O vegetarianismo cresce a cada novo ano que passa
por
Guilherme Deptula
|
18/11/2022 - 12h

Por Guilherme Deptula

O movimento vem se popularizando cada vez mais e, segundo dados do IBOPE, em 2018, 14% da população brasileira se identificava assim. Hoje, 4 anos depois, o número tende a ser bem maior, principalmente com o dilema ambiental que é vivido nos dias atuais. Exatamente, há 45 anos, 1 de outubro foi estabelecido como o dia mundial do vegetarianismo pela North American Vegeterian Society. O intuito da organização era compartilhar os benefícios do movimento e a compaixão pelos animais.

Por definição, o vegetariano é aquele indivíduo que possui uma dieta que exclui alimentos de origem animal. Nesse movimento, existem diversas modalidades: como os lacto-vegetarianos (consomem plantas e leite); os ovo-vegetarianos (se alimentam de ovos e plantas) e, até o estágio mais avançado do movimento, os veganos.

O veganismo se estabelece como um estilo de vida, no qual seus adeptos excluem tudo de origem animal do seu consumo. A escolha de se não consumir animais provoca um rompimento abrupto na vida do indivíduo, sofrendo com a hesitação na hora de consumir e com a rejeição da sociedade, como afirma Isabella Agulhó, influenciadora digital e vegetariana: “Já recebi uma vez, pelo Instagram, um vídeo de uma pessoa matando uma galinha, pelo simples fato de que eu comentei que era vegetariana”

Isabella ainda relata suas dificuldades na alimentação quando decidiu se tornar vegetariana: “Há seis anos, quando eu comecei, existiam opções (vegetarianas), mas eram para quem tinha dinheiro e eu não tinha .Nessa época as opções, onde eu moro, eram batata frita e só.”

            Além disso, o olhar de parcela da sociedade para os veganos é preconceituoso, chegando ao ponto de desenvolver um estereótipo negativo a essa grupo. “Antes de aderir ao movimento, eu pensava que veganos eram pessoas fracas, anêmicas e infelizes” argumenta Vitor Simas, estudante de jornalismo e vegano.

            Vitor ainda afirma que o vegetarianismo; veganismo é um movimento político e suas lutas correspondem com as causas ambientais do planeta: “Lembro de uma matéria no IBGE que dizia que, no Brasil, existia mais de 5 bilhões de bois! Para isso, se desmata mais floresta para a produção de soja e milho, que vão servir para a composição de ração para os bois. Enquanto isso, 1 milhão de pessoas no Brasil passam fome, mas, ao mesmo tempo, conseguimos alimentar 5 bilhões de bois.”

Com a popularização cada vez maior do movimento vegetariano, percebemos que sua ideologia vai além de uma alimentação mais saudável, e invade a luta pela preservação ambiental. Talvez por isso, a cada novo 1 de outubro, o vegetarianismo se torna mais importante.

Tags:
Tite anuncia a convocação oficial da Seleção Brasileira para a Copa do Mundo, Lewis Hamilton recebe título de cidadão honorário do Brasil e PGR pede arquivamento de apuração da CPI da Covid contra Bolsonaro
por
Letícia Coimbra
Luan Leão
|
07/11/2022 - 12h

Segunda-feira, 7 de novembro de 2022, veja os destaques do resumo AGEMT:

  • PGR pede arquivamento de apuração da CPI da Covid contra Bolsonaro.

  • Lewis Hamilton é homenageado como cidadão honorário do Brasil;

  • Lista de convocados da Seleção para a Copa do Mundo 2022;


 

Foto: Sergio Lima/Poder360
Foto: Sergio Lima/Poder360

Falta de elementos

Nesta segunda-feira (7), a Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu que o Supremo Tribunal Federal (STF) arquive uma apuração preliminar contra o presidente Jair Bolsonaro (PL), seus filhos e aliados por suposta incitação ao crime durante a pandemia de covid-19.

Segundo a vice-procuradora-geral da República, Lindôra Araújo, não existem “elementos mínimos capazes de amparar a instauração de uma apuração criminal ou a propositura de uma ação penal” sobre o caso. Para ela, a narrativa e as informações apresentadas “denotam a ausência das elementares típicas do crime previsto no art. 286 do CP nas publicações em mídias sociais realizadas pelo Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, e pelos demais indiciados”.

Esta apuração havia sido aberta pela PGR em novembro de 2021. 

Os investigados são: Jair Bolsonaro, Flávio Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro, Onyx Lorenzoni, Carla Zambelli, Ricardo Barros, Osmar Terra, Bia Kicis e Carlos Roberto Coelho de Mattos Júnior.

Das 10 apurações preliminares abertas após a conclusão da CPI da Covid no ano passado, a PGR já pediu o arquivamento de nove casos.

 

Foto: Lucas Figueiredo/CBF/ND
Foto: Lucas Figueiredo/CBF/ND

Lista de convocados para a Copa do Mundo 2022

Goleiros

  • Alisson - Liverpool

  • Ederson - Manchester City

  • Weverton - Palmeiras

Laterais

  • Danilo - Juventus

  • Alex Sandro - Juventus

  • Daniel Alves - Pumas

  • Alex Telles - Sevilla

 

Zagueiros

  • Militão - Real Madrid

  • Marquinhos - PSG

  • Thiago Silva - Chelsea

  • Bremer - Juventus

  • Meio-campistas

  • Bruno Guimarães - Newcastle

  • Casemiro - Manchester United

  • Fabinho - Liverpool

  • Fred - Manchester United

  • Paquetá - West Ham

  • Everton Ribeiro - Flamengo

 

Atacantes

  • Neymar - PSG

  • Vinicius Júnior - Real Madrid

  • Antony - Manchester United

  • Rodrygo - Real Madrid

  • Raphinha - Barcelona

  • Richarlison - Tottenham

  • Pedro - Flamengo

  • Gabriel Jesus - Arsenal

  • Gabriel Martinelli - Arsenal

 

Foto: Futura Press / Folhapress
Foto: Futura Press / Folhapress

Cidadão honorário

Nesta segunda-feira (7), o piloto de Fórmula 1 Lewis Hamilton recebeu o título de cidadão honorário brasileiro em uma sessão solene na Câmara dos Deputados. A proposta é de autoria do deputado federal André Figueiredo (PDT-CE) e foi aprovada em junho deste ano.

O texto foi promulgado durante a sessão e não precisou ser votado no Senado, por ser uma resolução. Como justificativa, foi mencionada a relação próxima que Hamilton mantém com o Brasil e a homenagem feita por ele a Ayrton Senna no GP de São Paulo, em 2021.

Ao agradecer pela honraria, o piloto dedicou ao Senna e o chamou de “herói”.

