Os frequentadores tem compromisso com o evento todas as semanas, onde paqueram e dançam
por
Bianca Athaide
Helena Cardoso
|
21/11/2023 - 12h

Nos últimos cinco meses, a rotina de Tomaz Nobre às terças, quintas e sábados é a mesma: organizar e supervisionar o Baile da Terceira Idade, no Parque da Água Branca, localizado no bairro da Barra Funda, em São Paulo. Como coordenador do Instituto da Melhor Idade, – entidade que organiza os bailes semanalmente, mas também desenvolve outras atividades e cursos com os idosos – ele é o principal responsável por estruturar práticas que visam o bem-estar e procuram melhorar a qualidade de vida de pessoas acima dos 50 anos.

Os bailes da melhor idade no parque são bem conhecidos pela população, que sabe que o evento acontece de forma regrada à 20 anos. Cerca de 400 a 500 pessoas frequentam durante a semana, e mais de 800 nos finais de semana — que tem música ao vivo. Os homens, só podem entrar de calça social. As mulheres, estão bem arrumadas, com um vestido ou saia.

 

 

Os dois salões do galpão ficam lotados de casais dançando, alguns já formados antes e outros que se conheceram lá, além dos dançarinos solitários. Ao redor da pista, vários idosos ficam sentados. Talvez tímidos demais ou aguardando o convite de alguém. Do lado de fora cria-se uma atmosfera que chama a atenção dos que passam: pessoas abarrotadas observam o movimento lá de dentro com os rostos grudados nas grades das janelas. A banda toca um pouco de tudo: sertanejo, forró, samba, valsa e bolero são os ritmos favoritos do público animado, com dança da bandeirinha e um trenzinho das mulheres solteiras.

Atarefado, o coordenador anda de um lado para o outro durante todo o baile, com a missão de no final da tarde, ter entregado um bom resultado, com o desejo de manter o elevado patamar que o evento pede, visando o maior aproveitamento dos idosos: "A gente tem um público bem amplo para agradar. E exigente viu?" Tomaz brinca. 

O som dos alto falantes além de ecoar por grande parte das extremidades do parque, sendo possível ouvir de longe, evidencia que animação e vontade de viver não é algo característico apenas dos jovens.  Maria Ivone, de 65 anos, fica surpresa ao olhar pelo lado de fora: "É cheio! Eu não gosto de entrar não. Fico aqui do lado de fora balançando. Mas acho tão legal! Senhorinhas bem de mais idade, dançando! Bem melhor do que ficar numa cama de hospital, não é? Eu acho.", ela valoriza a organização do evento. 

baile ag branca
Idosos se divertem e tem mais qualidade de vida quando vão aos bailes - Foto: UOL [Creative Commons]

O baile também é o responsável pela formação de alguns casais. Um deles, Borges e Ana Mary, estão juntos há um ano e seis meses, graças ao evento semanal. "De uma forma descabida né? Porque a gente nunca espera, quando entra no ambiente, você não está esperando nada. De repente você senta no local e a pessoa dançando fica de olho em você. E assim estamos juntos até hoje, dançando.", conta o aposentado de 77 anos, embaixo da sombra das árvores que recobrem todo o parque e trazem um sentimento bucólico de cidade do interior para o meio da Avenida Matarazzo. 

O local de realização dos bailes são os antigos casarões de paredes amarelas e grandes portas de madeira característicos da São Paulo dos anos 1930. Hoje em dia, balançam com toda animação e juventude de uma geração que reinventa o conceito sobre novas chances de amar na terceira idade: "Aconteceu na minha idade, agora, aconteceu que a gente se conheceu e estamos nos amando muito.", exalta Ana Mary, no auge dos seus 85 anos esboçando um olhar com brilho jovial e carismático por trás de seus óculos de grau de lentes amareladas. 

Desvendando o preconceito contra gatos pretos, abordando questões sobre adoção responsável e a necessidade de enfrentar crenças infundadas.
por
Nicole Keller Lekitsch
|
16/11/2023 - 12h

Os gatos pretos, muitas vezes, são vítimas de superstições e preconceitos que remontam a tempos antigos. Associados a crenças populares e mitos, esses felinos muitas vezes enfrentam discriminação baseada em superstição e ignorância.

No Egito, esses felinos eram tratados como divindades, mas com a ascensão do cristianismo na Europa, houve uma mudança de perspectiva. Símbolos pagãos, não associados ao Deus cristão, começaram a ser vistos de forma pejorativa e desfavorável por muitas pessoas.

Ao longo dos séculos, difundiu-se a crença de que gatos pretos eram manifestações de espíritos malignos, considerados amaldiçoados. Essa associação com a bruxaria resultou na estigmatização desses animais, sendo vistos como sinônimo de má sorte.

