021 foi a vez do Peru, com Pedro Castillo; o Chile, com Gabriel Boric; e Honduras, com Xiomara Castro. 

Segundo documento divulgado pelo Instituto Internacional para a Democracia e a Assistência Eleitoral (Idea), em 2020, a última década foi marcada por polarização na região, e em 2010, com a crise das commodities (matéria-prima), o continente teve uma virada à direita. Agora, com o impacto da pandemia da COVID-19, o movimento é inverso. 

Em entrevista exclusiva à Agemt, Rodrigo Augusto, mais novo doutor do departamento de Relações Internacionais da PUC-SP, analisa o papel dos Estados Unidos no contexto global e os reflexos das dinâmicas internacionais na América Latina e no Brasil
por
Camilo Mota
|
01/06/2022 - 12h
Interconexões do mundo globalizado.
Imagem de TheAndrasBarta. Fonte: Pixabay 

Rodrigo Augusto é Professor Doutor em Relações Internacionais da PUC-SP e membro do Grupo de Estudos de Conflitos Internacionais (GECI), coordenado pelo professor Reginaldo Nasser, do departamento de RI. No último mês, o grupo lançou o livro Revoltas, Conflitos e os Novos Caminhos da Geopolítica: Interconexões Entre Oriente Médio e América Latina, com análises das dinâmicas internacionais e o papel dos Estados Unidos nas duas regiões.

Um dos capítulos é o do professor Rodrigo, escrito em conjunto com o professor Reginaldo, e sucede o tema da sua tese de doutorado “Dinâmicas de Poder dos EUA no Iraque pós-Saddam: A articulação entre o governo norte-americano e as elites do poder iraquiano”, defendida por Augusto no dia 11 de maio, pelo Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais (PPGRI) San Tiago Dantas da Unesp, Unicamp e PUC-SP. O autor conversou sobre o assunto com a AGEMT.

 

AGEMT: No livro Revoltas, Conflitos e os Novos Caminhos da Geopolítica, organizado pelo professor Reginaldo Nasser e lançado no dia 7 de maio, são abordadas as Interconexões Entre Oriente Médio e América Latina. Um dos pontos abordados é a forma de poder exercido pelos Estados Unidos sobre essas regiões, que é abordado no seu capítulo com o professor Reginaldo. Quais são as proximidades entre essas regiões?

RA: Esse livro é dividido em duas partes, uma parte especificamente para trabalhar revoltas, geopolítica, temas contemporâneos da agenda política regional da América Latina, e do Oriente Médio, então dividido em duas partes. A ideia geral é demonstrar como essas duas regiões, que em princípio parecem tão diferentes, na verdade revelam dinâmicas sociais sociopolíticas muito semelhantes. Muitos dos recortes que os autores e autoras fizeram nesse livro tem como propósito dar esse destaque, particularmente quando a gente olha para a América Latina de 2018 e 2019, recheada de protestos espalhados particularmente pelo Cone Sul. Eu lembro um dos capítulos, o da professora Terra, que foi sobre as revoltas no Chile e como temporalmente é semelhante a diversas outras revoltas que aconteceram no Oriente Médio e no Iraque, particularmente, que gerou também a derrubada de um governo. Isso para demonstrar que da nossa perspectiva latino-americana o Oriente Médio não é tão diferente assim. Nas nossas lutas, ainda que tenhamos especificidades, temos grandes semelhanças: desigualdade social, pobreza, corrupção e desemprego. Pautas comuns e que geram mobilizações. Isso por um aspecto social e que gera movimentações que muitas vezes se espalham para a região, geram movimentos que vão ser transnacionais, vão mobilizar espíritos revolucionários revoltosos em outras regiões. Aí você menciona o último capítulo, que é aquele que eu pude escrever em conjunto com o professor Reginaldo, destacando um pouco mais a área específica da minha pesquisa, que são os estudos sobre política internacional no Oriente Médio, particularmente dos Estados Unidos e a nossa proposta ali naquele capítulo era justamente demonstrar como o governo Trump também recentemente lidou politicamente com esse aliado, que é um novo aliado, pensando que a partir de 2003 a partir da derrubada do Saddam Hussein o Governo iraquiano, Estado iraquiano, se torna um parceiro importantíssimo para a lógica de poder norte-americana na região. É geopolítica. A importância dessas interlocuções para contenção do Iraque e Irã.

