Esta reportagem especial tem como base os cortes no investimento em ciência no Brasil nos últimos anos, que cresceram, trazendo denúncias de desmantelamento da pesquisa no país
por
Artur Ferreira, Gabriela Neves e Natasha Meneguelli
|
11/12/2020 - 12h

 

“Minha pesquisa vai atrasar, meus resultados foram interrompidos, vou ter que pedir prorrogação de prazo. Enfim, é dramática a situação”, conta Marcela Rodrigues, 34 anos, mestranda em Ciências Mecânicas pela UnB (Universidade de Brasília). Ela estava no processo de conclusão da sua dissertação quando sua bolsa foi cortada. Por conta disso, teve que interromper o estudo para aceitar outros trabalhos em busca de outra fonte de renda.  

 

Luís Carlos Pereira, 29 anos, nem chegou a conseguir a bolsa que precisava. Ele se graduou em Economia pela Universidade Federal do Ceará e atualmente é mestrando em Economia Política pela PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo). Para continuar a pesquisa, trabalha como promotor de eventos. 

 

“Sempre tivemos bolsas e fomento, claro que nunca foi o ideal, os recursos sempre foram instáveis, essas reservas de contingência já vêm acontecendo há muito tempo. Mas, atualmente, a situação está trágica”, afirma a vice-presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Fernanda Sobral, que atua na formação de cientistas.

 

marcela rodrigues
Marcela Rodrigues. Acervo Pessoal.

 

Flávia Calé, mestranda em história econômica pela USP (Universidade de São Paulo) e presidente da Associação Nacional de Pós-graduandos (ANPG), vai na mesma linha, explicando que os jovens pesquisadores, em especial os doutores, se encontram totalmente desamparados e sem perspectivas.

 

 

Entrando para a estatística

 

Para concorrer à uma vaga de mestrado nas melhores universidades do país, Luís teve de prestar um concurso. Conta que foi uma alegria imensa ver seu nome selecionado em diversos programas de pós-graduação, e o da PUC-SP era o que mais lhe interessava.

 

Sua dissertação trata de um fator crucial para a economia, a qualidade do capital humano do país. Ou seja, o quão bem treinado é o trabalhador. Seu enfoque é compreender qual o grau de formação e conhecimento, e como isso afeta as desigualdades de renda do Brasil. O objetivo é que esse estudo sirva como base para representantes políticos, ativistas e outros pesquisadores formularem melhores políticas públicas para a educação.

 

Contudo, ele entrou para a estatística que gostaria de pesquisar, tendo sua formação afetada por um corte de bolsas na sua área. Em Economia Política, o número caiu de 16 para 5. 

 

O choque não foi só de Luís. “Você tinha antes 16 pessoas que teriam condições de se manter no mestrado e dedicar ali suas vidas, porque a bolsa exige isso, dedicação exclusiva para fazer ciência.” Hoje, ele precisa de um segundo emprego, tanto para custear a pós quanto seus próprios gastos pessoais.

 

Luís Carlos Pereira
Luís Carlos Pereira. Acervo pessoal.

 

De acordo com a pesquisa de 2019 da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), apenas 0,8% dos brasileiros entre 25 a 64 anos concluíram um mestrado. No caso do doutorado o número fica ainda menor, alcançando 0,2% da população. A média dos países analisados era de 13% com mestrado, e 1,1% com doutorado. O Brasil só fica na frente de países como a China, que não possui dados numéricos sobre doutorados, e da Arábia Saudita (entre quantos países pesquisados?) 

 

Casos como o de Luís e os de muitos outros pós-graduandos não chegaram com a pandemia da Covid-19. Mas ela certamente vai agravar a situação devido à crise econômica.

 

Quando compilados os dados dos principais fundos de pesquisa do Brasil, como o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT),  a verba do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e as bolsas cedidas pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), em meados de 2015 o Brasil somava quase R$ 14 bilhões investidos em pesquisa acadêmica.

 

Em 2016, o número total era de R$ 9,43 bilhões - uma diminuição de cerca de 33%. Quando se transforma essa verba em número de bolsas de mestrado e doutorado, pode ser observada uma queda de 28 mil para 17.818. No ano passado, R$ 1,24 bilhão foi cortado da verba destinada às universidades brasileiras, 17% do orçamento. 

 

Em uma audiência pública na Comissão de Educação (CE), no dia 3 de dezembro do ano passado, o presidente da Capes, Anderson Ribeiro Correia, negou os cortes nas bolsas de estudos denunciados por pesquisadores. Para o órgão, houve um aumento de 11% no orçamento do ano de 2018 para o de 2019. O valor total de investimento apontado foi de R$ 4,179 bilhões.

 

“Daqui a 10 anos, vamos ter uma geração de cientistas que não se formaram”, desabafa Luís.

 

 

“Escolha de Sofia”

 

Marcela Rodrigues tem ideias semelhantes às de Luiz. Para a pesquisadora, se não houver nenhuma política que reveja o “desmonte” da ciência brasileira, viveremos um “apagão” na área. “Em breve, assim, ano que vem. Porque o que tá previsto para a lei de orçamento é a extinção dos programas de pesquisa no Brasil”. 

 

Ela conta que o impacto imediato é a evasão de estudantes do programa. A evasão de cérebros, discussão comum no universo acadêmico, é outra consequência – com  pesquisadores e estudantes buscando, em outros países, a estrutura para continuar os seus trabalhos. 

 

“A sociedade precisa perceber que cada pesquisador que sai leva com ele anos e anos de investimento público. Então o estado acaba desperdiçando dinheiro não dando condição para esses pesquisadores continuarem no Brasil”, afirma. 

 

protesto contra cortes na educação
Protestos contra os cortes nos investimentos em educação. Por Gabriela Neves.

 

A pesquisadora conta que, para que o país não dependa do que vem pronto de fora, é necessário investimento em ciência. Cita o exemplo do mercado agrícola, que precisa de ciência e tecnologia de ponta para desenvolver sementes competitivas. Para ela, sem essas áreas de inovação tecnológica, não há soberania e desenvolvimento no país. 