Infelizmente, o preconceito contra esses bichinhos reflete nas taxas de adoção. Lares e abrigos de adoção de animais relatam que os gatos pretos têm mais dificuldade em encontrar lares, em comparação aos seus colegas de pelagem mais clara.

Segundo dados da ONG brasileira Catland, dedicada ao resgate e adoção de gatos, aproximadamente 60% dos 300 animais a espera de um lar possuem pelos de tonalidade mais escura.

gato preto deitado

Diversas organizações e defensores dos direitos dos animais têm incentivado o lançamento de campanhas ao combate do estigma associado a esses felinos pretos, visando educar o público sobre a origem infundada dessas superstições, a fim de promover a aceitação de todos os gatos, independentemente de sua cor.

campanha dia mundial da conscientização pelo gato preto

Dia da Conscientização pelo gato preto. —Foto: Portal de educação Ambiental.

De acordo com uma entrevista dada ao G1, o Jornalista André Luis Rosa adotou recentemente o Simba, um gatinho preto, cheio de energia.

“Quando fui escolher o Simba, tinham inclusive outros gatinhos, brancos e rajados por exemplo. Só que o primeiro que saiu da caixinha foi ele e olhou com essa carinha e me apaixonei. A cor é o de menos, o que importa é o amor que ele dá”, conta.

Para ele, gato preto não dá azar, muito pelo contrário. “A única preocupação que dá, é essa unha dele, de arranhar uma roupa minha, um terno, uma blusa, enfim. Mas azar ele não dá não”, reforça o jornalista.

Jornalista André Luis com o seu gato preto

Amigo Pet: entenda a origem do preconceito contra gatos pretos e importância da adoção desses felinos. — Foto: Reprodução/TV Vanguarda

O estigma em relação aos gatos pretos persiste, fundamentado em tradições e mitos que atravessam o tempo. No entanto, podemos desafiar essas percepções arraigadas ao cultivar a compreensão e incentivar a adoção responsável. Reconhecer a singularidade de cada gato, independentemente da cor de sua pelagem, possibilita a construção de uma sociedade mais empática e justa para esses seres incríveis. A responsabilidade recai sobre cada um de nós para questionar e confrontar esses preconceitos, abrindo nossos corações e lares aos gatos pretos, contribuindo assim para quebrar o ciclo de discriminação.

ONG Alerta para rituais envolvendo gatos pretos em sextas feiras 13. — Vídeo: Youtube Diário do Litoral.

Como a exposição excessiva à telas tem afetado afeta o comportamento e a personalidade de crianças
por
FABIANA CAMINHA
|
06/11/2023 - 12h

A presença constante das telas na vida da sociedade não gera nenhum espanto. No entanto, o uso excessivo de tablets, smartphones e computadores por crianças tem despertado a preocupação de médicos e especialistas. Essa tendência levanta questões sobre os riscos e desafios associados ao acesso irrestrito às telas, e revela o impacto do algoritmo no desenvolvimento dos jovens. A tecnologia trouxe facilidades que mudaram permanentemente o modo das pessoas agirem. Hoje, é impensável esperar até que uma música que você goste toque na rádio ou perder seu programa de TV favorito porque chegou em casa mais tarde do que o esperado. Tudo está disponível o tempo todo na palma das mãos, e isso nem sempre é bom. 

A tentativa e o erro, a descoberta e a exploração são fundamentais para a formação da personalidade do indivíduo. Mas a crescente personalização do conteúdo a partir da coleta de dados dos usuários mudou essa realidade, transformando inclusive o modus operandi de grandes empresas. Na primeira década do século 21, era comum que plataformas midiáticas como Instagram e Youtube tivessem um time de curadores. Essas pessoas buscavam por conteúdos originais e criativos para serem exibidos na plataforma como “Recomendados”. Mas, a curadoria dessas empresas hoje se dá de outro jeito. Ao invés de profissionais, são os algoritmos que escolhem qual conteúdo deverá ser beneficiado. O número de cliques e visualizações são os critérios usados. Hoje a quantidade se sobrepõe à qualidade. As recomendações algorítmicas das redes sociais agora desempenham o papel de explorar interesses e encontrar comunidades. Isso significa que as crianças de hoje talvez não estejam desenvolvendo a curiosidade e o pensamento crítico necessários para se tornarem adultos bem informados.