Tags:
Bolsonaro fala pela primeira vez após resultado de domingo, Rodovias seguem ocupadas por bolsonaristas e Alckmin é escolhido como coordenador da equipe de transição do governo Bolsonaro para o de Lula
por
Luan Leão
|
01/11/2022 - 12h

Terça-feira, 1 de novembro de 2022, veja os destaques do resumo AGEMT:

  • Fim do silêncio: Bolsonaro fala pela primeira vez após resultado de domingo;

  • Rodovias seguem ocupadas por bolsonaristas mesmo com decisão judicial; 

  • Transição: Geraldo Alckmin, vice-presidente eleito, é escolhido como coordenador da equipe de transição;

 

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Fim do silêncio 

Dois dias após a derrota nas urnas, o presidente Jair Bolsonaro (PL) convocou a imprensa para um pronunciamento no Palácio da Alvorada, no final da tarde desta terça-feira (01), acompanhado de ministros do governo. 

Apesar de todo o suspense, o discurso lido por Bolsonaro durou cerca de 2 minutos. Na fala, Bolsonaro agradeceu os votos recebidos e comentou as manifestações de seus apoiadores pelo país desde o resultado. 

"Quero começar agradecendo os 58 milhões de brasileiros que votaram em mim no último dia 30 de outubro. Os atuais movimentos populares são fruto de indignação e sentimento de injustiça de como se deu o processo eleitoral. As manifestações pacíficas sempre serão bem-vindas, mas os nossos métodos não podem ser os da esquerda, que sempre prejudicaram a população, como invasão de propriedade, destruição de patrimônio e cerceamento do direito de ir e vir", disse Bolsonaro. 

O presidente também falou sobre respeito à Constituição, e disse que continuará "nas quatro linhas" da Constituição. "Sempre fui rotulado como antidemocrático e, ao contrário dos meus acusadores, sempre joguei dentro das quatro linhas da Constituição. Nunca falei em controlar ou censurar a mídia e as redes sociais. Enquanto presidente da República e cidadão, continuarei cumprindo todos os mandamentos da nossa Constituição", afirmou o presidente. 

Bolsonaro deixou a coletiva sem citar o candidato vencedor ou o resultado das urnas. Coube a Ciro Nogueira, ministro da Casa Civil, falar sobre o governo de transição. "O presidente Jair Bolsonaro autorizou, quando for provocado, com base na lei, a iniciarmos o processo de transição", começou o ministro. "A presidente do PT (Gleisi Hoffmann), segundo ela em nome do presidente Lula, disse que na quinta-feira será formalizado o nome do vice-presidente Geraldo Alckmin. Aguardaremos que isso seja formalizado para cumprir a lei do nosso país", finalizou Nogueira.

 

 Foto: AFP
Foto: AFP

Tensão golpista 

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou nesta terça-feira (01) que bolsonaristas seguem interditando algumas rodovias com pregações contrárias aos resultados das urnas no último domingo (30), que elegeu Luiz Inácio Lula da Silva (PT) presidente. As interdições já causaram cancelamento de voos e problemas de abastecimento em hospitais. 

De acordo com a PRF, o país tem cerca de 267 pontos de manifestações, incluindo 89 bloqueios em estradas, 42 pontos de concentração sem obstrução do fluxo, e 136 interdições parciais. A PRF informou ainda que até o meio da tarde, 306 pontos já haviam sido desobstruídos.

As manifestações começaram na noite de domingo (30), no Mato Grosso do Sul. Até a madrugada de segunda-feira (31), o número de manifestações chegou a 421. Os estados com maior número de registros são Santa Catarina, Pará e Mato Grosso. 

Ainda na noite de segunda-feira (31), o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), havia determinado que a PRF e as Polícias Militares tomassem medidas imediatas para a desobstrução de vias ocupadas ilegalmente. 

Em nota divulgada pela manhã, a Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF) e o Sindicato dos Policiais Rodoviários Federais afirmaram que o silêncio do presidente Jair Bolsonaro (PL), derrotado no pleito de domingo (30), "estimula" os atos que bloqueiam rodovias pelo país. 

O presidente falou no final da tarde de terça-feira (01) e disse que "manifestações pacíficas são bem-vindas", e criticou protestos que possam prejudicar a população. 

 

Coordenador escolhido

Cerca de 48h depois do resultado das eleições de domingo (30), a equipe do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) começa os trabalhos para formar a equipe que comandará a transição de governo entre Lula e Jair Bolsonaro (PL). 

Nesta terça-feira (01), o vice-presidente eleito, Geraldo Alckmin (PSB), foi escolhido como coordenador da equipe de transição. A decisão foi tomada em reunião que contou com a presença da coordenadora geral da campanha e presidente do PT, Gleisi Hoffmann, além de Aloizio Mercadante, responsável pela elaboração do plano de governo. 

Alckmin será responsável por uma equipe de 50 pessoas, como previsto no orçamento de 2022. A equipe de transição despachará do prédio do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), em Brasília. "Nós vamos começar as tratativas na quinta-feira (3). Nós já estamos pensando, mas na quinta-feira a gente começa a fazer essa composição", disse Gleisi Hoffmann, após o anúncio. 

Tags:
Lula eleito presidente do Brasil, Tarcísio vence Haddad pelo governo de SP e mais
por
Ana Beatriz Villela
Letícia Coimbra
Luan Leão
|
31/10/2022 - 12h

Segunda-feira, 31 de outubro de 2022, veja os destaques do resumo AGEMT:

  • Luiz Inácio Lula da Silva é eleito presidente com 50,8% dos votos válidos; Bolsonaro ainda não se pronunciou;

  • Líderes políticos mundiais parabenizam o presidente eleito;

  • Tarcísio de Freitas é eleito governador de São Paulo;

  • Veja como foi o 2º turno pelo país.

 

Foto: Vanderlei Almeida/AFP/dpaweb/dpa/picture-allianc
Lula é o primeeiro presidente na história do Brasil a ser reeleito pela segunda vez - Foto: Vanderlei Almeida/AFP/dpaweb/dpa/picture-alliance

Luiz Inácio Lula da Silva: 39º presidente eleito

O petista Luiz Inácio Lula da Silva foi eleito neste domingo (30) o 39º presidente da República, vencendo o atual chefe do Executivo, Jair Messias Bolsonaro (PL). Esta é a primeira vez que um presidente tenta a reeleição e não consegue, assim como não há antecedentes de um ex-presidente cumprindo o terceiro mandato. 

Lula foi considerado eleito após 98,91% das urnas serem apuradas, pouco antes das 20h. O petista recebeu  60.345.999 votos (50,90% dos votos válidos), e Bolsonaro 58.206.354 votos (49,10% dos votos válidos). 