 

“É em cima desses programas de engenharia, de inovação, de energia e de recuperação ambiental que a vida em sociedade está apoiada”, afirma Marcela. E lembra que são esses projetos que dão origem a ferramentas como as que usamos para diminuir os impactos da pandemia. “É muito contraditório o discurso de que vai preservar a engenharia cortando bolsa e desmontando programas de pesquisa dentro das universidades, perseguindo as universidades, colocando o pós-graduando como inimigo da nação, e não como um aliado ao seu desenvolvimento.”

 

Marcela lembra que esses problemas já existiam antes da pandemia. O programa de que ela faz parte é do Capes 4 na Universidade de Brasília (UNB), e foi duramente afetado pela portaria 34 do governo federal, que modificou a forma de concessão das bolsas. 

 

Uma série de bolsas foram antes do coronavírus chegar aqui. A situação se complicou quando vários estudantes que já tinham assinado o termo de concessão de bolsa perderam a continuidade da pesquisa. Depois do início da quarentena, surgiram obstáculos para o trabalho experimental necessário para os projetos. 

 

Alunos e professores precisavam de campo, laboratório e infraestrutura que se tornavam impeditivos. “Muita gente não tem o equipamento que dê conta de fazer a simulação dentro de casa, são processadores muito avançados. Geralmente, os computadores domésticos não conseguem dar conta”, explica Marcela.

 

Quando a Capes fez a prorrogação da bolsa, o programa tentou resolver um problema anterior à pandemia, fazendo a fila de espera por bolsas andar, para ver se reduzia a evasão e segurava o programa vivo. “Foi nesse contexto que a minha bolsa foi cortada. É o contexto em que vários programas estão submetidos, de fazer a ‘escolha de Sofia’: decidir quem vai receber bolsa ou quem não vai, se o aluno que está com o trabalho em curso ou o aluno que acabou de ingressar para não evadir”, diz Marcela. 

 

“Eu só daria um recado para os meus colegas: que não se sintam culpados pelo que a gente está vivendo. A gente é muito pressionado pela questão da produtividade e tudo o mais, é um problema muito mais conjuntural do que individual. A saída que a gente precisa buscar é coletiva, não do indivíduo.” 

 

 

Pesquisadores e o Estado

 

A presidente da ANPG, Flávia Calé, indica que um dos fatores que prejudicou o andamento de diversas pesquisas nacionais foi o encerramento do programa de pós-doutorado da Capes. Parte do dinheiro foi direcionado à reposição de bolsas de 2019, e outra parcela foi investida nas pesquisas sobre a Covid-19.

 

O investimento é essencial para todo projeto, pesquisa e desenvolvimento de ciência em larga escala. Para alcançar essas verbas, os governos federal e estadual devem trabalhar em conjunto com as instituições de ensino superior. Entretanto, segundo o presidente da Associação dos Docentes da USP (Adusp), Rodrigo Ricupero, a relação entre Estado e universidade está bastante abalada.

 

Segundo ele, houve uma queda nos investimentos em pessoal e equipamentos: “O Instituto Geológico, Florestal, da Pesca, uma série de institutos de pesquisas foram desmontados. Não tem concurso faz tempo, os salários são baixos... Então, no fundo tem uma política de desmonte da ciência e da tecnologia”.

 

O presidente da Adusp criticou o discurso mercadológico que, segundo ele, transforma as instituições em “startups” e “empresas unicórnio” [startups com avaliação de mercado de mais de 1 bilhão de dólares], diminuindo seu aspecto social. 

 

Flávia Calé
Flávia Calé

 

Ricupero cita o exemplo do projeto USP do Futuro, que teria sido criado por professores e ex-alunos da universidade em conjunto com a consultoria norte-americana McKinsey. Segundo ele, o processo de convênio não foi comunicado ao restante da universidade e boa parte dos envolvidos no projeto estão em altos cargos de governança estadual. (Explicar melhor qual o problema do USP do Futuro)

 

O projeto de lei apelidado de “PL da autonomia das universidades” seria mais uma forma de distanciar o poder público e os institutos de ensino superior. Essa é a opinião de Amanda Harumy, graduada em Relações Internacionais, doutoranda no Programa de Integração da América Latina, coordenadora geral da Associação de Pós-Graduandos da USP (APG-USP) na capital.

 

De acordo com ela, o orçamento da universidade depende do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços). Conta que instituições como a Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e as universidades estaduais recebem uma porcentagem de sua arrecadação, que é variável. Ou seja, em determinados períodos a verba é maior ou menor.

 

Como a verba arrecadada não é constante, a reserva feita com o que “sobra” dela depois desses gastos imediatos das universidades é essencial para o uso de médio e longo prazo. Isso significa que ele pode ser direcionado para outras necessidades futuras e igualmente importantes para a continuidade dos trabalhos de pesquisa, como reformas de laboratórios, compra de equipamentos, entre outros investimentos. 

 

O PL 529/20 foi criticado pela comunidade de pesquisa.  Após protestos de associações e organizações de docentes e estudantes, acabou não sendo aprovada pela Assembleia Legislativa de São Paulo. 

 

 

Frente contra a Covid-19

 

Marcelo Mori é Secretário Regional da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência) e professor da Unicamp. Ele estuda biologia do envelhecimento  com foco em doenças metabólicas, e seu interesse pelo coronavírus se relaciona aos idosos e pessoas com problemas metabólicos, que são mais suscetíveis à doença.

 

Coordena a força-tarefa da Universidade Estadual de Campinas contra a pandemia. Iniciada em março, trouxe resultados em diversas áreas, servindo como apoio para o Estado. Conseguiram a estrutura necessária para realização de diagnósticos e pesquisa, além de equipes que atendiam populações de menor renda e comunidades indígenas. “Tudo foi feito de forma voluntária, ninguém ganhou nada a mais por conta disso”, conta Marcelo. 