De acordo com a Dra. Deisy Mendes Porto, médica psiquiatra especialista em Infância e Adolescência, é fundamental estabelecer limites claros no que diz respeito ao uso de telas na primeira infância. Ela enfatiza que, especialmente durante os dois primeiros anos de vida, a exposição a telas deve ser evitada, pois o desenvolvimento nesse período é sensório-motor e depende da exploração sensorial do ambiente. Isso ajuda a melhorar as habilidades motoras e contribui para um desenvolvimento cognitivo e emocional saudável. “A partir dos dois anos de idade e ao longo da primeira infância, as crianças precisam de interação humana, exploração ativa, brincadeiras e afeto. O excesso de tempo gasto em frente às telas pode privá-las desse contato essencial, o que pode prejudicar seu desenvolvimento”, explica Deisy. 

À medida que o tempo livre e a imaginação das crianças se fundem cada vez mais com as redes sociais que consomem, é  fundamental entender que o acesso não regulamentado à Internet tem um custo. Por que os jovens se esforçariam para encontrar uma música de que gostem quando um algoritmo faz isso por eles? Por que correr o risco de explorar algo novo quando seus celulares enviam conteúdo interminável relacionado às coisas que já lhes interessam? Esse é um dos temas abordados em Infocracia: Digitalização e a crise da democracia, livro escrito pelo filósofo sul coreano Byung-Chul Han. Segundo o autor, hoje o signo dos detentores do poder não está ligado à posse dos meios de produção, mas ao acesso à informação, que é utilizada para a vigilância psicopolítica e a previsão do comportamento individual. Afinal, é o domínio da informação que realmente dita as regras do jogo hoje em dia, comandado pelas bigtechs (Google, Microsoft, Meta, Apple, Amazon).  Segundo Han, "é um novo tipo de totalitarismo. O vetor não é mais a ideologia, mas sim a operação algorítmica que a sustenta". 

 

Como notícias falsas são utilizadas na disputa de narrativas acerca da batalha entre Hamas e Israel
por
Marina Jonas
|
06/11/2023 - 12h

Nunca foi tão simples ter acesso à informação quanto se tem hoje. Com as tecnologias em mãos e uma sociedade hiperconectada, as notícias se espalham com uma rapidez jamais vista antes. Nunca foi tão fácil estar bem informado; mas, também, nunca foi tão fácil ter acesso à desinformação. No momento atual, o mundo se encontra repleto de conflitos: entre eles, a guerra entre Hamas e Israel, a qual teve início no dia 7 de outubro, quando membros do grupo terrorista atacaram o território israelense, realizando a ação mais violenta já cometida em 50 anos no local. Milhares de mísseis foram disparados em direção a Israel e, em seguida, os extremistas invadiram o país por terra, água e ar através do sul - parte que faz fronteira com a Faixa de Gaza, região palestina controlada pela organização desde 2007. A operação deixou mais de 1.400 mortos, incluindo mulheres e crianças, além de terem sido sequestrados centenas de civis, levados então para Gaza como reféns, onde ainda estão detidos 240. O ataque sem precedentes originou uma série de bombardeios como resposta dos israelenses, dando origem à nova batalha no Oriente Médio e, junto a ela, uma outra disputa se trava: a informacional. 

São incontáveis as informações que circulam acerca da temática e que se espalham de forma incontrolável nas redes sociais, sendo muitas delas falsas ou mesmo descontextualizadas. Desde o começo do conflito, no entanto, as duas maiores agências independentes de checagem do país, Lupa e Aos Fatos, vêm conferindo a procedência das notícias que ganham destaque na internet. Confira a seguir exemplo de checagem já feita: “É falso que homem em foto com Lula é o chefe do Hamas”

Segundo apuração realizada pela equipe de verificação da Agência Lupa no dia 10 de outubro, “Publicação que circula nas redes sociais mostra uma fotografia do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) cumprimentando um homem que, segundo a legenda, seria o chefe do Movimento de Resistência Islâmica (Hamas). É falso.” O que comprova a falta de veracidade da publicação é o fato do homem ao lado de Lula ser o presidente do Irã, Ebrahim Raisi, e não o chefe do Hamas, Ismail Haniyeh. Além disso, a foto foi tirada no dia 24 de agosto de 2023, em reunião bilateral entre os dois chefes de Estado na cidade de Joanesburgo, na África do Sul, logo após ter sido anunciada a entrada do Irã no Brics. Sendo assim, a imagem também foi utilizada fora de seu contexto original. 

Mas afinal, por que a desinformação vem proliferando de maneira tão veloz e eficaz diante do cenário atual? Em entrevista ao podcast O Assunto, do Portal G1, professor da Universidade da Virgínia (EUA), David Nemer explica que a guerra é um acontecimento emocional e a desinformação próspera com base na emoção, principalmente quando ela é negativa, como a raiva e o medo. Portanto, ele completa: “a desinformação geralmente vem carregada dessas emoções negativas, pois as pessoas tendem a engajar com esse tipo de conteúdo, ou seja, tendem a acreditar e a compartilhar mais facilmente. Isso é da natureza humana; sabendo disso, os algoritmos das redes sociais são desenvolvidos justamente para priorizar conteúdos sensacionalistas e que promovam essa comoção negativa, já que as pessoas teriam uma probabilidade maior de curtir, comentar e compartilhar tal conteúdo.” 

Dessa forma, as plataformas pouco se interessam se o que é publicado e repercutido dentro de suas fronteiras é verdade ou não. E, com a avalanche de informações que recebem diariamente, as pessoas não têm tempo para fazer esse discernimento, tornando-se muito mais propensas a acreditar em notícias falsas. Assim, quando assuntos difíceis e delicados, que envolvem diversos lados, chegam às mídias sociais, notícias tão difíceis e delicadas quanto passam a ser compartilhadas em níveis abundantes, gerando tanta comoção que, na maior parte das vezes, se esquece de conferir de onde vieram e por quais motivos foram publicadas da forma que foi feita; gerando, por fim, ondas de desinformação. 


 

O cotidiano anônimo dos passageiros do Metrô de SP revela expressões diversas e uso regular do celular
por
Vinícus Evangelista
|
06/11/2023 - 12h

"A rede metroviária da cidade de São Paulo é composta por 6 linhas, totalizando 104,4 km de extensão e 91 estações, por onde passam mais de 5 milhões de passageiros diariamente." - Mais do que os números, um único vagão de metrô carrega diferentes tipos de pessoas, com diferentes histórias e realidades que diariamente se cruzam em um mesmo espaço sem nem se darem conta da presença um do outro.

Foto 6
Passageiros jovens costumam sentar no chão quando não há acentos disponíveis - tal gesto é proibido dentro dos vagões do Metrô de São Paulo // Foto: Vinícius Evangelista
Foto 5
O celular é o meio mais comum de passatempo entre os passageiros // Foto: Vinícius Evangelista
Foto 3
Jovem sentado em acento preferencial no vagão da Linha 3 - Vermelha. // Foto: Vinícius Evangelista
Foto 1
Casal com filha pequena a caminho da estação Sé // Foto: Vinícius Evangelista
Foto 2
Passageiros das mais variadas idades frequentam o mesmo espaço // Foto: Vinícius Evangelista
Leandro conta os desafios, inspirações e sonhos de ser um lojista de automóveis de colecionador no Brasil
por
Davi Garcia
Matheus Santariano
|
21/11/2023 - 12h

Por Matheus Santariano (texto) e Davi Garcia (audiovisual)

 

É cada vez mais difícil se manter como lojista no Brasil, e isso não é novidade para ninguém. A economia e o caos social suga motivações das pessoas que querem fazer seu ganha pão com aquilo que amam. Porém, aqueles que seguem seu sonhos de criança, passam por barreiras econômicas e lógicas. Como o caso de Leandro, de 53 anos, colecionador e vendedor de relíquias de automóveis em escala, sendo um hobby, de acordo com o mesmo. Leandro conheceu sua paixão pelos "carrinhos de brinquedos" aos 8 anos, quando sua mãe deu à ele alguns carros feitos de metal por completo. Nos anos 70, pouco era comercializado edições ou marcas específicas, era o que viesse e o que sua mãe batlhava para lhe dar. Mal imaginava aquela pequena criança que seria o início de uma das jornadas mais lindas que a vida poderia proporcionar.

Trabalhou desde cedo para conseguir comprar suas coisas, uma realidade muito próxima e presente no país. Suas primeiras compras? Carrinhos. E desde então não parou de ter mais e mais. Quando mais velho, cursou e se formou em Publicidade e Propaganda, mas não era aquilo que Leandro queria. Ser mandado para fazer uma função não estava no roteiro de sua vida. Porém, a decisão de abrir uma loja era uma dúvida para ele e sua família.

Em meio ao dinâmico cenário do comércio brasileiro, manter-se como lojista é uma batalha contra desafios econômicos e um ambiente social complexo. Para Leandro, um apaixonado por miniaturas de carros, essa jornada começou cedo, inspirada por um presente significativo de sua mãe aos 8 anos: carros de metal em miniatura. Esses simples presentes desencadearam uma paixão que se tornou sua profissão. 