Os votos brancos somaram 1.751.415 (1,43%) e os nulos 3.889.466 (3,16%). O nível de abstenção alcançou 20,9%.

Até o momento da publicação deste Resumo, o presidente Bolsonaro ainda não havia se pronunciado a respeito. A agenda de Bolsonaro para esta segunda-feira (31) não prevê compromissos oficiais.

 

Reconhecimento 

Diante da oficialização da vitória de Luiz Inácio pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), vários líderes mundiais se manifestaram, reconhecendo sua eleição e em alguns casos, oferecendo apoio.

Nesta segunda-feira, 31, a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, parabenizou Lula, mencionando uma futura cooperação entre o Brasil e a União Europeia (UE). 

“Parabéns, Lula, pela sua eleição como Presidente do Brasil. Estou ansiosa para trabalhar com você para enfrentar os desafios globais urgentes, desde a segurança alimentar até o comércio e as mudanças climáticas”, afirmou.

Já Olaf Sholz, o chanceler da Alemanha, deu peso à questão climática em sua parabenização. 

“Parabéns a Lula por sua eleição! Aguardo com expectativa uma cooperação estreita e confiável com o Brasil – em particular nas questões de comércio e de proteção climática”, escreveu.

Ainda no domingo (30), pouco depois da oficialização, o presidente da Argentina, Alberto Fernández, manifestou apoio ao presidente eleito de maneira empolgada. "Parabéns Lula. Tua vitória abre um novo tempo para a história da América Latina. Um tempo de esperança e de futuro que começa hoje mesmo", disse.

Já o líder francês, Emmanuel Macron, afirmou que esta eleição "abre uma nova página da história do Brasil" e que deverão “unir forças para lidar com muitos desafios comuns e renovar a amizade entre os dois países".

Líderes do Reino Unido, Equador, Cuba, Canadá, Bolívia, Uruguai, Peru, Panamá e vários outros também mandaram telegramas ao novo governo brasileiro.
 

Tarcísio de Freitas: 64º governador do estado de São Paulo

Em uma vitória do Bolsonarismo em São Paulo, Tarcísio Gomes de Freitas, do Republicanos, se elegeu governador da maior economia da federação. O resultado veio na noite de domingo (30) com pouco mais de 93% das urnas apuradas. 

O candidato bolsonarista conquistou 55,3% dos votos válidos e derrotou a chapa formada por Fernando Haddad (PT) e Lúcia França (PSB), que conquistaram 44,6% dos votos. Os números de votos nulos somam 6,75% e brancos 4,01%. 

"Vamos olhar o interesse para o estado de São Paulo. Observem que, para que a gente possa trazer políticas públicas, é fundamental o alinhamento com o governo federal", disse o governador eleito. 

A chapa eleita também tem a presença do ex-prefeito de São José dos Campos, o empresário Felício Ramuth, do PSD. 
 

Segundo turno pelo Brasil

12 estados finalizaram a disputa para governador com o segundo turno neste domingo (30). 

Confira abaixo os resultados:

No Amazonas, Wilson Lima (União Brasil), foi reeleito contra o senador e ex-governador Eduardo Braga (MDB), que tinha o apoio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Com 92,17% das urnas apuradas, Lima contabilizava 56,97% dos votos válidos. Braga, por sua vez, tinha 43,03%

No Rio Grande do Sul, o ex-governador Eduardo Leite (PSDB) foi eleito. Por volta das 19h, com 90,43% das urnas apuradas, o tucano alcançou 57,11% dos votos.

Ele derrotou o ex-ministro Onyx Lorenzoni (PL), que tinha o apoio do presidente Jair Bolsonaro (PL).

Leite, que foi eleito governador em 2018, volta ao cargo depois de ter renunciado em 31 de março para tentar concorrer à Presidência da República.

Em Santa Catarina, o senador Jorginho Mello (PL) foi eleito governador, derrotando o ex-deputado federal Décio Lima (PT), que tinha o apoio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Com 98,65% das urnas apuradas, Mello obteve 70,64% dos votos.

Em Pernambuco, a ex-deputada estadual e ex-prefeita de Caruaru Raquel Lyra (PSDB) foi eleita governadora, derrotando nas urnas a deputada federal Marília Arraes (Solidariedade), que tinha o apoio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Na Paraíba, o governador João Azevêdo (PSB), foi reeleito. Ele derrotou nas urnas o deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB).

Com 97,19% das urnas apuradas, Azevêdo contabilizava 52,33% dos votos, enquanto Cunha Lima totalizava 47,67%.

No Espírito Santo, o governador Renato Casagrande (PSB), foi reeleito.  Ele superou nas urnas o ex-deputado federal Carlos Manato (PL), que tinha o apoio do presidente Jair Bolsonaro.

Na Bahia, o candidato Jerônimo Rodrigues (PT) foi eleito governador. O resultado mantém uma hegemonia do PT na Bahia que já dura 16 anos, desde a vitória de Jaques Wagner, em 2006. 

Jerônimo derrotou o ex-prefeito de Salvador ACM Neto (União Brasil), que tinha o apoio do presidente Jair Bolsonaro (PL).

Com 96,31% das urnas apuradas, o petista ficou com 52,54% dos votos, enquanto ACM Neto teve 47,46%.

No Mato Grosso do Sul, o candidato do PSDB, Eduardo Riedel foi eleito governador com 56,9% dos votos válidos, contra o candidato Capitão Contar (PRTB), que tinha apoio do presidente Jair Bolsonaro. Com a eleição de Riedel, o PSDB consolidou sua terceira gestão seguida no estado.

Em Rondônia, o Coronel Marcos Rocha (União Brasil) foi reeleito governador com 52,47% dos votos. Ele derrotou o candidato Marcos Rogério (PL).

Em Alagoas, o governador Paulo Dantas (MDB) conseguiu se reeleger com 52,33% dos votos contra Rodrigo Cunha (União Brasil). 

Dantas tinha o apoio da família Calheiros e do ex-presidente Lula (PT).

Em Sergipe, o deputado federal Fábio Mitidieri (PSD) foi eleito governador.

Ele derrotou nas urnas o senador Rogério Carvalho (PT), que tinha o apoio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Com 98,54% das urnas apuradas, Mitidieri somava 51,78% dos votos válidos, enquanto Carvalho tinha  48,22%.


Tags:
Segundo economista e professor de economia da PUC-SP, o cenário é desafiador e é necessário haver espaço fiscal
por
Letícia Coimbra
Luan Leão
|
29/10/2022 - 12h

Neste mês o Resumo AGEMT completou 1 ano no ar, sempre com muita informação, análise e os fatos importantes do Brasil e do mundo para você. Em comemoração ao nosso primeiro ano, estreamos hoje uma série de entrevistas para pensar o futuro do Brasil ao final da nona eleição para a presidência depois da redemocratização.