 

“A gente acabou trabalhando com outros grupos, colaborando, fazendo uma ciência muito mais colaborativa, o que para mim é o legado dessa pandemia”, conta. Marcelo Mori explicou que as agências de pesquisa foram compreensivas quanto aos atrasos por conta da pandemia, e que houve financiamento para os projetos relacionados à doença. 

 

Marcelo mori
Marcelo Mori. Acervo pessoal. 

 

Apesar do ganho científico por conta de projetos ligados à covid-19 (alunos e pós-doutorandos se envolveram na nova linha de estudos), ele avalia que houve um atraso significativo nas pesquisas que vinham sendo feitas antes da pandemia. 

 

Para quem trabalha com outras áreas não relacionadas ao coronavírus, ou que não receberam financiamento para trabalhar com a doença, a questão é mais complicada. “Talvez o impacto não seja imediato, mas talvez na hora de enviar um relatório, de conseguir um outro financiamento, esse tempo, esse atraso, pode ser problemático”, afirma. 

 

Quando questionado sobre o que devemos esperar para o ano de 2021, o cientista respondeu que acredita que o aprendizado e a valorização da ciência são essenciais para que a sociedade se prepare para as próximas epidemias, problemas socioeconômicos e mudanças climáticas. 

 

“Não seria possível se não tivesse um arcabouço prévio de investimento, com equipamentos, experiência, estrutura para fazer isso.” Ele lembrou que quem respondeu fazendo testes foram instituições de pesquisa e de ensino, e que fazer as pessoas se recordarem disso por meio de divulgação é importante para a ciência.

Em meio a pandemia da Covid-19 e conflitos incessantes ao redor do mundo, entenda esse grupo e conheça a uma das instituições que lhes presta apoio no Brasil
por
Marina Daquanno Testi e Thayná Alves
|
08/12/2020 - 12h

 

 

     

        O número de refugiados no Brasil vem crescendo a cada ano. Só no ano de 2018, segundo a Agência da ONU Para Refugiados (ACNUR) foram relatadas 80 mil solicitações de reconhecimento de condição de refugiado no Brasil. Os grupos de maior número entre as solicitações são os venezuelanos (61.681), que saíram do país devido à crise humanitária, e os haitianos (7.030), cujo fluxo de migração se intensificou após o terremoto que atingiu o país em 2010.  

        A lei brasileira considera refugiado todo indivíduo que está fora de seu país de origem devido a guerras, terremotos, miséria e questões relacionadas a conflitos de raça, religião, perseguição política, entre outros motivos que violam seus direitos humanos. Isso pode acontecer, por exemplo, quando a vida, liberdade ou integridade física da pessoa corria sério risco no seu país.

        Para que o imigrante seja reconhecido como refugiado, é necessário enviar uma solicitação para o Comitê Nacional para os Refugiados (CONARE). O processo de reconhecimento, que antes era mais burocrático e mais demorado, atualmente é feito no site do Ministério da Justiça, a partir do preenchimento do formulário que pode ser feito ainda no país de origem. Todas as etapas podem ser acompanhadas pela internet, mas para o processo começar a tramitar, o solicitante deverá comparecer pessoalmente a uma unidade da polícia federal. 

        Dentre a população refugiada reconhecida no Brasil, segundo o censo da ACNUR de 2018, a maioria se concentra nas faixas etárias de 30 a 59 anos (41,80%), seguido de pessoas com idade entre 18 a 29 anos (38,58%). Do total, 34% são mulheres e 66% são homens, ressaltando os sírios, os congoleses como nacionalidades em maior quantidade (respectivamente 55% e 21%). 

         Em janeiro de 2020, o Brasil tornou-se o país com maior número de refugiados venezuelanos reconhecidos na América Latina, cerca de 17 mil pessoas se beneficiaram da aplicação facilitada no processo de reconhecimento, segundo a  Agência da ONU para Refugiados. As autoridades brasileiras estimam que cerca de 264 mil venezuelanos vivem atualmente no país. Uma média de 500 venezuelanos continua a atravessar a fronteira com o Brasil todos os dias, principalmente para o estado de Roraima.

         Apesar de em grande quantidade, apenas 215 municípios têm algum tipo de serviço especializado de atenção a essa população. As maiores dificuldades encontradas por pessoas refugiadas são a adaptação com o mercado de trabalho, com o aprendizado do idioma, o preconceito e a xenofobia, educação (muitos possuem diplomas em seus países de origem que não são aceitos aqui no Brasil), moradia e saúde. 

 

Covid-19 e o amparo aos refugiados

 

        Diante de um quadro de crise em escala global, como o que acontece este ano com a pandemia da Covid-19, essa população de migrantes e refugiados, que já se encontram em extrema vulnerabilidade, conta com o apoio de poucas instituições voltadas especialmente para suas necessidades. Este é o caso da Missão Paz, uma instituição filantrópica de apoio e acolhimento a imigrantes e refugiados, com uma das sedes na cidade de São Paulo, como conta o padre Paolo Parise.

        Nascido e criado na Itália, Parise atua desde 2010 na Missão Paz, atualmente como um dos diretores, e explica que esta instituição está ligada a uma congregação da Igreja Católica chamada Scalabrinianos, que atua com imigrantes e refugiados em 34 países do mundo. “Na região do Glicério - município do estado de São Paulo-, a obra se iniciou nos anos 30 e atualmente está presente em Manaus, Rio de Janeiro, Cuiabá, Brasília, Curitiba, Florianópolis, Porto Alegre, Foz do Iguaçu, Corumbá e outros lugares.”

        Sua estrutura atual conta com a Casa do Migrante, um abrigo com capacidade de 110 indivíduos que são acolhidos com alimentação, material de higiene pessoal, roupas, aulas de português, acompanhamento de assistentes sociais e apoio psicológico; e o Centro Pastoral e de Mediação dos Migrantes (CPMM) que oferece atendimento e serviços voltados aos imigrantes, quanto aos seguintes temas: documentação e jurídico; trabalho, capacitação e cidadania; saúde; serviço social; família e comunidade. “Além disso, temos a área de pesquisa em parceria com a revista Travessia, que é o Centro de Estudos Migratórios (CEM), uma biblioteca especializada em migração e a WebRadio Migrantes”, completa Pe. Paolo.