 

AGEMT: No dia 11 você defendeu sua tese de doutorado que fala sobre as dinâmicas de poder dos Estados Unidos com relação à intervenção, especificamente, no Iraque. Você faz esse recorte no livro, que fala sobre o governo Trump, mas seu artigo remonta o período a partir de 2003 quando os Estados Unidos utilizam o Iraque como justificativa de resposta ao 11 de setembro, a chamada Guerra ao Terror. Também é abordada a aplicação do Soft e Hard Power, conceitos das Relações Internacionais, que se diferem do Sticky Power (poder pegajoso), termo de Walter Russell Mead que emerge no governo Trump. Olhando especificamente sobre os Estados Unidos, como que eles atuam nesse sentido e como o Stick Power se dá na prática?

RA: Russell Mead, que é um pesquisador conservador norte-americano particularmente crítico às ações intervencionistas dos Estados Unidos desde o governo Bush e que se estende pelo governo Obama, Trump e agora no governo Biden. Ele estabelece esse conceito de Sticky Power com o propósito de tentar demonstrar de uma maneira prática e metafórica esse poder pegajoso econômico, que não é propriamente um poder coercitivos militar forte. Ele também é isso, mas ele é muito mais do que isso. Ele tem como grande objetivo ter essa estrutura Econômica Liberal internacional presente nos Estados do Oriente Médio e as transformações que foram perpetradas a partir do 11 de setembro no Oriente Médio: políticas, econômicas; e que dialogo na minha tese. O Iraque, por exemplo, que é meu caso de estudo, um Estado de economia nacionalizada e fechado. O governo Baath estava há 40 anos no poder. Os americanos tinham um termo bastante utilizado nos anos 2000, o Nation Building, a ideia de reconstrução de uma nação e que naquele momento, obviamente não era consenso nos Estados Unidos, mas predominou essa narrativa, iniciou um projeto intrusivo largo no Médio tanto que os dados atuais apontam para quase oito trilhões de dólares de investimento na tal Guerra ao Terror, uma cifra enorme, que vai trazer mecanismos militares, para retirar esses poderes antigos e para manter um novo status quo, mecanismos de ajuda internacional, articulação com novos bancos criados na região. Acho que a grande coisa do início dos anos 2000 é que isso foi uma aposta e quando a gente olha para isso de uma perspectiva contemporânea, entrando na terceira década do século XXI, evidentemente que as críticas são muito maiores do que naquela época, justamente porque temos a continuidade desses processos intervencionistas, não se tem uma transformação completa desses Estados tendo em vista até o tema do livro, essas revoltas, essa insatisfação popular desses novos Estados reformados. Mas por outro lado você tem sim a presença dessas normativas liberais do capitalismo incipiente, que revela que você tem uma penetração, mas que não é total. Por isso que na minha tese eu prefiro utilizar o arcabouço teórico neogramsciana para tentar explicar sobre esse mecanismo de poder norte-americano no Iraque. Essa equação que combina força de um lado, então poder militar, que vai lá e derruba o Saddan Hussein em pouco tempo e o Poder consensual, muito mais difícil, que aquele que vai ser conquistado através das transformações constitucionais e políticas, mas que tem que ser incorporado pela sociedade. Se não for incorporado pela sociedade gera repudio, gera afastamento, e quando olhamos para  o Iraque, Afeganistão e outros Estados em crise no Oriente Médio, isso fica evidente. Até hoje nós temos constantes revoltas, não estão necessariamente ligadas aos processos de intervenção lá de 2000, 2003, mas são consequências disso. E a expressão mais clara dessa insatisfação, desse modelo não penetrado é o Estado Islâmico. A gente pode afirmar que esse é um elemento que inclusive no governo Trump, tema do capítulo, é um grande desafio. Como combater esse grupo político transnacional, que tem um projeto retrógrado para o Oriente Médio, reacionário que visa o poder islâmico conservador com leis bastante severas e que uma parte da sociedade até interpreta como um positivo? Ou seja, essas batalhas de narrativas.