Para falar sobre os desafios da política econômica no próximo governo, convidamos André Piva, economista e professor de economia da PUC-SP.

 

Do ponto de vista fiscal, depois das ações neste ano de 2022, o que podemos esperar de 2023?

De fato, o cenário para 2023 é bem desafiador. Têm estudos que mostram que precisaríamos de um espaço fiscal adicional próximo de R$400 bilhões para garantir várias medidas que precisarão ser implementadas, inclusive a manutenção e prorrogação do Auxílio Brasil no montante de R$600. Para 2023, teremos um desafio de conseguir definir esse espaço fiscal e não só definir esse espaço fiscal, mas também repactuar as regras fiscais, as restrições fiscais. A parte do teto de gastos, que não foi cumprido pelo atual governo e, dessa forma, vai precisar ser repensado, já é uma restrição fiscal que não foi atendida. 

(...) A gente tem a questão da meta de resultado primário e também a parte da regra de ouro, então essas restrições terão que ser reavaliadas e redefinidas.

 

Quais os caminhos para o combate à extrema pobreza e a fome, que voltou a ser realidade no país? 

Nós precisamos da manutenção do Auxílio Brasil, de R$600, para que a população tenha o mínimo pra conseguir se alimentar e adquirir itens de subsistência, bem como ampliar medidas econômicas para gerar emprego e renda, como, por exemplo, investimentos públicos. A gente tem muitas obras paradas e tem um potencial muito grande de gerar crescimento econômico, emprego e renda.

 

Na sua avaliação, quais pautas econômicas devem ser tratadas com urgência pelo próximo presidente? 

Para o próximo governo, as medidas que devem estar presentes no debate, como eu já coloquei, seria a parte de um debate mais intenso sobre as questões fiscais, principalmente sobre o teto de gastos novamente, bem como uma reforma tributária. O avanço da reforma tributária é muito relevante para voltar para o debate público e também para o debate na esfera executiva e legislativa. 

 

Tags:
Irmãos presos no Maranhão por suspeita de desvios de verba da saúde; protesto em obra de Van Gogh em Londres e mais
por
Letícia Coimbra
Luan Leão
|
14/10/2022 - 12h

Sexta-feira, 14 de outubro de 2022, veja os destaques do resumo AGEMT:

  • Orçamento secreto: irmãos são presos no Maranhão por suspeita de desvios de verba da saúde;

  • Datafolha: Lula registra 49% das intenções de voto; Bolsonaro pontua 43%;

  • Obra de Van Gogh é palco de protesto em Londres;

  • Setor de serviços acumula quarto mês em alta em agosto.

 

Foto: Agência Brasil
Foto: Agência Brasil

Fraude milionária

Nesta sexta-feira (24), a Polícia Federal prendeu dois homens acusados de inserir dados falsos no Sistema Único de Saúde (SUS) para desviar dinheiro do orçamento secreto, participando de uma rede criminosa envolvendo o SUS em municípios do Maranhão. 

As prisões fazem parte da Operação Quebra Ossos, que começou no Centro-Oeste, investigando denúncias de fraudes para aumentar de forma irregular repasses do Fundo Municipal de Saúde a municípios. A operação cumpre mandados de busca e apreensão também no Piauí.  

De acordo com a apuração de auditores da Controladoria Geral da União (CGU), houveram inserções de solicitações no sistema do SUS por municípios do Maranhão, com destinação de emendas parlamentares de até R$ 69 milhões. 

De acordo com a PF, a cidade de Igarapé Grande, no Maranhão, havia informado ter feito mais de 12,7 mil radiografias no dedo, número maior que o total da população, que equivale a 11,5 mil pessoas.

"A CGU constatou que a produção informada pelos profissionais de saúde era demasiadamente inferior à inserida nos sistemas de registros do SUS. Os próprios relatórios de produção do Hospital Municipal Expedito Lopes Galvão, extraídos do sistema interno do hospital, apontam quantidades inferiores dos quantitativos informados no SIA/SUS", informou a CGU em nota.

A decisão que deflagrou a operação determinou o afastamento de servidores investigados de suas funções públicas, suspensão do direito de participar em licitações e suspensão de pagamentos.

 

Estabilidade na corrida eleitoral

Nesta sexta-feira (14) foi divulgado o resultado da pesquisa eleitoral realizada pelo Datafolha, no qual o ex-presidente Lula (PT) tem 49% das intenções de votos. Já o presidente Jair Bolsonaro (PL) pontuou 44%, com apenas cinco pontos percentuais de diferença entre ele e o petista. 

Os indecisos são 1%, e brancos e nulos somam 5%. Quando feita a contagem dos votos válidos, o petista tem 53% e Bolsonaro 47%. Nesta modalidade, são excluídos os nulos e brancos na urna eletrônica, e os indecisos na pesquisa, mesmo procedimento usado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição.

Na pesquisa espontânea, quando os entrevistadores não apresentam previamente o nome dos candidatos, Lula pontuou 46% e Bolsonaro, 41%. Os indecisos são 3%, e brancos e nulos somam 6%.

A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

O novo levantamento mostra estabilidade na corrida eleitoral, já que os números são os mesmos que os revelados pela pesquisa anterior realizada pelo mesmo instituto.

As entrevistas foram feitas nos dias 13 e 14 de outubro e contaram com 2.898 entrevistados, em 180 municípios. A pesquisa, que foi encomendada pela Folha de SP e TV Globo, foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-01682/2022.

 

Foto: Reprodução/Instagram/@just.stopoil
Foto: Reprodução/Instagram/@just.stopoil

Protesto climático 

Duas ativistas do movimentos "Just Stop Oil" jogaram latas de sopa de tomate no quadro "Girassóis" de Vincent Van Gogh, que fica em exposição na National Portrait Gallery, em Londres. O protesto ocorrido nesta sexta-feira (14) é contra a queima de combustíveis fósseis. 

Segundo a galeria, a obra é protegida por um vidro e não foi danificada. "Há alguns pequenos danos no quadro, mas a pintura está ilesa. Duas pessoas foram presas", disse a galeria. O local é patrocinado pela empresa BP Oil, uma empresa multinacional britânica de gás e petróleo. O contrato se encerra em dezembro de 2022. 

Na legenda do vídeo publicado nas redes sociais, as ativistas explicam as motivações. "Por que estamos protegendo essas pinturas quando não estamos protegendo a milhões de vidas que serão perdidas por causa do colapso climático e social ?", escreveram.

O protesto faz parte da segunda semana de ações de grupos ambientalistas contra as novas licenças de gás e petróleo concedidas pelo governo britânico para tentar solucionar a crise energética que atinge o continente europeu. O grupo Just Stop Oil é conhecido por outros atos polêmicos envolvendo obras de arte. Em julho deste ano, na mesma galeria, o grupo já havia se colado a obra The Hay Wain, do pintor John Constable. 