Fonte: Site da instituição Missão Paz - Casa do Migrante
Fonte: Site da instituição Missão Paz - Crianças brincam na Casa do Migrante

        De acordo com o diretor, o maior desafio enfrentado pela instituição, durante a pandemia, foi com a saúde dos refugiados, principalmente pela impossibilidade de viver a quarentena isoladamente, já que muitos vivem em ocupações ou em lugares com muitas pessoas concentradas. Ele ainda denunciou que, dentre tantas vítimas da Covid-19 em São Paulo, um dos grupos mais afetados foi o de imigrantes bolivianos, “muitos foram contaminados e muitos morreram”.

        Diante de instabilidades políticas e econômicas, atualmente, sírios e venezuelanos são as principais nacionalidades afetadas que solicitam entrada no país. O que ratifica o Pe. Parise, “Falando pela Missão Paz, se você utiliza o termo ‘refugiados’, o maior grupo neste momento é de venezuelanos, sejam os que foram acolhidos pela missão paz, sejam os que estão entrando no Brasil. E depois encontramos outros grupos como da República Democrática do Congo. Mas se falamos de imigrantes, temos Colombianos, Bolivianos, Paraguaios, Peruanos, Angolanos e de outros países que estão recorrendo ao Brasil.”

        Mesmo com mudanças críticas, no cenário jurídico e político brasileiro, para que esta população seja recebida no país e tenha seus direitos respeitados, ainda não se pode falar em auxílio do governo ou medidas diretas de apoio a refugiados e imigrantes. 

        Paolo relembra a criação de leis que têm beneficiado a população no Brasil. Uma delas é a lei municipal Nº 16.478 de 2016, onde o Prefeito do Município de São Paulo, Fernando Haddad, instituiu a Política Municipal para a População Imigrante que garantia a esses o acesso a direitos sociais e aos serviços públicos, o respeito à diversidade e à interculturalidade, impedia a violação de direitos e fomentava a participação social; e a outra é a lei federal Nº13.445 de 2017, ou a nova Lei de Migração, que substitui o Estatuto do Estrangeiro e define os direitos e deveres do migrante e do visitante, regula a sua entrada e estada no País e estabelece princípios e diretrizes para as políticas públicas para o emigrante.

        A Missão Paz se mantém através de projetos e dinheiro injetado pela congregação da Igreja Católica. “Neste momento, a Missão Paz não recebe apoio financeiro nem do município, nem do estado e nem do Governo Federal”, relata Parise. Durante a pandemia receberam ajuda da sociedade civil, “[A Instituição] Conseguiu muitas doações de pessoas físicas, de instituições, de campanhas, fosse em dinheiro, em cestas básicas ou kits de higiene pessoal”, e com 200 cestas básicas, por mês, da Prefeitura de São Paulo. Também receberam ajuda com testes de COVID em nível municipal. 

         A instituição filantrópica ainda conta com a ajuda de vários parceiros, como explica seu diretor “na área de incidências políticas, por exemplo, nós atuamos com a ONG Conectas Direitos Humanos, temos na área de refugiados um projeto com a ACNUR, estamos preparando outro com a OIM (Organização Internacional para as Migrações) e temos algumas ações com a Cruz Vermelha”. 

        Desde o começo do ano, já atenderam por volta de 7 mil imigrantes e refugiados, e, hoje em dia, tem por volta de 40 pessoas na Casa, o que representa ⅓ da capacidade total. Além disso, entregam de 50 a 60 cestas básicas a refugiados, diariamente, e ao redor de 60 a 70 que vão, por dia, procurar os serviços do CPMM. “Outras ações incluíram a disponibilização de atendimentos online, de aulas de português a atendimentos jurídicos, psicológicos ou serviços sociais, além de ajudar a completar aluguel, água ou luz daqueles que precisam da ajuda da instituiçã”, fala Padre Paolo. 

        Todo esse esforço e dedicação da instituição foi feito, sempre, visando seguir as normas de segurança e as indicações da OMS (Organização Mundial da Saúde). Foram fornecidos a seus funcionários e a população migrante e de refugiados álcool para higienizar as mãos, máscaras e demais equipamentos e serviços de proteção e higiene.

Maior colégio eleitoral do país define seu prefeito, optando pela continuidade do PSDB
por
Danilo Zelic, João Tognonato, Juca Ambra, Julio Cesar Ferreira e Rafaela Reis Serra
|
29/11/2020 - 12h

Com 59,38% dos votos, Bruno Covas, do PSDB, é reeleito Prefeito da Cidade de São Paulo. Em coletiva com apoiadores, Covas comemorou: "Vamos transformar nossas diferenças em consensos. As urnas falaram a 'democracia está viva'. É possível fazer política sem ódio. É possível fazer política falando a verdade."

Antes da fala do prefeito reeleito, o vice Ricardo Nunes já havia discursado. "Bruno tem o vice dele, muito fiel. São Paulo agora tem a continuidade do nosso trabalho, todos por São Paulo. Muito obrigado, Deus", em resposta às críticas feitas a ele durante a campanha.

Da sacada de casa, o candidato do PSOL, Guilherme Boulos, discursou: "a gente apontou o futuro, não está terminando, está começando.", em tom colérico para seus apoiadores. Ele teve 40,62% dos votos.

O segundo turno registrou uma maior abstenção, com 30,81% contra 29.29% do primeiro turno. Brancos e nulos  somam 14,16%.

A equipe da AGEMT acompanhou a apuração dos votos na sede do TRE-SP.

De acordo com a instituição, foram substituídas 205 urnas eletrônicas durante o segundo turno no Estado de São Paulo. Esse número representa 0,56% de um total de 36.711 urnas. Foram registradas 3 ocorrências;  em São Paulo um mesário foi detido para averiguação por dano à urna eletrônica e em Taboão da Serra uma pessoa foi presa por fotografar o voto. Também em Taboão, foi relatada uma ocorrência por boca de urna, segundo o Boletim do TRE-SP divulgado à Imprensa. 