 

AGEMT: A teoria neogramisciana também fala sobre a existência dessa reação, de grupos contra hegemônicos, que vão questionar esses modelos de dominação e temos visto, como por exemplo o Caso do Chile, onde uma estrutura foi fortemente questionada, inclusive a partir da atuação do movimento estudantil, que é o capítulo da Profa. Terra. Esse movimento consegue romper com um modelo que estava ali estruturado

RA: Enquanto tem poder, tem reação. As reações podem vir da própria estrutura da Elite, como é o caso do Iraque quando eu observo a intervenção norte-americana pontualmente apoiando uma elite de oposição ao governo do Saddam Hussein e de maneira bem-sucedida consegue reverter a ordem política nesse sentido, mas sem dúvida nenhuma a melhor forma de você transformar é você incorporando a sociedade, você trazendo as forças contra a elite. Isso, sem dúvida nenhuma, é uma boa estratégia. No caso do Chile essa força contra a elite vem da própria sociedade. E a gente não pode afirmar plenamente que é uma revolução no sentido estrito do termo, porque não se trata de um rompimento do tecido social e da estrutura de poder. A estrutura de poder chilena é uma democracia, permanece democracia e foi eleita democraticamente, mas é uma reforma que vem da base, que vem da do movimento estudantil, que tem como liderança presidencial uma dessas representações da sociedade, o Boric. Tem no seu corpo político ministros e ministras que faziam parte desse movimento e todas essas dinâmicas revelam na verdade como as relações internacionais, como a política internacional se faz e refaz através dessas dinâmicas de poder e de luta interna, às vezes incorporando agentes externos, às vezes os agentes externos tendo predominância como é o caso do Iraque e os Estados Unidos.

 

AGEMT: E qual a análise você faz do papel atual dos Estados Unidos, não apenas no Oriente Médio, mas no contexto geopolítico atual, visto que os EUA foram um dos principais atores insistentes na disputa política e que culminou na invasão da Ucrânia? A nível global, qual a sua influência?

RA: Estamos vivendo uma crise Global iniciada pela intervenção russa na Ucrânia porque os efeitos são globais, economicamente. Isso atinge o Brasil inclusive, quando olhamos não só os preços do petróleo, preço de produtos de commodities que aumentam, somado obviamente a um governo brasileiro que tem a maior parcela da culpa das inflações, mas além desse cenário interno e negativo, esse conflito também traz elementos econômicos que nos afetam. É um conflito que tem implicações globais e sem dúvida a perspectiva de incorporação da Ucrânia na Otan, pensando que a Ucrânia é um dos Estados que faz fronteira com a Rússia, ex-União Soviética, que faz parte desse cinturão geográfico e que afasta a Otan do território russo, historicamente sempre foi um tema de debate e sempre foi um elemento em que a Rússia bateu a tecla dizendo que nenhum Estado no meu entorno vai fazer parte desse organismo. Quando a gente olha para narrativa do governo Putin, isso fica latente. Há algumas semanas ele fez uma declaração mediante ao Dia da Vitória, o dia que os russos comemoram a vitória da Segunda Guerra Mundial, e insistiu no mesmo assunto, que a culpa da guerra, para eles, é dos norte-americanos. Eles que forçaram essa vontade de entrada da Ucrânia na Otan e obviamente que os outros países da Otan assinaram embaixo. Um pouco temerário no início, mas depois foram com tudo, tanto que boa parte desses países da Otan, Alemanha, França, estão auxiliando militarmente a Ucrânia e podemos dizer que se a Ucrânia não tivesse esse apoio militar dos Estados Unidos, dos seus aliados da Europa Ocidental, já teria sido devastada pela capacidade militar russa, que é histórica. Essa intervenção se inicia por uma razão particularmente liberal, o princípio de autodeterminação dos povos, então os russos vão falar que estão iniciando as intervenção para dar legitimidade ao povo de Donbass, duas repúblicas autônomas, Luhansk e Donetsk, e se expande à medida em que os dias passam. No terceiro, quarto dia de intervenção, russos já estavam atingindo os territórios para além de Donbass. Uma guerra que tem dimensões globais, mas que acho que é importante destacar, não é batalhada de maneira global, ela não é uma terceira guerra. É uma guerra de nível local, regional entre Russos e ucranianos, mas cuja presença norte-americana vem através dos auxílios, do sistema de sanções, não podemos esquecer também que são formas indiretas econômicas de você tentar prejudicar o seu inimigo, no caso os russos, que sentem no bolso essas sanções econômicas e que geram um grande impasse há mais de 2 meses de conflito. De um lado uma Ucrânia que só tem capacidade de se manter mediante o apoio internacional, e do outro uma Rússia que está cada vez mais enfraquecida economicamente. Acho que o ator que acabamos não mencionando, mas que vale a pena trazer é a própria China, mais afastado, mas que bate na narrativa também de que esse conflito é culpa do ocidente, do Biden. Isso é muito curioso, começamos falando do capítulo que eu escrevo com o prof. Reginaldo tentando fazer um balanço do governo Trump para o Iraque, é até engraçado olharmos em perspectiva, mas é muito mais moderado o governo Trump e talvez até mais consciente de suas ações em termos de não criar crises internacionais tão graves do que o governo Biden, que já no seu primeiro ano mediante a ascensão do Talibã gera uma crise no Oriente Médio em que os Estados Unidos abrem mão. E quando trazemos a cifra de trilhões de dólares gastos – na guerra ao terror, iniciada como justificativa ao 11 de setembro -, a pergunta é para quê? Para sair no final de 20 anos depois de um lado, e do outro uma segunda crise motivada também por implicações estratégicas no mínimo curiosas. No segundo ano de mandato do Biden é isso que vemos. Não podemos simplesmente fechar para as narrativas ideológicas do partido Democrata ou do Partido Republicano. Quando a gente olha para a ação norte-americana em perspectiva internacional, existe na verdade uma constância das ações inclusivas, uma constância no projeto hegemônico de manter o seu poder global quase a qualquer custo e isso é um ponto fundamental a ser observado.