 

Em alta 

O setor de serviços registrou um aumento de 0,7% na passagem de julho para agosto. O resultado vem depois de uma alta de 1,3% em julho, e já se soma a quarta alta consecutiva no setor, acumulando um avanço de 3,3% no período. Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira (14).

Com o desempenho registrado, o setor está operando 10,1% acima do nível pré-pandemia, em fevereiro de 2020. Se comparado com agosto de 2021, houve alta de 8%, sendo a 17ª taxa positiva seguida do indicador, sem ajuste sazonal. Os números, integrantes da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), mostram que o resultado ficou 0,9% abaixo do maior patamar da série histórica, registrado em novembro de 2014. 

O acumulado no chegou a 8,4% e o acumulado nos últimos 12 meses passou de 9,6% em julho para 8,9%. Os destaques que puxaram as altas dentro do setor foram outros serviços, com alta de 6,5% e atividades de informação e comunicação (0,6%). No último mês, outros serviços haviam registrado queda de 5% no volume. 

O índice de atividades turísticas também subiu 1,2% em agosto, operando 0,1% acima do patamar pré-pandemia. Do outro lado da balança, após acumular 4% de crescimento entre maio e julho, os transportes tiveram desaceleração de 0,2%. O segmento de serviços profissionais, administrativos e complementares ficou estável e não variou, após queda de 1,1% em julho. 




 

Tags:
Tumulto em Aparecida no dia de Nossa Senhora, pedido da campanha de Lula para que o TSE mantenha transporte público gratuito no segundo turno e mais
por
Ana Beatriz Villela
Letícia Coimbra
Luan Leão
|
13/10/2022 - 12h

Quinta-feira, 13 de outubro de 2022, veja os destaques do resumo AGEMT:

  • Participação de Bolsonaro em missa de Nossa Senhora no dia da padroeira é marcada por confusões;

  • Comitê de Lula pede que TSE regulamente transporte público para eleitores no segundo turno;

  • Guerra na Ucrânia: Rússia lança drones "kamikazes" contra os arredores de Kiev, Ucrânia diz ter recuperado novas áreas ocupadas pelos russos e recebe apoio para defesa antiaérea.

 

Foto: Eduardo Knapp/Folhapress
Foto: Eduardo Knapp/Folhapress

Confusão em Aparecida

Nesta quarta-feira (12), o presidente Jair Bolsonaro (PL) visitou o Santuário Nacional de Nossa Senhora de Aparecida, em Aparecida (SP). Ele foi acompanhado de Tarcísio de Freitas (Republicanos), seu candidato ao governo de São Paulo, e do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. 

À tarde, devido ao tumulto criado pela presença de Bolsonaro, o Padre Eduardo Ribeiro, que conduzia a cerimônia, pediu silêncio. Parte do público estava ecoando gritos de “mito”, na direção do presidente. "Silêncio na basílica. Prepare o seu coração, viemos aqui para rezar", pediu. 

Apesar da missa ter corrido bem, do lado de fora do templo, um jovem trajado de camiseta vermelha foi alvo de apoiadores do presidente enfurecidos, que gritavam “mito” e encurralaram-no em um círculo. Quando tentou fugir, foi perseguido por gritos de “Lula ladrão, seu lugar é na prisão” e “a nossa bandeira jamais será vermelha”. A confusão teve fim somente quando o homem sumiu entre os corredores da igreja.

Além disso, também houve hostilização a um cinegrafista e uma repórter da Rede Vanguarda, afiliada local da Globo, que precisaram ser escoltados por funcionários da TV Aparecida. 

Ainda pela manhã, antes da chegada do presidente, o arcebispo de Aparecida, d. Orlando Brandes, defendeu o direito ao voto e incentivou que os fiéis comparecessem às cabines no 2º turno, que será no dia 30 de outubro. Brandes se referiu ao ódio, mentira, fome e desemprego como dragões que precisam ser vencidos. Além disso, mencionou a disseminação de fake news e afirmou que “para ser pátria amada, não precisa ser pátria armada”.

“Para ser pátria amada não pode ser pátria armada. Para ser pátria armada seja uma pátria sem ódio. Para ser pátria amada, uma república sem mentiras e sem fake news. Pátria amada sem corrupção. E pátria amada com fraternidade. Todos os irmãos construindo a grande família brasileira”, declarou.


 

Contra a abstenção

A campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) protocolou um pedido junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que os Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) sejam orientados a determinar a o funcionamento normal e gratuito do transporte público estadual e municipal no dia 30 de outubro, data prevista para acontecer o 2º turno das eleições.

Segundo documento enviado ao TSE, a campanha alega que a medida seria uma resposta da Justiça Eleitoral ao número de abstenções do 1º turno. “O índice de abstenção no primeiro turno das Eleições 2022 foi de cerca de 20% [...] Tamanha abstenção faz com que tanto a Justiça Eleitoral e seus players sejam obrigados a tomar medidas necessárias de forma a garantir maior participação do eleitorado no processo eleitoral do segundo turno”, argumenta a campanha.

No 1º turno, a campanha de Jair Bolsonaro (PL) foi ao TSE para pedir a limitação dos transportes gratuitos no dia da eleição. A campanha questionava uma decisão de setembro do ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), que determinou que o transporte público urbano fosse mantido em níveis normais. No entanto, o ministro Benedito Gonçalves, corregedor do TSE, negou o pedido da campanha, classificando como “absurdo”.

“O argumento descamba para o absurdo, ao comparar a não cobrança de tarifa para uso de transporte público regular, em caráter geral e impessoal, com a organização de transporte clandestino destinado a grupos de eleitores, mirando o voto como recompensa pela benesse pessoal ofertada”, disse Gonçalves na decisão

Na mesma decisão, o ministro Barroso, alegando haver custos para as cidades, negou o pedido da Rede Sustentabilidade para que os municípios fossem obrigados a oferecer transporte gratuito nos dias das eleições. O ministro, porém, proibiu que as cidades que já tivessem oferecido o serviço gratuitamente interrompessem a gratuidade. 

 

Foto: Reuters
Foto: Reuters

Resposta russa

A Rússia lançou nesta quinta-feira (13) três drones “kamikazes” para atacar os arredores de Kiev, capital da Ucrânia.  Segundo o governo ucraniano, o ataque foi realizado com aeronaves não tripuladas iranianas do modelo Shahed-136, que se destroem ao serem lançadas contra seus alvos. Entretanto, o governo do Irã nega ter fornecido armamento para Moscou. 