 

 

Especial recupera importantes falas de quem participou de evento em 2019, que comemorou os 90 anos do professor que dá nome à agência de notícias do curso de Jornalismo. Tr echos foram extraídos do material preparado pela equipe da TV PUC
por
por Lara Guzzardi e Victor Naia , fotos de Gabriela Neves (com TV PUC)
|
15/11/2020 - 12h

Há um ano acontecia o simpósio “90 anos de Maurício Tragtenberg: Pensar é resistir”. Doris Accioly e Silva analisa o pensamento de Maurício Tragtenberg e suas influências. A professora da Unicamp também vai além: ela busca entender, como Maurício lia e interpretava esses autores, e como, a partir deles, conseguiram interpretar

Doris acrescenta o valor inigualável da pesquisa de Maurício, e a forma única com que ele pesquisava e desenvolvia seu pensamento. A professora comenta, também, como Maurício era generoso e que não se pode, jamais, desprezar algum autor. Mesmo não concordando com conteúdo ou corrente de pensamento, é importante lê-los e debatê-los.

Maurício demonstrava grande interesse pela figura ambígua de Walter Rathenau, e procurava estudá-la com mais profundidade. Tragtenberg, criticava a burocratização no exercício do poder.

Pedro Porcino conta como conheceu Mauricio Tragtenberg em 1984 em pleno processo de redemocratização e, claro, como ajuda que Maurício deu a ele e toda classe sindical foi valiosa. Mais de 30 anos após os eventos, Porcino, nos faz relembrar como os ensinamentos de Maurício e suas visões na classe sindical faz ainda mais sentido nos dias atuais. Maurício conseguia unir o meio acadêmico com a prática. Eis um exemplo: Maurício não escrevia apenas para os alunos e a academia, ele escrevia para os trabalhadores, escrevia para todos.

Lucia Bruno comenta como a visão de Maurício Tragtenberg sobre associações, sindicatos, movimentos sociais - e como suas dicas fazem sentido hoje, analisando o movimento social e sindical que perdeu força. Maurício participou ativamente nestas questões nos anos 70 e 80. 

A AGEMT relembra a fala do ex-aluno de Maurício, Edson Passetti, formado em Ciências Sociais pela PUC - SP, sobre a forte atitude de contestação do sociólogo.

Durante a fala na mesa "O Pensamento de Maurício Tragtenberg e as Práticas de Liberdade" , Passetti comentou sobre a importância de um mestre no aprendizado dos jovens, principalmente nos tempos atuais, com excesso de tecnologia e informação:

O cientista social contou também sobre a ocasião em que Maurício questionou os alunos em sala de aula se eles já tinham pensado em votar no Movimento Democrático Brasileiro (MDB), partido político brasileiro que abrigou os opositores da ditadura militar brasileira, fazendo-os refletir:

Passetti, no fim de sua fala, diz que acredita ser válida a discussão acerca da presença dos textos de Maurício no programa das faculdades atuais, já que esses teriam muito a acrescentar aos jovens universitários de diversos cursos:

A historiadora, filósofa e professora colaboradora no IFCH da UNICAMP, Margareth Rago, participou da mesa três: O Pensamento de Maurício Tragtenberg e as Práticas de Liberdade do encontro “90 anos de Mauricio Tragtenberg: Pensar é resistir”.

Ela encerrou sua fala sobre seu contato com o anarquismo, grande alvo de estudo do sociólogo, fazendo uma analogia a fim de mostrar como ela enxerga esse espírito revolucionário de Maurício. 

Durante a mesa  "Coleção Maurício Tragtenberg e a Atualidade do Pensamento Tragtenberguiano", o pensador marxista brasileiro e diretor do CNRS na França, Michael Löwy, que conheceu Maurício através de um evento sobre Kafka, comentou sobre a o caráter inovador e corajoso do pensamento de Tragtenberg.

Löwy discorreu sobre a atualidade das ideias de Maurício diante do nosso cenário político atual e se referiu a ele como um verdadeiro remédio contra a ameaça de fascismo: “o pensamento do Maurício é o melhor antídoto para esse veneno”.

Em homenagem aos 90 anos do sociólogo Maurício Tragtenberg, a PUC-SP realizou o colóquio “Pensar é resistir”. O evento contou com a presença do professor titular do Departamento de Filosofia da PUC-SP, Antonio Valverde, que em sua fala expressou admiração pelas ácidas críticas de Maurício à ordem social.

O colóquio “90 anos de Mauricio Tragtenberg: Pensar é resistir” faz um ano, assim como esse mês a morte de Maurício faz vinte e dois anos. A discussão apresentada na mesa quatro foi encerrada pelo professor e diretor-presidente da Fundação Editora da Unesp, Jézio Hernani B. Gutierre, responsável por possibilitar a publicação da coleção Mauricio Tragtenberg.

A AGEMT relembra a declaração de Jézio acerca da importância de manter a obra do sociólogo sempre viva, ao invés de transformá-la em algum tipo de relicário.

 

De acordo com o Tribunal, problema está sendo resolvido pelos técnicos
por
Gabriel Porphirio (Fotos) Julia Nogueira, Malu Marinho e Maria Luiza de Oliveira
|
15/11/2020 - 12h

TREO Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo divulgou há pouco uma nota em que explica o atraso na divulgação dos números da apuração.

De acordo com o comunicado, "os dados estão sendo remetidos normalmente pelos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) e recepcionados normalmente pelo banco de totalização, que está somando o conteúdo de forma mais lenta que o previsto."

A nota ainda destaca que  "não há nenhuma relação com o vazamento de dados pessoais de servidores e nenhuma relação com a tentativa de ataque cibernético registrada pela manhã."