 

AGEMT: E para finalizar, como o GECI se insere nesse contexto, o Grupo de Estudos sobre Conflitos Internacionais da PUC-SP, no atual contexto brasileiro, inclusive acompanhando a própria cobertura da guerra na Ucrânia, onde há muitos deslizes, uma crítica para o próprio jornalismo quando não há tanto uma formação sobre a complexidade desses atores envolvidos e precisamos olhar muito mais o fator cultural desses povos para entender um mínimo ali do conflito. Mas o papel desse grupo de estudo também no acadêmico para o Brasil e para as Relações Internacionais?

RA: Acho que como qualquer grupo de estudos, o Geci não é diferente, vivemos num contexto particularmente mais difícil em termos de pesquisa, produção e incentivo com relação ao governo federal. O trabalho dos grupos de estudos depende particularmente de investimento, de fomento. Aqui na PUC a gente não pode esquecer que existem fontes de financiamento internas, assessoria de pesquisa é muito importante na manutenção dessas atividades, desses grupos, da possibilidade de escrever um livro, da possibilidade de fazer projetos como nós fizemos no próprio Al Janiah ano passado, um projeto muito interessante em que a gente fez um diálogo com os funcionários do restaurante que vieram refugiados, então entender essas trajetórias. Tudo isso é importante a nível de São Paulo e a nível de Brasil. Transformar os nossos conhecimentos acadêmicos em conhecimentos sociais é uma responsabilidade da academia, uma visão particular minha e que é compartilhada entre nós no Geci, que é um grupo que existe desde 2015 e foi mobilizado a partir de um propósito muito específico de desenvolver a pesquisa, leitura e que hoje é muito mais amplo do que isso. Nós temos programas de TV, temos podcast, temos página no Instagram, página no Facebook, onde divulgamos esses nossos trabalhos e acho que a grande tarefa nossa é tentar trazer luz para os debates que acendem a sociedade em termos de conflitos internacionais, particularmente, de uma maneira a incorporar as nossas pesquisas, mas também tornar mais fácil de compreender. É uma via de dois lados, de um, trazer luz para debates que acabam sendo muito esvaziados, às vezes, sobre os conflitos, falamos antes da gravação que no passado o grande tema era o Talibã, então nós estivemos – membros do Geci - em alguns programas falando sobre isso, trazendo luz a esse debate e agora é a mesma coisa quando a falamos do conflito russo-ucraniano. É importante estarmos nesses lugares, é importante falar, estar presente. Isso é um elemento fundamental, papel dos grupos de pesquisa, papel do acadêmico, do pesquisador ter essa interlocução com a sociedade. E nada mais satisfatório quando conseguirmos trazer essa introdução e tornar isso legível essa nossa linguagem.