Os drones foram lançados sobre Makariv, que fica a cerca de 50 quilômetros a oeste da capital ucraniana. As autoridades da cidade afirmaram que as aeronaves atingiram "instalações críticas de infraestrutura”.

 

Tem mais…

A Ucrânia disse ter reconquistado áreas invadidas pelos russos e comemorou a chegada de um novo sistema de defesa antiaérea após sofrer dois dias de intensos bombardeios, com chuvas de mísseis, foguetes e drones, na última quarta-feira (12). 

O ataque sofrido pelos ucranianos, segundo o presidente russo, Vladimir Putin, é uma retaliação ao bombardeio contra a ponte da Crimeia, que liga a península anexada por Moscou em 2014 ao território russo. As autoridades ucranianas não confirmaram ou negaram estar envolvidas no ataque da ponte, mas sempre tentaram recuperar a Crimeia e o restante dos territórios ocupados pela Rússia desde o início da guerra. 

"As forças armadas ucranianas libertaram mais cinco cidades no distrito de Berislav da região de Kherson: Novovasylivka, Novogrygorivka, Nova Kamyanka, Tryfonivka, Chervone", anunciou o governo ucraniano, notando, contudo, que as tropas russas resistem. 

Na terça-feira (11), o ministro da Defesa ucraniano, Oleksiy Reznikov, anunciou o recebimento do primeiro sistema de defesa aérea alemão Iris-T e a chegada em breve de sistemas americanos NASAMS. A França, por sua vez, disse que entregará sistemas de radar e defesa aérea à Ucrânia nas próximas semanas, em particular para o país se proteger contra ataques de drones, afirmou o presidente francês Emmanuel Macron na quarta-feira (12).

Tags:
Ministro das Relações Exteriores da Rússia diz que Putin "não recusaria" reunião com Biden, Lollapalooza Brasil divulga line-up para 2023 e mais
por
Letícia Coimbra
Luan Leão
|
11/10/2022 - 12h

Terça-feira, 11 de outubro de 2022, veja os destaques do resumo AGEMT:

  • Análise: Debate entre candidatos ao governo de SP tem saldo positivo, e isso não diz nada;

  • Guerra na Ucrânia: Sergei Lavrov diz que Putin “não recusaria” reunião com Biden; G7 diz que apoiará Ucrânia “até quando for preciso”;

  • Lollapalooza anuncia atrações da 10ª edição do festival;

  • Pandemia: Média móvel de mortes por COVID-19 completa uma semana em alta.

 

Kirill Kudryavtsev/Pool via REUTERS
Sergei Lavrov, ministro das Relações Exteriores da Rússia - Foto: Kirill Kudryavtsev/Reuters

Guerra na Ucrânia

Nesta terça-feira (11) Sergei Lavrov, ministro das Relações Exteriores da Rússia, afirmou em entrevista à TV estatal que Vladimir Putin, presidente russo, “não recusaria” uma reunião com Joe Biden, presidente dos Estados Unidos, na cúpula do G20 na Indonésia e se recebesse a proposta, consideraria.

Dissemos repetidamente que nunca recusamos reuniões. Se houver uma proposta, então a consideraremos”, disse Lavrov.

Lavrov também afirmou que os Estados Unidos estão há muito tempo envolvidos na Guerra na Ucrânia: “Parece-me que os norte-americanos estão participando de fato desta guerra há muito tempo. Esta guerra está sendo controlada pelos anglo-saxões”, disse.

Ainda nesta terça-feira (11), o G7, grupo das maiores economia do mundo, fez uma reunião de emergência, que foi convocada após o pior ataque da Rússia na Ucrânia. Os países membros declararam que oferecerão apoio à Ucrânia  "pelo tempo que for necessário" e que Kiev tem "direito legítimo" de se defender contra a agressão russa.

"Continuaremos a fornecer apoio financeiro, humanitário, militar, diplomático e legal e permaneceremos firmes com a Ucrânia pelo tempo que for necessário", disse o G7 no comunicado.

Estiveram presentes na reunião virtual Joe Biden (Estados Unidos), Emmanuel Macron (França), Liz Truss (Reino Unido), Olaf Scholz (Alemanha), Fumio Kishida (Japão), Mario Draghi (Itália) e Justin Trudeau (Canadá).

 

Foto: Reprodução/Redes sociais
Foto: Reprodução/Redes sociais

Bandeirantes ou Alvorada?

O debate na Band não favoreceu o eleitor com a escolha do horário e do dia. Um debate em uma segunda, às 22h, com 2 horas de duração é um convite para não assistir. No entanto, fazendo valer o esforço de quem se propôs a ver, os candidatos Fernando Haddad (PT) e Tarcísio de Freitas (Republicanos) tiveram o mínimo de cordialidade e respeito com os eleitores.
Mostrando ser um bom aluno, Tarcísio tratou de aprender os nomes de muitas cidades do estado. Depois do vexame em uma sabatina no 1º turno, quando não soube responder onde votava, o ex-ministro da Infraestrutura tem os nomes dos municípios de São Paulo na ponta da língua. A impressão deixada no debate é que o candidato do Republicanos pode até os citar em ordem alfabética, caso você queira. 

Mas isso apenas não basta. O candidato de Jair Bolsonaro (PL) em São Paulo aproveitou a cordialidade de seu adversário e a nacionalização da disputa para prometer até o que não está na sua alçada como governador. Um ponto de atenção é para um problema de oratória dos candidatos e a forma confusa como constroem as argumentações.
Como professor de alto gabarito, Haddad se aproveitou do formato do debate. Esteve muito à vontade para andar pelo estúdio, conversar com as câmeras, e até provocou o oponente com a clássica “bolacha e biscoito”. Mas alguém precisa avisar ao professor que ele é candidato ao governo de São Paulo e não apenas cabo eleitoral do ex-presidente e líder nas pesquisas à presidência, Lula (PT). Um excesso de nacionalização furta de Haddad tempo para que ele possa explicar de forma clara ao eleitor suas propostas. O mesmo se aplica a Tarcísio.
Em outros estados do sudeste, os candidatos se preocuparam em decidir a disputa já no primeiro turno, alguns sendo acusados até de escantear os presidenciáveis (Lula e Bolsonaro). No 2º turno em São Paulo, os candidatos parecem preocupados em não desapontar os padrinhos políticos para não serem os culpados de uma eventual derrota na eleição nacional.

 

Foto: Reprodução/Instagram - Rich Fury / Getty Images via AFP
Foto: Reprodução/Instagram - Rich Fury / Getty Images via AFP

Line up Lollapalooza 2023

Foi divulgado nesta terça-feira (11) as atrações do festival, sendo Drake, Billie Eilish, Blink 182, Rosalía e Lil Nas X as principais. Outros destaques internacionais do festival são The 1975, Kali Uchis, Tove Lo e Conan Gray.