O problema está sendo resolvido pelos técnicos, para a retomada mais rápida do processo de divulgação

 

Em 3 zonas eleitorais, houve prorrogação do horário de votação
por
Gabriel Porphirio (Fotos) Julia Nogueira, Malu Marinho e Maria Luiza de Oliveira
|
15/11/2020 - 12h

 

Apenas 0,39 por cento das urnas foram apuradas até este momento. O candidato Bruno Covas, do PSDB, tem 6.619 votos ou 32,58% dos apurados até agora. Guilherme Boulos, do PSOL, tem 4.129 votos ou 20,33% do total.

Na sequência, aparecem Márcio França (PSB), com 13,95% e Celso Russomano (Republicanos) com 10,44%.

Arthur do Val "Mamãe Falei" tem 9,74%.

Até o momento da publicação desta notícia, havia 5,91% de votos brancos e 10,22% de nulos.

Foto tela
Tela apresenta evolução dos números da apuração

De acordo com o último boletim divulgado pelo TRE, houve 26 ocorrências envolvendo 4 prisões, 3 por boca de urna em Itapevi e 1 em Campinas, por ausência de um mesário, sem justificativa.

No estado, 609 urnas foram substituídas de um total de 85.715, 186 na capital e 423 no interior.

Em entrevista coletiva, agora há pouco, o presidente de Tribunal Regional Eleitoral destacou o papel da imprensa na conscientização dos eleitores, nesta fase de pandemia. " A imprensa teve um valor essencial, alertando sobre o programa do uso das máscaras; as pessoas cumpriram as regras sanitárias. O eleitor teve uma participação importante nesse assunto.", disse o desembargador Waldir Sebastião de Nuevo Campos Junior.

TRE
Desembargador Waldir Sebastião de Nuevo Campos Junior, presidente do TRE

Em três zonas eleitorais, houve prorrogação do horário de votação: até 18h em Guarulhos, 18h35 em São Sebastião e até às 19h em Carapicuíba.

 

 

A pandemia vista por jovens em outros países.
por
Marcela Foresti
|
06/11/2020 - 12h

A pandemia foi sentida de diferentes formas ao redor do mundo, enquanto alguns países como a Alemanha estão em sua segunda onda, outros lugares como a província de Newfoundland no Canadá  mal tiveram a primeira. 

A estudante Lacey Marshall de Newfoundland no Canadá teve no total apenas três semanas de quarentena neste ano, isso porque segundo o levantamento feito pelo Governo de Newfoundland a província teve apenas 292 casos de infectados pelo vírus.

Lacey Marshall

 Mesmo com o número de casos baixo e um curto período de quarentena, a   província mantém a recomendação de uso de máscaras e distanciamento social.   As aulas voltaram presencialmente em algumas escolas, mas Marshall ainda   está com as suas online.

 Ela não está mais isolada em casa, mas evita ao máximo encontrar diferentes   grupos de amigos na mesma semana “Prefiro me reunir sempre com o mesmo   grupo de amigos e com máscara”.

 Para a canadense o isolamento foi momento de organizar a vida e realizar   atividades diferentes “Me senti mais feliz do que antes durante o isolamento, a saudade de contato físico é pequena”.

Ao contrário dela , as estudantes alemãs Lilli Grandt de Hamburgo e Lisa Spiller de Stuttgart sentiram bastante as consequências da pandemia, a falta de contato com outros gerou desmotivação e afetou algumas amizades. Spiller que tem como hobby principal a escalada, está achando muito difícil não poder fazer a atividade este ano. Lisa Spiller

As estudantes tiveram poucas aulas online, Grandt teve o ano escolar encerrado um pouco mais cedo  que o normal. O calendário escolar na Europa é diferente do Brasil e vai do  mês de agosto até  junho. 

A Alemanha teve seu primeiro isolamento entre Março e Junho e, agora no mês de Novembro, entrou  em sua segunda quarentena que terá o mínimo de um mês de duração.

A diferença entre as duas quarentenas é que a segunda manterá as aulas presenciais e algumas outras atividades básicas funcionando. 

Ao final da primeira quarentena a Alemanha voltou a funcionar apenas com algumas restrições, Spiller viajou para encontrar uma amiga em outro estado e Grandt voltou a sair e ver seus amigos normalmente. A única coisa que mudou nos encontros é o uso de máscara que na Europa é obrigatório em locais públicos e a multa para quem não cumpre a regra pode chegar a dois mil e quinhentos euros.Lilli Grandt

 As três estudantes possuem opiniões diferentes sobre a situação da pandemia, uma vez que as   experiências também são diferentes. Spiller acredita que a fase que está vivendo da pandemia  é   difícil, mas as relações com amigos e família merecem uma maior atenção e importância “É   momento de escolhas difíceis”. 

 Grandt acha o momento complicado pela solidão, mas entende que é algo necessário para   controlar o vírus e para Marshall a situação é de incertezas e aprendizado “As adaptações devem ser feitas por todos, devemos aprender a viver desta nova maneira juntos”.

Diferente destes países, o Brasil segue com números altos de infectados e mortos assim como incertezas enormes sobre as condutas que devem ser tomadas, o país está dividido entre a ciência e a política.

A maioria das escolas e universidades continuam fechadas. Diferente da Alemanha e de Newfoundland no Canadá, aqui não se sabe quando voltaremos a ter aulas presenciais e o ensino remoto está cheio de falhas. 

 

IBGE aponta o envelhecimento da população no Brasil e prevê que haverá uma sociedade com mais idosos daqui 40 anos
por
Giulia Palumbo
|
18/09/2020 - 12h

O famoso jargão “crianças são o futuro”, pode não ter tanto sentido daqui a algumas décadas. Uma pesquisa realizada pelo IBGE mostra como a população brasileira está envelhecendo rapidamente.

Com esse envelhecimento, muitas mudanças poderão ocorrer, principalmente na empregabilidade. Segundo a psicóloga Aparecida Azevedo, devemos ver a terceira idade como mais uma etapa de desenvolvimento e não como a última etapa de vida.