 

A grande cobertura midiática da Guerra na Ucrânia trouxe à tona o questionamento a respeito da cobertura de guerras no Oriente: será que é dada a mesma atenção?
por
Letícia Coimbra
Mariana Luccisano
|
05/05/2022 - 12h

Desde o início do conflito, a Guerra na Ucrânia tem tido grande cobertura midiática com atualizações diárias ocupando boa parte do noticiário. Porém, essa situação trouxe à tona o seguinte questionamento: todas os conflitos são tratados com a mesma atenção? 

Sem dúvidas o conflito russo-ucraniano merece a devida atenção, porém, várias outras guerras, como a no Iêmen, que dura mais de oito anos, não tem a mesma visibilidade. Nesse sentido, é impossível não pensar que, infelizmente, o grau de importância de algum conflito - que é baseado em poder e interesses comerciais - varia de acordo com o que está sendo disputado e o local onde está acontecendo.

Clique aqui para acessar o podcast onde é feita uma reflexão a partir dessa questão.

Marcas internacionais e personalidades manifestam repúdio ao conflito e fortalecem a influência social e política da moda
por
Beatriz Tiemy Nichioka
Ricardo Dias de Oliveira Filho
|
26/04/2022 - 12h
Reprodução: @vogueczechoslovakia / @brunakazinoti (Instagram)
Reprodução: @vogueczechoslovakia / @brunakazinoti (Instagram)

“Uma guerra que já havia sido cantada pela Rússia há muito tempo, tanto pela anexação de territórios quanto pela aproximação cada vez maior da Ucrânia em relação à OTAN e à União Europeia, esses são os principais motivos para o início do conflito", relatou Carla Cristina Garcia, mestre e Doutora em Ciências Sociais.

A invasão da Ucrânia por tropas russas ocorreu no dia 24 de fevereiro, em plena Semana de Moda de Milão. O papel político e social da moda como meio de transmitir uma mensagem ao mundo se concretizou nos desfiles. Giorgio Armani, por exemplo, demonstrou apoio à Ucrânia desfilando sua coleção em completo silêncio que, segundo o designer, foi uma ação em respeito às pessoas envolvidas na tragédia no país. Mais um exemplo notável foi o desfile da grife espanhola Balenciaga, que fez referências a refugiados, com a presença de peças práticas de serem vestidas, dobradas e reduzidas, como trench-coach. A praticidade e facilidade de compactação e armazenamento sugerem uma vida em constante movimento ou, até mesmo, nômade. Outras referências foram a bolsa desfilada, que se assemelha a um saco de lixo, e modelos desfilando de toalha e peças íntimas, assimilando a pessoas que tiveram que deixar suas casas às pressas - correlação direta à situação entre Rússia e Ucrânia.

Além das manifestações no grande palco midiático das passarelas e desfiles, a moda se faz presente como uma importante ferramenta de mobilização em períodos de conflitos, guerras e crises. Empresas e marcas ligadas aos setores da moda optaram por responder ao conflito suspendendo suas atividades na Rússia. A revista Vogue ucraniana fez uma publicação nas redes sociais, pedindo o embargo à exportação de todo tipo de itens de moda e bens de luxo, que serviu como apelo para grandes marcas e grifes citadas tomarem um posicionamento diante de toda a situação. A grife Hermes foi a primeira a se pronunciar e anunciar o fechamento de suas lojas russas, além de paralisar todas as suas atividades no país. A Chanel, que também fechou suas lojas em território russo, doou dois milhões de euros com intuito de ajudar refugiados nas fronteiras da Ucrânia. A Adidas suspendeu a parceria com a União Russa de Futebol, além de doar cem mil euros, roupas e calçados para institutos que oferecem apoio às crianças refugiadas.

A especialista em História da Moda, Laura Ferrazo, ressalta que a moda possui diversas maneiras de manifestação: “Eu acho que o mundo da moda tem muita influência, é importante a manifestação de muitas formas. Os desfiles que fazem referências, homenagens ou críticas à guerra, mas também os boicotes às vendas de produtos e importação de matérias-primas”. 

Membros da indústria da moda iniciaram um manifesto contra a guerra, contando com um abaixo-assinado firmado por mais de 1.500 profissionais de todos os ramos, desde a fotografia até a direção criativa: "Como designers, estilistas, fotógrafos, professores, estudantes, pesquisadores, modelos, artistas, designers gráficos, diretores criativos, agentes, escritores e editores, lutamos continuamente por um mundo onde a expressão criativa, o intercâmbio cultural e a colaboração possam florescer. A violência da invasão na Ucrânia vai contra tudo o que defendemos. Esta guerra não traz nada além de destruição, sofrimento e tristeza", diz o manifesto.

“A moda tem poder. A moda é uma indústria de trilhões de dólares, com gigantesca influência cultural, econômica e até política. Em tempos de crise, é fácil descartar esse poder, chamá-lo de supérfluo, frívolo, surdo, hipócrita ou não-essencial. Mas nossas cadeias de suprimentos conectam países em todo o mundo, nossa mídia alcança massas de seguidores em todos os lugares, nossa linguagem compartilhada de criatividade é universal. Somos uma indústria repleta de talentos, habilidades, redes e conexões. Essas ferramentas sempre podem melhorar a vida das pessoas ao nosso redor – seja em larga escala ou íntima. Onde quer que você esteja hoje, não vire as costas, não feche os olhos”, ressalta o texto.

Emmanuel Macron se torna o primeiro presidente a se reeleger em 20 anos. Apesar da derrota, Marine Le Pen fala em resultado “histórico” da extrema-direita.
por
Luan Leão
|
25/04/2022 - 12h

Com 58,5% dos votos, cerca de 18.779.641 votos, Emmanuel Macron (República Em Marca!), candidato à reeleição, venceu o segundo turno realizado neste domingo (24) contra a candidata de extrema-direita, Marine Le Pen (Reunião Nacional), que conquistou 41,5% dos votos, equivalente a 13.297.760 votos. O resultado fez de Macron o primeiro presidente reeleito nos últimos 20 anos, o último a se reeleger havia sido o conservador Jacques Chirac (1995-2007). 

 

A eleição também foi marcada pelo expressivo número de abstenções. De acordo com o Ministério do Interior francês, a taxa de abstenção foi de 28%, a maior marca para um segundo turno desde 2002. 

 

"O presidente de todos"

Emmanuel Macron - Em Marcha!
Foto: Reprodução YouTube Emmanuel Macron

Pouco menos de duas horas da divulgação das projeções de sua vitória, e ao som do hino europeu conhecido como "Ode à Alegria", de Friedrich Schiller, Emmanuel Macron foi recepcionado por seus apoiadores no Champs de Mars, próximo a Torre Eiffel, para seu discurso da vitória. “Desde agora não sou mais o candidato de um lado, mas o presidente de todos”, afirmou Macron. 

 

Em seu discurso, o centrista disse saber que muitos foram às urnas não para apoiá-lo ou para votar em favor de seus projetos, mas sim, “para barrar as ideias da extrema-direita”, porém, afirmou que governará também por eles. Sobre os votos direcionados a Le Pen, Macron disse que é dever dele, enquanto presidente, encontrar as respostas para os votos na extrema-direita. “Será minha responsabilidade e de quem me cerca”, disse o presidente reeleito.

 

Sobre os 28% de abstenção, Macron disse que o “silêncio é uma negação ao direito de responder”, e tem um significado. 

 

Para seus eleitores, Macron falou sobre seu compromisso no novo governo. “Hoje (vocês) escolheram um projeto humanista, ambicioso pela independência do nosso país, pela nossa europa, um projeto republicano nos seus valores, um projeto social e ecológico, um projeto baseado no trabalho e na criação”. 

 

O presidente afirmou, também, que continuará trabalhando pela igualdade. “Este projeto, quero levá-lo com força para os próximos anos, sendo também um repositório das divisões que se manifestaram e das diferenças, e garantindo a cada dia o respeito de cada um, e continuando a trabalhar por um sociedade e igualdade entre mulheres e homens”.


 

Macron ressaltou que os próximos cinco anos não são continuidade de seu mandato, mas uma “invenção coletiva a serviço do nosso país e da nossa juventude”. “Esta nova era não será a continuação do quinquénio que está a terminar, mas a invenção coletiva de um método revisto por mais cinco anos, ao serviço do nosso país, da nossa juventude. Cada um de nós terá uma responsabilidade. Cada um de nós terá que se comprometer com isso”, disse o presidente francês. 

Emmanuel Macron - Em Marcha!
Foto: Reprodução YouTube Emmanuel Macron

No encerramento de seu pronunciamento, Macron disse que terá “orgulho de servir novamente”, e foi ovacionado pelos eleitores.

 

“É isso que faz do povo francês essa força singular que amo tão profundamente, tão intensamente, e que tenho tanto orgulho de servir novamente. Viva a república e viva a França!” - Emmanuel Macron

 

 

"Histórico"

O relógio marcava por volta das 20h15, horário local de Paris, quando Marine Le Pen discursou a seus apoiadores reconhecendo a derrota, em um pavilhão no Bois de Boulogne, região oeste de Paris. A manifestação ocorreu cerca de 15 minutos depois do fechamento das urnas e da divulgação das projeções. “Um grande vento de liberdade poderia ter soprado sobre nosso país, mas as urnas decidiram o contrário”, disse Le Pen em seu pronunciamento.

 

Marine Le Pen - RN
Foto: Reprodução Instagram 

Em 2002, Jean Marie Le Pen, pai de Marine Le Pen, causou espanto na política francesa ao conseguir avançar com a extrema-direita ao segundo turno. Na ocasião, houve uma grande união das forças democráticas para apoiar e reeleger o presidente republicano Jacques Chirac, que venceu o segundo turno com 82% dos votos.

Exatos 20 anos depois, Marine Le Pen comemorou o crescimento da Frente Nacional regida por sua família nas últimas décadas, e disse que o resultado conquistado nesta eleição foi “histórico” e uma “vitória brilhante” que colocou seu partido em uma “excelente posição” para as eleições parlamentares de junho. 

 

“O jogo ainda não acabou” - Marine Le Pen 

 

Líderes europeus e das américas parabenizam Macron

Após o resultado, representantes da União Europeia parabenizaram Emmanuel Macron pelo resultado. O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, afirmou que a Europa poderá “contar com a França por mais cinco anos” e disse que “nestes tempos difíceis precisamos de uma Europa forte, e uma França comprometida com uma União Europeia mais soberana e estratégica”. 

A presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, também parabenizou Macron e disse esperar que continuem com a excelente cooperação. “Caro Emmanuel Macron, gostaria de parabenizá-lo por sua reeleição como presidente da República. Espero continuar nossa excelente cooperação. Juntos, vamos fazer a França e a Europa avançarem”, disse através do Twitter. 

O chanceler Olaf Scholz, da Alemanha, e os presidentes Alberto Fernández, da Argentina, Ivan Duque, da Colômbia, e o primeiro-ministro Pedro Sánchez, da Espanha, exaltaram a vitória de Macron e o fortalecimento da democracia. 

 

3º Turno 

Com a divulgação do número de abstenções nesta eleição pelo Ministério do Interior, o candidato de esquerda e terceiro colocado no 1º turno, Jean-Luc Mélenchon (França Insubmissa) foi às redes sociais para criticar Macron. “Macron é o presidente eleito nas piores condições da V República. Ele nada em um oceano de abstenção, votos brancos e nulos”, falou Mélenchon. 

 

Mesmo com a crítica ao presidente eleito, o progressista parabenizou os franceses pela derrota da extrema-direita, o que classificou como “uma boa notícia para o país”. 

 

Mélenchon convocou os franceses para participarem das eleições parlamentares que ocorrem em junho, e pediu “coragem e determinação”. O candidato pretende liderar uma coalizão entre partidos de esquerda e ambientalistas, com o objetivo de se eleger primeiro-ministro. “O terceiro turno começa hoje à noite”, disse o líder de esquerda.

 

“Eu peço aos franceses que me elejam primeiro-ministro ao votarem por uma maioria de deputados insubmissos e de integrantes da União Popular”, acrescentou Mélenchon. 

 

As eleições parlamentares acontecem entre 12 e 19 de junho. Vale lembrar que é a Assembleia Nacional, parlamento francês, que indica o primeiro-ministro, podendo ou não ser aliado do presidente.