Leandro comenta sobre a delicadeza e importância desse universo, com pessoas indicando e comprando os produtos para crianças que sequer nasceram, mesmo não indicando isso. Sua loja não apenas oferece miniaturas, mas abraça diversas faixas etárias, embora seja mais procurada por aficionados mais velhos interessados em colecionar. No entanto, enfrenta obstáculos no atual panorama econômico devido à concorrência desleal de plataformas online como Mercado Livre e outros, um mercado restrito e importado que apresenta custos exorbitantes.

A loja de Leandro celebra 27 anos de existência, enraizada em uma paixão que começou na juventude, sempre carregando essa cultura de uma época em que um simples carrinho representava um sonho distante. A sua mãe não trabalhava, e sua mãe olhava em seus olhos trazendo esse triste fato, afinal, com 15 reais não se comprava um carro sequer. Apesar dos obstáculos, a loja mantém-se como um refúgio para os apaixonados por miniaturas. Oferece itens raros de várias faixas de preço, desde produtos acessíveis até modelos excepcionais que ultrapassam os milhares de reais. O diferencial está no atendimento detalhado e personalizado, especialmente direcionado àqueles que não têm muito conhecimento sobre o assunto. 

Leandro, um empresário autodidata, aprendeu a lidar com responsabilidades desde cedo, desenvolvendo uma habilidade crucial com o dinheiro, resultado de uma infância permeada por limitações financeiras. Sua jornada é um testemunho do poder da paixão em transformar sonhos em realidade, um símbolo de resiliência em um universo onde cada pequena réplica conta uma história única. A loja de Leandro não é apenas um local de vendas, mas sim um espaço onde sonhos se realizam em dimensões reduzidas. Cada miniatura exposta conta uma história distinta, uma memória encapsulada em metal e plástico, testemunho de uma infância que moldou uma vida inteira. Seu legado de 27 anos é uma ode à resiliência, à dedicação incansável por algo que transcende a simples venda de produtos. É um testemunho vivo do poder transformador da paixão, onde os desafios do passado se convertem em conquistas presentes. 

Hoje, Leandro não apenas vende miniaturas, mas compartilha sua paixão e conhecimento com uma comunidade de colecionadores. Sua loja é mais do que um ponto comercial; é um museu vivo, um espaço onde o tempo é suspenso para celebrar o amor por automóveis em escala. Ao percorrer os corredores repletos de carros, cada visitante é transportado para um universo paralelo, onde a magia da infância encontra a maturidade do colecionador. É nesse espaço singular que Leandro deixa sua marca, criando um legado que transcende gerações e inspira outros a perseguirem seus sonhos. Com sua tenacidade e devoção, Leandro prova que, mesmo em um mercado desafiador, a paixão pode transformar obstáculos em oportunidades e criar um caminho para o sucesso. 

Devido à ótima campanha e título do São Paulo na Copa do Brasil torcida são-paulina colore o bairro da zona sul
por
João Pedro Lopes Oliveira
|
23/10/2023 - 12h

A torcida fervorosa do São Paulo demonstrou seu amor pelo clube de maneira extraordinária durante os jogos da Copa do Brasil. Emocionados e apaixonados, os torcedores lotaram o estádio em cada partida, transformando as arquibancadas em um mar de entusiasmo e apoio incondicional. Com cânticos vibrantes e bandeiras tremulando, eles criaram uma atmosfera eletrizante, impulsionando o time a dar o melhor de si em campo. Esse apoio não apenas elevou o moral dos jogadores, mas também solidificou a conexão especial entre o São Paulo e sua incrível torcida, tornando cada jogo uma experiência inesquecível para todos os envolvidos e trazendo esse título inédito depois de 23 anos sem chegar em uma final.

As cores vermelho, branco e preto ganham vida no Morumbi durante os jogos do São Paulo de uma maneira verdadeiramente espetacular. O vermelho, representando a paixão e a determinação dos jogadores, é vibrante e ardente, refletindo a intensidade dos momentos vividos em campo. O branco, símbolo de pureza e garra, é visível nas camisas dos jogadores e nas bandeiras agitadas pela torcida, iluminando o estádio com uma energia contagiante. Por fim, o preto, denotando força e poder, transmite uma sensação de imponência e resiliência, inspirando tanto os atletas quanto os torcedores a superarem desafios juntos. Essas cores não apenas adornam o Morumbi, mas também unem a comunidade são-paulina em uma paleta de emoções que tornam cada partida uma experiência visualmente marcante e profundamente significativa para todos os presentes.

foto 1
Torcida na estação São Paulo - Morumbi / Foto: João Pedro Lopes
foto 2
Vendas de bandeiras, camisetas e churrasco na Av Jorge João Saad / Foto: João Pedro Lopes
foto 3
Queima de fogos e sinalizadores antes do jogo da final / Foto: João Pedro Lopes
foto 4
Tendas montadas na rua João da Cruz Melão / Foto: João Pedro Lopes
foto 5
Festa após termino do jogo e conquista do título inédito / Foto: João Pedro Lopes

 

A guerra às drogas só é travada nas periferias
por
Bruna Quirino
Luana Galeno
|
18/09/2023 - 12h

Por Luana Galeno  (texto) e  Bruna Quirino (audiovisual)

 

A risada é incontrolável, a frase seria de desabafo da minha amiga não parece nem séria nem verdadeira, é apenas hilária. Não tem razão pra eles estarem falando tanta besteira assim de uma vez. É quase confuso como minha bochecha está doendo de tanto dar risada já que eu puxei uma, duas… no máximo umas quatro vezes. E eu penso Julia, para de dar risada assim.

Quando cheguei na casa do Matheus nem estava pensando na possibilidade de fumar maconha. Acho que nunca havia nem cogitado, mas ele me ofereceu e resolvi aceitar. A risada deve mesmo ser um efeito das tragadas que eu compartilhei com minha meia dúzia de amigos, porque é a primeira vez desde que eu me lembre que minha mente está pensando em um ritmo decente. Também dou risada ao observar que consigo raciocinar sobre o que vou resolver quando a pessoa já terminou de falar. Viver sem ansiedade deve ser isso, estar no controle da sua própria cabeça. E imaginei que poderia ser esse motivo de todo mundo na faculdade usar isso o tempo todo.


Aliás, a aula é às sete, amanhã.

pessoa bolando
Julia bolando um baseado. Foto: Bruna Quirino.


Foi antes mesmo, às 6h00min, quando pegou seu celular para desligar o alarme, que descobriu que não é por acaso que todo mundo que usa estuda dentro de uma das melhores faculdades de São Paulo, que é todo mundo branco e playboy. O Marcus, um amigo, tinha sido detido com 10g no bolso e qualificado como tráfico de drogas. No Brasil, não tem uma lei concreta que defina o que é porte de drogas para consumo pessoal ou para tráfico. Os critérios que diferenciam as duas situações variam entre tipo de droga, a quantidade atrelada à outros fatores, local da apreensão, entre outras questões. Isso eu descobri rapidamente em uma pesquisa no Google.

Pelo o que a Laura falou ele estava chegando na casa dele, no Capão Redondo, quando foi enquadrado depois de descer do ônibus e seguir andando para sua casa e pensou sobre como é possível que a decisão sobre isso seja feita por um policial. A revolta talvez seja menor com quem se habituou com o racismo. Com quem se satisfaz com a imprudência das leis brandas ou duras demais, que prendem sempre os mesmos que não são meus colegas de classe. Deixar a decisão da vida de alguém na opinião ou nas circunstâncias não é legítimo como a lei deve ser. E se preocupa sobre o que irá acontecer com o Marcus.

Rafael Galati que trabalha na Defensoria Pública quando soube da situação quis ajudar. Ele chegou até ligar para Julia para contar quando ele foi na delegacia conversar com Marcus. O primeiro passo foi analisar a situação do flagrante. Depois de ouvir a versão do Marcus, ele conversou com o delegado para tentar entender mais sobre a prisão. A seriedade de um advogado fez com que eu pensasse se para conseguir agir dessa forma ou com aquela calma eu teria que comprar e bolar pra mim.

Enquanto lia o jornal de domingo, vi uma matéria que mostrava uma pesquisa realizada pelo IPEA (Instituto de Pesquisa e Economia Aplicada), indicando que a maioria dos processos por tráfico de drogas acontece após apreensões de quantidades pequenas das substâncias. Em 58,7% dos casos por tráfico de maconha, por exemplo, foram apreendidas menos de 150 gramas, o que é preocupante. 

Algum tempo depois marcaram a audiência de custódia, no final, ele disse que entrou com Habeas Corpus pra que o Marcus pudesse responder em liberdade e relatou, com pesar em sua voz, que a justiça brasileira não tem prazo, só os advogados. Não tem o que fazer, agora é só esperar as audiências e o julgamento. Podem ser semanas, podem ser meses, com sorte não serão anos. Pro Marcus, esse tempo vai passar bem mais devagar do que qualquer tempo que tome. Viver em um paradoxo, sem liberdade, por uma decisão pessoal, é um labirinto infinito. E é assim que o sistema funciona. O Marcus contou que a guerra às drogas só é travada da ponte pra cá. 

Finalmente, a descriminalização da maconha é uma pauta no Supremo Tribunal Federal. O artigo 28 da Lei de Drogas, que proíbe o porte de drogas para uso pessoal, está sendo discutido e revisto. O porte pessoal e a quantidade apreendida são questões que estão sendo levadas em consideração para decidir os parâmetros para a descriminalização. Porém, o resultado esperado é de que a legalização da maconha ou de qualquer outra droga não vai acontecer. Ou seja, não vai gerar uma legislação que permita o uso ou o comércio dos entorpecentes e o porte, ainda que para "uso pessoal", continuará submetido a punições como advertência e serviços comunitários.

Atualmente, o julgamento foi paralisado após um pedido de vista feito pelo ministro André Mendonça, ou seja, uma extensão de prazo para deliberar e votar. Quanto aos votos, ao todo, seis ministros já votaram. Cinco deles — Gilmar Mendes, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes e Rosa Weber — votaram a favor da descriminalização do porte de maconha para consumo pessoal. Apenas Cristiano Zanin votou contra. O placar para a descriminalização está em cinco a um.

Na prática, o STF já tem maioria para definir que pessoas flagradas com pequenas porções de maconha não devem ser tratadas como traficantes. Falta, ainda, decidir qual será essa quantidade-limite. Mesmo com a maioria configurada, as mudanças só serão aplicadas quando o julgamento for concluído e a decisão for publicada no Diário Oficial.
 

Diferente áreas de pesquisa explicam a preferência por figuras femininas para assistentes virtuais
por
Marina Jonas
Marina Gonçalez
Lídia Rodrigues
Fabiana Caminha
|
04/09/2023 - 12h

“Eu não tenho um gênero. Como os cactos e algumas espécies de peixe”, foi o que respondeu Siri, a assistente virtual da Apple, quando questionada a respeito de seu sexo. No entanto, a voz com a qual responde é feminina. Essa realidade não se restringe ao projeto do Steve Jobs. Até o momento, várias personagens femininas dão vida aos softwares de inteligência artificial (IA). Além da Siri, existem a Bia, do Bradesco, a Alexa, da Amazon, a Cris, da Crefisa, a Lu, da Magazine Luiza e a Nat, da Natura. Essas assistentes virtuais têm voz e cara de mulher.

Por mais que muitas vezes se pense na inteligência artificial como uma coisa recente e altamente inovadora, há mais de 20 décadas ela está presente no cotidiano do ser humano. O primeiro projeto de IA da história foi apresentado em 1956, uma iniciativa do matemático Alan Turing, como tentativa de decodificar as mensagens alemãs durante a Segunda Guerra Mundial. 

Surgiram, então, diversas ferramentas, o que  conhecemos hoje, foram desenvolvidas a partir de uma simples pergunta: máquinas podem pensar? E na verdade não. Máquinas não têm a capacidade de pensar. Não são racionais nem humanas e não se desenvolvem sozinhas. A inteligência artificial é puramente baseada em dados e respostas geradas por eles. Ou seja, para se manter “viva”, ela depende do envio e recepção de informações. Caso o contrário, simplesmente para de funcionar. 

No entanto, há uma movimentação crescente de humanização da tecnologia e dos sistemas digitais, as   funções da IA passam a ser desenvolvidas para além do básico. Agora, a ideia é aproximar ainda mais os usuários, fazendo com que seus eletrônicos sejam mais que objetos dispensáveis. Para isso, grandes marcas como Magalu, Natura e Vivo apostam em criar assistentes virtuais para interagir com o seu público e ajudá-lo. Elas são as novas “amigas” do consumidor; resolvem seus problemas e facilitam suas compras. Porém, quando adotam a digitalização de seu atendimento, a maior parte das empresas escolhe por figuras femininas para representá-las. É uma escolha que chama a atenção e levanta a seguinte questão: porque sempre mulheres? 

Em 1950, o escritor de ficção científica Isaac Asimov, em seu livro "Eu, Robô", cunhou três leis básicas da robótica, também conhecidas como leis de Asimov. As leis são: nenhum robô pode ferir um ser humano, nem permitir que ele sofra algum mal; todo robô deve seguir as ordens do ser humano, a menos que elas desrespeitem a primeira lei; o robô deve sempre se proteger, menos quando isso vai contra as duas primeiras leis. Mesmo tendo sido criadas para um livro ficcional, as leis de Asimov são levadas em consideração na robótica até hoje. Dessa forma, essas três leis determinam a submissão das máquinas aos homens, e, consequentemente, que vozes femininas estejam sob o controle dos usuários das assistentes virtuais.

Estudos da Psicologia Social podem explicar o desejo comum de ser ajudado e servido por uma mulher. Segundo a graduanda em Psicologia pela Universidade de São Paulo, Anna Sophie Neves Colle, o cenário descrito anteriormente demonstra como as mulheres são frequentemente associadas à posições de cuidadoras, ideia que perpassa até mesmo seus empregos - profissões como enfermagem e pedagogia, majoritariamente femininas, demonstram essa tendência com clareza. Neves completa que, até mesmo os bebês muitas vezes sentem mais medo dos homens do que das mulheres, por enxergá-los como agressivos.

 

 

O uso de robôs pode aprimorar ou até substituir o trabalho como conhecemos
por
Fernando Muro Schwabe
Daniel Santana Delfino
|
04/09/2023 - 12h

Desde os primórdios da humanidade, as invenções sempre mudaram o dia a dia da vida humana. Foi assim com a eletricidade, a aviação, a chegada da internet, só para citar três exemplos. Atualmente, o uso da tecnologia facilita, e muito, a convivência humana, seja ela para trabalho, pesquisa ou entretenimento. A recente popularização do uso de inteligência artificial (IA) como ferramenta marca um novo avanço na história. Mas, como essa ferramenta pode afetar o futuro das profissões que conhecemos atualmente?

Apesar de recente, já é possível presenciar diversas ferramentas que utilizam a inteligência artificial para funcionar. Por exemplo, o restaurante  Kentaro Yoshifuji, inaugurado em Tóquio em 2021, utiliza uma maneira diferente e inusitada de atender seus clientes. O estabelecimento contrata apenas pessoas com problemas de saúde, que não podem sair de suas casas. Logo, uma questão vem na sua cabeça: como eles podem atender os clientes se estão em casa? A resposta é simples e inovadora. Os funcionários controlam robôs, que anotam os pedidos e servem as mesas. O local ficou conhecido no Brasil depois da reportagem do programa Globo Repórter

a
Atendimento no restaurante Kentaro Yoshifuji (Foto: Reprodução/Rede Globo)

A forma mais conhecida de utilizar a IA são através de plataformas como o Chat GPT. Nele, é possível perguntar sobre diversos assuntos, pedir receitas e até mesmo, um roteiro de novela. Uma das profissões que mais pode sofrer no futuro é a de arquitetura e design. Com a utilização das novas ferramentas de inteligência artificial, é possível criar modelos, paisagens e até mesmo, adicionar ou remover elementos de uma foto em poucos cliques. Por exemplo, o Remodeled.AI é uma plataforma construída com inteligência artificial voltada para o design de interiores. A plataforma, por enquanto, só está disponível na língua inglesa, mas tem um funcionamento simples: basta utilizar uma foto de um cômodo o qual você deseja decorar. Em poucos segundos, o Remodeled.AI irá montar uma nova releitura ao cômodo de acordo com suas preferências, pré-definidas antes da criação da imagem.

trabalho top
Exemplo de criação do Remodeled.AI. À esquerda, o quarto original (Foto: Reprodução/Remodeled.AI)

Em entrevista, o designer Willian Luz comentou sobre como ele enxerga o futuro das profissões e se ele tem medo de ser substituído por uma inteligência artificial: “Com relação à tecnologia e com o que anda acontecendo (introdução da IA ao dia a dia), isso é um ato natural do próprio desenvolvimento humano. Como exemplo, ninguém imaginaria que os CDs tomariam o lugar dos discos de vinil. Depois, foi lançado o MP3 foi lançado e tomou o lugar do CD. O Uber tomou o lugar do táxi e por aí vai. As coisas são modernizadas. Não tem como isso não acontecer, é um ato natural do ser humano porque as coisas vão avançando.” comentou William, que acrescenta. “Com relação a inteligência artificial, o meu receio é que uma hora as encomendas vão diminuir, porém, eu acredito que as pessoas vão ter que entender que irão existir novos trabalhos, então eu vou ter que me adequar com a necessidade do mercado.” prossegue.

“No meu caso, a inteligência artificial é uma aliada hoje. Eu a utilizo para criar imagens, designs e outras coisas. O meu trabalho é muito mais manual. Pode ser que um dia exista uma máquina que já produza, por exemplo, adesivos que são feitos direto na parede, ou que envelope uma geladeira sem a necessidade de o profissional ir até o local, tirar as medidas e criar o modelo. Acho que trabalhos manuais podem ser substituídos num futuro próximo.” conclui William.

A inteligência artificial tende, nas próximas décadas, a “dominar” e fazer ainda mais parte do dia a dia da população. Este aliado, que em muitas vezes é um grande facilitador, futuramente poderá ser utilizado para mudar o patamar da humanidade em áreas pouco exploradas, como um “mapeamento” do fundo dos oceanos ou a possibilidade de explorar novos planetas.