“É necessário que possamos descontruir o estigma de marginalização da população idosa e mostrar que, ‘ir para os aposentos’ como a aposentadoria sugere, pode não ser a opção mais viável para muitos e que oportunidades de emprego nesta fase podem ser uma conquista social e não uma ameaça às futuras gerações.”

José se formou em Ciências Físicas e Biológicas em 1969, no período do “milagre econômico”, onde a economia brasileira cresceu admiráveis 14%. “Quando eu me formei, tinha dois empregos e estava à procura de outro”

Cinquenta anos separam o Seu José do jovem João, que escolheu a profissão de contador. Ainda não se formou, mas já está em busca do emprego. “Hoje em dia, experiência é tudo e é isso que eles procuram. E, como é o primeiro emprego, essa experiência não existe. Dessa forma, não consigo emprego” ressalta o estudante João Venegas.

Para o jovem, está cada vez mais difícil ingressar no mercado de trabalho. Durante boa parte da nossa história, a maioria da população foi formada por jovens. O Brasil não tem experiência em ser um país de pessoas experientes. O desafio agora é enfrentar os novos problemas sem esquecer as antigas barreiras.

 

Matéria idosos
Idosos trabalhando (foto reprodução|Elements)

 

Essa barreira que se enfrenta ao tentar ingressar no mercado de trabalho, afeta não só os jovens, como também a economia. O jovem que demora, para entrar nesse mundo, quando entra, está com a produtividade baixa, o que acarreta em pequena produção e o não crescimento da economia.

 

Hoje, para cada 100 pessoas em idade para trabalhar, há 44 indivíduos menores de 15 anos ou maiores de 64 – patamar maior que o de outros emergentes, como China (37,7) e Rússia (43,5), mas ainda bem abaixo ao de países desenvolvidos e com elevado percentual de idosos como Japão (64) e França (59,2).

 

Segundo a professora de fisioterapia especializada em gerontologia Tereza Cristina Alvisi, o envelhecimento se dá pela queda na baixa taxa de fecundidade. “

 

Dessa forma, daqui a 40 anos, o cenário da população impacta no números de pessoas na idade reprodutiva, sendo necessário que esses indivíduos recebam incentivos para que tenham filhos – população que sustentará os idosos- ou na criação de projetos para mão de obra imigrante.

 

 

O incêndio no Pantanal já destruiu 85% do Parque Estadual Encontro das Águas, lar de uma das maiores quantidades de onças-pintadas no mundo e atividade de turismo milionária.
por
Rafaela Correa de Freitas
|
18/09/2020 - 12h

Em setembro deste ano, as queimadas no pantanal se intensificaram de tal forma que os focos de calor ultrapassaram 5.600 em número, superando o recorde do mesmo mês em 2007, de 5.498 (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). O turismo internacional no Brasil já havia sofrido grande impacto por conta da pandemia da covid-19 que fechou as fronteiras, e agora, as queimadas no Pantanal podem prejudicar a conservação de onças via turismo e a proteção garantida no Parque que esteve em contato com o fogo.

Grande parte das regiões brasileiras possuem uma vasta área que poderia tornar o Brasil referência, se não o foco, do ecoturismo mundial. Seja por conta dos Pampas Gaúchos no Sul do país, as praias de Salvador no Nordeste, a Floresta Amazônica no Norte, trechos da Mata Atlântica no Sudeste ou o Pantanal no Centro-Oeste; o fato de ser possível potencializar a economia brasileira e, ao mesmo tempo, acabar com o extrativismo madeireiro e queimadas, deveria tornar o potencial do turismo brasileiro pauta nos grandes jornais do país.

Luciano Palumbo, fundador do Turismoetc, que conta com grande acervo de informações sobre viagens, gastronomia e entretenimento; e embaixador do GreenPress, Rede de Turismo Consciente sem fins lucrativos, composto por uma equipe de 27 jornalistas e formadores de opinião, aponta que o grande motivo da falta de interesse da mídia em dar voz aos nossos biomas fora das tragédias que eles sofrem, é por conta, na verdade, do desinteresse da população: “grande parte dela, não liga para as questões ambientais, não liga para as queimadas na Amazônia”. Apesar de em pesquisas a população se colocar a favor da proteção do ecossistema brasileiro, pouco se fala dele quando nada visualmente alarmante está acontecendo.

Pesquisa feita pela WWF-Brasil aponta que dois em cada três brasileiros não sabem onde se localiza o Bioma do Pantanal, o que é um grande indicador do porquê só se ouve falar e só se fala dos nossos biomas quando eles estão em imediato perigo. Outra questão levantada durante entrevista com o jornalista, é se essa desinformação não parte da falta de interesse do brasileiro em fazer turismo dentro do país.

 

Luciano Palumbo, fundador do Turismoetc em um caiaque sorrindo para a câmera
Luciano Palumbo, fundador do turismoetc andando de Caiaque na Coastal Paddling Trail. (Foto: Instagram @TurismoEtc)

 “Ainda falta o brasileiro conhecer mais do Brasil, temos o sonho de viajar para a Disney, Buenos Aires, de conhecer a Itália, de pisar na Torre Eiffel, mas a gente não conhece o interior do nosso país. Não conhecemos a riqueza que temos no Pantanal, na Serra Gaúcha, na Amazônia, no Cerrado...”

Michelle Alves, de 26 anos, publicitária e dona do blog e maior canal de intercâmbio do Brasil no youtube, “Mi Alves”, compartilha do mesmo pensamento, “A grande maioria dos brasileiros desde cedo aprecia os EUA, o frio da Europa, as Praias do México, mas esquece como o Brasil é diverso e bonito,” e que acredita que um dos motivos disso é a comparação dos preços entre viagens nacionais e internacionais, o que gera a pergunta “Com esse dinheiro eu vou para tal lugar, não vou gastar isso tudo para ficar no Brasil...” e que a escassa divulgação do turismo brasileiro se concentra na chamada de estrangeiros e não com intuito de atrair pessoas do próprio país. Dados retirados do Plano Nacional de Turismo 2018-2022, revelam que menos de um terço da população viajam pelo Brasil e que, ainda assim, essa locomoção representava, em 2016, 3,5% do PIB do setor de viagens e turismo, o que torna simples ver a dimensão que o turismo doméstico poderia tomar caso impulsionado.

 

Michelle Alves na foto com um mapa-múndi em sua parede de fundo da imagem
Michelle Alves do blog, canal e instagram mialvess (Foto: Instagram @mialvess)



“Um ou outro estado que cria campanhas pontuais para atrair a atenção de outros brasileiros, falo isso porque moro em Blumenau e aqui só tem campanha pra conhecer a cidade na época da Oktoberfest, mas a cidade é muito mais que a festa, tem muitas coisas legais pra fazer.”


 

Valorizar o turismo nacional parte de duas frentes: a vontade do viajante “O primeiro caminho, é mudar o foco”, aponta Palumbo; e a valorização e consumo da chamada Mídia Ambiental, que diferente da cobertura de outros veículos - que termina assim que o problema é controlado, - mantém o assunto em foco, visando estudar e oferecer diagnósticos sobre as consequências, causas e repercussão, o que pode gerar uma parceria sobre como o turismo ajuda a preservar o meio ambiente; além da divulgação de nossos biomas, não como alvo de tragédias, mas como agentes potenciais da economia e ecossistema, como aponta Alves “A informação nas mídias sobre esses biomas e como protegê-los, deveria ser diária.”

 

Imagem de capa por Freepik | by Wirestock

Rimadores de vagão sofrem com a restrição de trabalho, motorista de aplicativo e cabeleireira independente se adaptam a realidade da pandemia através do uso de equipamentos sanitários para manterem a rotina profissional
por
Carlos Eduardo da Cruz Pires de Moraes
|
26/06/2020 - 12h

  

       A quarentena no estado de São Paulo começou no dia 22 de março, obrigando diversos trabalhadores a ficarem em suas casas trabalhando a partir do “Home office”. Só agora o processo de confinamento começa a ter uma flexibilização em alguns munícipios e cidades. Apesar de alguns trabalhadores executarem suas funções em seus domicílios, outros não tiveram essa oportunidade, principalmente os autônomos, entre eles os rimadores de vagões que não estão nesse tempo de pandemia indo para as linhas, deixando os trens e metros menos alegres e poéticos.

Entre esses poetas está Rafael Gomes Alves (18) morador de Itapevi, que antes da pandemia tinha como profissão espalhar sua arte, com suas rimas de improviso pelos trens e metros de São Paulo. “Não estou mais indo por conta da pandemia. Acho que é melhor do jeito que está, os riscos são altos, tanto para mim para quem vai estar assistindo”.

Segundo Alves ainda existiria o agravante da segurança, pelo fato de que é ilegal a pratica de comércio ambulante, de qualquer que seja o tipo nos vagões de São Paulo. “Acho que a CPTM aumentou a segurança, pra evitar contágio pelos produtos dos ambulantes.”Foto do acervo de Rafael Gomes Alves

Para Thiago de Araújo Pires (24), também morador de Itapevi, igualmente praticante de rimas improvisadas pelos vagões da cidade, não está praticando sua forma de sustento na quarentena e também acredita que as segurança nas linhas tenha aumentado. “Não estou indo mais para os vagões por causa da escolta de segurança dentro dos vagões e por causa da pandemia, estou evitando o mínimo de contato com outras pessoas”.

“Acho que por conta da pandemia as pessoas estão tendo gastos maiores, o que vai fazer elas quererem um ganho maior e se arriscarem mais, o que de alguma forma vai aumentar a repressão”, acrescenta Pires para justificar a questão do aumento da dificuldade que os autônomos tem para trabalharem nos trens e metros de São Paulo, ainda mais no momento atual. O artista de rua também revela, assim como Alves não estar trabalhando com nada no momento. “No momento estou desempregado”.

 Foto do acervo de Thiago de Araújo Pires

A situação não está a mesma para todos os trabalhadores informais, por exemplo para Eduardo Trevisan (41), motorista de aplicativo a rotina está a mesma, até mais puxada segundo ele. “Só para ter uma noção antes da quarentena em quatro horas de trabalho das sete às onze, fazia cerca de dez a doze corridas, hoje em quatro horas eu faço de seis a sete corridas”.

“Na região central diminuiu bastante (trânsito), mas dentro dos bairros e avenidas regionais o trânsito continua o mesmo como se não houvesse quarentena”, complementa ainda Trevisan em relação a quantidade de carros na cidade.

O motorista ainda afirma estar seguindo padrões de higiene, usando equipamentos de proteção individual e para seu veículo pessoal, que ele usa para trabalho. “Eu tenho álcool em gel no carro e uso também um frasco de água com água sanitária, passo nas portas e maçanetas do carro. Faço uso de máscara.” O profissional acredita que os clientes estão atentos com a atual situação de saúde e bastante preocupados em relação a higiene. “Todos os passageiros que eu transportei são bem conscientes com os equipamentos de proteção. Perguntam se eu tenho álcool em gel e estão bastante preocupados com o que vai acontecer com essa pandemia”.

 Foto do acervo de Eduardo Trevisan

      Priscila Barbosa Rodrigues (35), cabeleireira informal, moradora do Jardim Veloso, no município de Osasco, também acredita que o número de atendimentos diminuiu nessa quarentena e revela ter um padrão novo para atendimento, devido a problemática sanitária que assola o Brasil e o mundo. “Nossa diminuiu muito. Atendo somente três clientes no dia, com horários mais distantes um do outro, e no intervalo dos horários, higienizar as cadeiras, bancadas com álcool e cloro no chão.”

Rodrigues entende o perigo de trabalhar no atual momento e da facilidade de contágio em seu ambiente de trabalho, além de acreditar que a dinâmica no salão tenha se diferenciado, devido a tensão. “Tem pessoas que não tem nenhum sintoma e não sabe que está com o vírus e é onde pode acabar passando o vírus. As pessoas também tem conversado muito pouco.”

 

 Foto do acervo de Priscila Barbosa Rodrigues