Entre as atrações brasileiras estão a cantora Ludmilla, L7nnon, Filipe Ret, Anavitória, Pedro Sampaio, Pitty e os Paralamas do Sucesso.

A 10ª edição acontecerá nos dias 24, 25 e 26 de março de 2023 no Autódromo de Interlagos, em São Paulo. As datas e os horários dos shows ainda não foram divulgados.

Confira todas as atrações:

Foto: Divulgação/Twitter
Foto: Divulgação/Twitter

 

Pandemia 

De acordo com dados do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS) o Brasil registrou  7.350 novos casos de COVID-19, e 86 mortes em decorrência da doença nas últimas 24 horas. A média móvel de óbitos nos últimos sete dias é de 71. No total, o país acumula 34.731.539 casos confirmados, e 686.963 óbitos por COVID-19. 

Tags:
Ipec mostra cenário de eleição presidencial estável, recorde de endividamento e indadimplência e mais
por
Letícia Coimbra
Luan Leão
|
10/10/2022 - 12h

 

Segunda-feira, 10 de outubro de 2022, veja os destaques do resumo AGEMT Especial Eleições:

  • IPEC: Lula tem 55% e Bolsonaro 45%, em votos válidos;

  • Endividamento e inadimplência das famílias atinge maior patamar em 12 anos, diz CNC;

  • Aeroporto de Congonhas tem dia de caos após pneu de avião estourar durante pouso;

  • Putin diz que ataque a Kiev é resposta russa a explosão na Crimeia 


 

Foto: Reprodução/Twitter @lula
Foto: Reprodução/Twitter @lula

Cenário estável

Nesta segunda-feira (10) foi divulgado o resultado da pesquisa eleitoral realizada pelo Ipec, no qual o ex-presidente Lula (PT) tem 51% das intenções de votos. Já o presidente Jair Bolsonaro (PL) pontuou 42%, com nove pontos percentuais de diferença entre ele e o petista. 

Os indecisos são 2%, e brancos e nulos somam 5%. Quando feita a contagem dos votos válidos, o petista tem 55% e Bolsonaro 45%. Nesta modalidade, são excluídos os nulos e brancos na urna eletrônica, e os indecisos na pesquisa, mesmo procedimento usado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição.

A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Na pesquisa espontânea, quando os entrevistadores não apresentam previamente o nome dos candidatos, Lula pontuou 49% e Bolsonaro, 42%. Os indecisos são 4%, e brancos e nulos somam 5%. 

As entrevistas foram feitas nos dias 8 e 10 de outubro e contaram com 2.000 entrevistados. A pesquisa, que foi encomendada pela TV Globo, foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-02853/2022.


 

Mikhail Nilov/Pexels
Foto: Mikhail Nilov/Pexels

Tem dívida aí ?

O número de famílias endividadas ou inadimplentes chegou aos maiores valores da série histórica iniciada em 2010, segundo foi divulgado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) nesta segunda-feira (10).

De acordo com a CNC, o número de famílias inadimplentes, ou seja, aquelas com dívidas em atraso, atingiu 30% em setembro, chegando ao valor mais alto da série histórica. Em agosto, o número havia subido para 29,6%. Se comparado a setembro de 2021, quando registrou 25,5%, o número cresceu 4,5%. 

O número de famílias endividadas, que são aquelas que possuem qualquer tipo de dívida (em atraso ou não), também bateu recorde: 79,3%. Em agosto o número era de 79%. Já em setembro de 2021, o número estava em 74%, ou seja, 5% menor.

“Embora os atrasos tenham crescido no mês e no ano entre os consumidores nas duas faixas de renda, as dificuldades de pagamento de todos os compromissos do mês são mais latentes entre as famílias de menor renda” - Izis Ferreira, economista da CNC

Entre as famílias consideradas mais pobres, que recebem menos de dez salários mínimos, o endividamento ultrapassou os 80% pela primeira vez, atingindo 80,3%. A CNC mostrou que o número de mulheres (80,9%) endividadas  também é maior do que o de homens (78,2%). 

Segundo a CNC, o tipo de dívida que mais cresceu foram as de cartões de crédito, que subiu de 84,6% para 85,6% do total de dívidas. O número de famílias que não têm condição de pagar duas dívidas ficou em 10,7%, menor que os 10,8% registrados em agosto, porém, maior que os 10,3% de setembro de 2021. 


 

Foto: Reprodução/Redes sociais
Foto: Reprodução/Redes sociais

Que sufoco…

A pista principal do Aeroporto de Congonhas ficou fechada cerca de 8 horas após o pneu de uma aeronave estourar e fazer ela perder o controle, parando a poucos metros do barranco que termina na Avenida Washington Luis, na zona sul de São Paulo, no começo da tarde de domingo (09). Por conta da interdição, cerca de 140 voos foram cancelados.

Segundo a Infraero, ninguém ficou ferido e o avião de pequeno porte foi retirado por um caminhão para uma pista lateral por volta das 22h. A aeronave transportava dois tripulantes e três passageiros e estava com a documentação regularizada.

Apesar da liberação da pista, a operação no aeroporto ficou longe de ser normalizada. Pelas redes sociais, passageiros relataram espera de mais de 12 horas e problemas em acomodações oferecidas pelas companhias aéreas. 

A estimativa é que aeroportos de 15 estados tenham sido afetados pelo problema em Congonhas. O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes (CENIPA) é o responsável por conduzir as investigações sobre as causas do incidente. 


 

Foto: Serviço de Imprensa Presidencial Russa/AP Photo
Foto: Serviço de Imprensa Presidencial Russa/AP Photo

"As respostas da Rússia serão duras", diz Putin

Nesta segunda-feira (10), o presidente da Rússia, Vladimir Putin, alegou que a Ucrânia fez atos terroristas contra a Rússia e ameaçou reagir com força caso o cenário continue.

Através de uma transmissão televisionada, o presidente afirmou que Moscou lançou ataques de mísseis de longo alcance contra a infraestrutura de energia, militar e de comunicações ucraniana como retaliação devido a um ataque que liga a Crimeira ao território continental russo no sábado (8), que classificou com “ato vil de terrorismo”. 

“É óbvio que os serviços secretos ucranianos ordenaram, organizaram e executaram o ataque terrorista destinado a destruir a infraestrutura civil crítica da Rússia”, afirmou o líder russo.

Apesar das autoridades ucranianas terem celebrado após a explosão na ponte, Kiev não assumiu o ato.

“Se continuarem as tentativas de realizar atos terroristas em nosso território, as respostas da Rússia serão duras e em sua escala corresponderão ao nível de ameaças criadas. Ninguém deve ter dúvidas sobre isso”, afirmou Putin.

Tags:
Bolsonaro abandona tom moderado, Lula se reune com Tebet e FHC, levantamento do Datafolha mostra distância menor entre o petista e Bolsonaro e mais
por
Ana Beatriz Villela
Letícia Coimbra
Luan Leão
|
08/10/2022 - 12h

Sexta-feira, 7 de outubro de 2022, veja os destaques do resumo AGEMT Especial Eleições:

  • Aos gritos, Bolsonaro se exalta, ataca ex-presidente Lula e ministro Alexandre de Moraes;

  • Datafolha: 49% diz que vota em Lula e 44% em Bolsonaro

  • Lula se encontra com Tebet e FHC; 

  • INPE: Setembro tem pior mês da série histórica com alertas de desmate na Amazônia;

  • Vendas do comércio recuam em agosto, na 3ª queda consecutiva, diz IBGE.

 

Foto: Reprodução/TV Globo
Foto: Reprodução/TV Globo

Mas você tá bravo?

Apesar das tentativas de manter um tom moderado, nesta sexta-feira (7) o presidente Jair Bolsonaro (PL) demonstrou descontrole quando aos gritos fez ataques ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), contra quem concorre à reeleição no segundo turno, e ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ministro do Supremo tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes.

Em coletiva à imprensa no Palácio da Alvorada, ao lado do jornalista José Luiz Datena, Bolsonaro, chamou o petista de "pinguço" e mostrou irritação por ele ainda não ter anunciado seus possíveis ministros. “Vai ter José Dirceu na Segov, Gleisi Hoffmann na Casa Civil, Dilma nas Minas e Energia”, ironizou.

O mandatário também criticou Moraes pela decisão de quebrar o sigilo de mensagens de um assessor da Presidência, Mauro Cesar Barbosa Cid, durante investigações do inquérito das milícias digitais. 

"O tempo todo usando a caneta para fazer maldade, tentar me tirar de combate, para desgastar. Já desafiei o Alexandre de Moraes, que vazou a quebra de sigilo telemático do meu ajudante de ordens, que é um crime o que esse cara fez", alegou.

 

No retrovisor 

Nesta sexta-feira (7) foi divulgado o resultado da pesquisa eleitoral realizada pelo instituto Datafolha, no qual o ex-presidente Lula (PT) tem 49% das intenções de votos. Já o presidente Jair Bolsonaro (PL) pontuou 44%, o que o deixa com apenas cinco pontos percentuais de diferença entre ele e o petista. 

Os indecisos são 2%, e brancos e nulos somam 6%. Quando feita a contagem dos votos válidos, o petista tem 53% e Bolsonaro 47%. Nesta modalidade, são excluídos os nulos e brancos na urna eletrônica, e os indecisos na pesquisa.

O levantamento deu ênfase na margem de erro, que é de dois pontos percentuais para mais ou para menos, em decorrência das muitas críticas feitas pelos eleitores ao método da pesquisa.  No primeiro turno, disputado no domingo passado (2), o ex-presidente somou 48,4% dos votos válidos e o atual, 43,2%. De acordo com a última pesquisa realizada pelo Datafolha nas vésperas da eleição, Lula tinha 50% dos votos e Bolsonaro, 36%. A margem de erro era a mesma, mas os votos do atual mandatário escaparam por 5 pontos. Bolsonaro pontuou 43,23% e o petista, 48,39%

As entrevistas foram feitas nos dias 5 e 7 de outubro e contaram com 2.884 entrevistados. A pesquisa, que foi encomendada pela TV Globo, foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-02012/2022.

 

Foto: Ricardo Stuckert
Foto: Ricardo Stuckert

Encontro com Tebet e FHC

Na tarde desta sexta-feira (7), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se encontrou com a senadora Simone Tebet (MDB). Durante discurso, a terceira colocada na disputa à presidência afirmou que suas sugestões foram acatadas pela campanha do petista.

"Temos as nossas diferenças políticas e econômicas, mas elas são infinitamente menores do que aquilo que nos une", alegou a senadora. "Este não é um encontro agendado pela história, mas, sem dúvida nenhuma, é exigido por ela”, completou Tebet.  

Quando questionado a respeito de um possível papel desempenhado por Tebet, Lula disse que “ela vai fazer o que ela quiser”. A senadora, porém, afirmou que irá "aonde a campanha precisar".

Logo após, o petista se encontrou com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), que há dois dias oficializou seu apoio a ele no segundo turno.

 "Um reencontro democrático com @presidentefhc", escreveu Lula em seu perfil do instagram. O encontro foi fechado.

 

Foto: Sergio Lima/AFP
Foto: Sergio Lima/AFP

Desmatamento na Amazônia 

Dados divulgados nesta sexta-feira (07) pelo Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE) mostram que os alertas de desmatamento na Amazônia em setembro de 2022 foram de 1.455 km². Com os dados, esse se tornou o pior mês de setembro da série histórica do Deter iniciada em 2015.

Comparado a setembro de 2021, o número é 47,7% maior. Para se ter uma dimensão do tamanho, quase equivale ao tamanho da cidade de São Paulo, que tem 1.521 km². O segundo pior número de setembro também foi registrado durante o governo Jair Bolsonaro (PL), em 2019, quando ficou em 1.454 km².

Em todo 2022, o acumulado de alertas de desmatamento chega a 8.590 km², um número 4,5% do que todos os alertas do ano passado. 

 

Foto: Emmanuel Franco / Sindcomércio Vale do Aço
Foto: Emmanuel Franco / Sindcomércio Vale do Aço

Em queda

O comércio teve queda 0,1% na passagem de julho para agosto, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta sexta-feira (07). O recuo acontece pelo 3° mês consecutivo, na média móvel trimestral o setor tem perda de 0,8%.

A Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) mostrou que o varejo teve queda de 1,4% no acumulado de 12 meses. Porém, em comparação com agosto de 2021, o setor apresentou uma alta de 1,6% e 0,5% no acumulado do ano. 

O resultado negativo foi motivado pelo recuo de três das oito atividades pesquisadas. Segundo o IBGE, tiveram queda: equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-1,4%), outros artigos de uso doméstico (-1,2%) e artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (-0,3%).

No outro lado da balança, cinco atividades apresentam alta, foram elas: tecidos, vestuário e calçados (13%), combustíveis e lubrificantes (3,6%), livros, jornais, revistas e papelaria (2,1%), móveis e eletrodomésticos (1%) e hiper, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,2%).

Se considerado o varejo ampliado, que inclui o comércio de veículos e peças e os materiais de construção, a queda foi de 0,6% de julho para agosto. Também houve queda na média móvel trimestral de -1,1%, na comparação com 2021 o resultado foi -0,7% pior. No acumulado do ano também houve recuo de -0,8% e nos últimos 12 meses de -2%. 

Tags: