Evento destacou a revolução tecnológica nas empresas e a inclusão de adolescentes no mundo da tecnologia
por
João Pedro Lopes
|
03/06/2024 - 12h

Aconteceu em São Paulo em abril uma das maiores convenções de tecnologia, inovação e comércio digital da América Latina, VTEX DAY. O evento reúne líderes empresariais, especialistas em tecnologia, empreendedores e entusiastas para discutir tendências emergentes, compartilhar conhecimento e explorar soluções inovadoras que estão moldando o futuro do e-commerce e da digitalização empresarial. Com uma programação rica em palestras, workshops e exposições, o congresso oferece uma plataforma única para networking, aprendizado e inspiração, destacando-se como um ponto de encontro essencial para aqueles que buscam estar na vanguarda da transformação digital.

Entre os dias 11 e 12 de abril no São Paulo Expo, com um público diversificado e engajado, as palestras contaram com a participação de renomadas mulheres, como Laysa Peixoto, astronauta brasileira da NASA e Malala Yousafzai, ativista paquistanesa, que compartilharam suas experiências e visões sobre o futuro da tecnologia.

vtex
Laysa Peixoto, uma jovem brasileira reconhecida por seu trabalho em inteligência artificial e robótica, compartilhou sua trajetória e projetos inovadores que estão ajudando a transformar o cenário tecnológico no Brasil. Sua história de superação e sucesso inspirou muitos jovens presentes no evento, mostrando que é possível alcançar grandes feitos com dedicação e paixão pela tecnologia.
Foto: João Lopes.

 

vtex
Malala Yousafzai, ativista paquistanesa e ganhadora do Prêmio Nobel da Paz, trouxe uma mensagem poderosa sobre a importância da educação e da inclusão tecnológica para todas as crianças e adolescentes, especialmente meninas. Em sua palestra, Malala destacou como a tecnologia pode ser uma ferramenta poderosa para a transformação social e para a promoção da igualdade de gênero.
Foto: João Lopes.

Um dos principais tópicos discutidos foi o impacto da inteligência artificial (IA) nas operações empresariais. A IA está revolucionando a maneira como as empresas operam, oferecendo soluções inovadoras para otimização de processos, personalização de experiências do cliente e tomada de decisões baseadas em dados. Empresas de diversos setores estão adotando tecnologias de IA para se manterem competitivas em um mercado cada vez mais dinâmico.

Durante o evento, especialistas apresentaram casos de sucesso e discutiram as melhores práticas para a implementação de IA. Empresas como Magazine Luiza, Natura e Banco do Brasil destacaram como estão utilizando inteligência artificial para melhorar a eficiência operacional, prever demandas e oferecer um atendimento mais personalizado aos clientes. A tecnologia está permitindo uma transformação digital que antes parecia impossível, tornando-se uma ferramenta essencial para o crescimento e inovação nos negócios.

vtex
O VTEX DAY 2024 reforçou a importância de preparar as empresas para a transformação digital e de garantir que as novas gerações tenham acesso às ferramentas tecnológicas necessárias para prosperar em um mundo em constante evolução.
Foto: João Lopes.

 

vtex
O congresso atraiu grande público em São Paulo. Palestras inspiradoras e workshops dinâmicos marcaram o encontro, destacando a importância da inteligência artificial e da inclusão tecnológica para jovens e empresas.
Foto: João Lopes.

Outro tema de grande relevância foi a inclusão de crianças e adolescentes no mundo da tecnologia. Programas de educação tecnológica voltados para jovens estão ganhando cada vez mais importância, preparando as novas gerações para um futuro onde a tecnologia estará presente em todas as esferas da vida. Iniciativas como, por exemplo, cursos de programação, oficinas de robótica e clubes de ciência foram destaque no evento. Essas atividades não só desenvolvem habilidades técnicas, mas também estimulam o pensamento crítico, a criatividade e a resolução de problemas. Empresas e organizações educacionais apresentaram projetos que buscam democratizar o acesso à tecnologia, especialmente para jovens de comunidades carentes. "A tecnologia, quando utilizada de maneira consciente e educativa, pode ser uma ferramenta poderosa para estimular o aprendizado, a criatividade e o pensamento crítico. É essencial que integremos essas ferramentas no cotidiano dos jovens de forma equilibrada. Aqui destacamos como a educação tecnológica pode preparar nossos jovens para os desafios do futuro, oferecendo-lhes oportunidades iguais e incentivando a inovação desde cedo", diz Ilda Aparecida, psicóloga convidada pelo evento.

vtex
Corredores lotados durante todo o dia. Foto: João Lopes. 

 

vtex
Grafite da Malala feito no evento minutos antes de sua palestra começar. Foto: João Lopes.  

 

A Capela dos Aflitos é um símbolo de resistência ao apagamento histórico do bairro
por
Ana Julia Bertolaccini
Maria Elisa Tauil
Raissa Santos Cerqueira
|
03/06/2024 - 12h

O bairro da Liberdade, localizado no centro da cidade de São Paulo, é conhecido pela população paulistana por sua história diretamente ligada a imigração japonesa ocorrida principalmente entre os anos de 1917 e 1940. A Liberdade hoje é tomada pela cultura oriental, desde sua arquitetura com diversas referências às construções japonesas como as luminárias presentes na Praça da Liberdade que se estendem pela a Rua Galvão Bueno, o comércio local voltado principalmente para produtos de origem asiática e os festivais realizados no bairro que celebram a cultura dos imigrantes que ocupam o lugar. Mas as ruas hoje repletas de referências a população nipônica ocupante do bairro ocultam uma história que não possui nenhuma relação com a população amarela. 

Foto 1
Luminaria japonesa e detalhes da Capela dos Aflitos. Foto: Maria Elisa Tauil/AGEMT 

Muito antes da ocupação japonesa, o bairro da Liberdade foi palco de muitas das atrocidades cometidas durante o período escravocrata. A praça da Liberdade situada no centro do bairro está onde um dia foi a forca na qual os negros escravizados eram mortos por seus senhores durante o período. Há 350 metros da praça da Liberdade, na praça Dr. João Mendes, já no bairro da Sé, é onde estava situado o pelourinho da cidade, lugar utilizado para aplicar castigos físicos aos escravos. A Igreja da Santa Cruz, ou Igreja das Almas que está também no ponto central do bairro recebe seu nome em homenagem aos homens que foram mortos onde hoje ela se situa e tem por nome inteiro: Igreja Santa Cruz das Almas dos Enforcados. Mais à frente, seguindo pela Rua dos Estudantes, a direita, na Rua dos Aflitos - popularmente conhecida pelos frequentadores do bairro como Rua do Mijo - está localizada a Capela dos Aflitos. 

Foto 2
Capela dos Aflitos. Foto: Raisa Santos Cerqueira/AGEMT

Construída em 1779, em cima do Cemitério dos Aflitos, que ali funcionou de 1775 a 1858, ela é um ponto de devoção e adoração ao santo popular Francisco José das Chagas, Chaguinhas, que foi morto no ano de 1821 em uma execução pública feita na Praça da Liberdade. “Tentaram enforcar ele três vezes e três vezes a corda arrebentou” conta Sandra, que trabalha como monitora na Capela: “Esse martírio durou o dia todinho, e só no final do dia ele foi morto a pauladas. Durante as tentativas de enforcamento, havia um coro de pessoas gritando “liberdade, liberdade" e a partir daí surgiu o nome do bairro” explicou ela. 

Foto 3
Sandra, monitora da Capela. Foto: Ana Julia Bertolaccini/AGEMT

Apesar da denominação de capela e possuir uma arquitetura que muito se assemelha às construções católicas, a Capela dos Aflitos não é um território dedicado ao catolicismo. O espaço possui diversos simbolismos que são ligados às religiões de matriz africana, Haroldo de Xangô, como gosta de ser chamado, é um dos responsáveis pela administração do  lugar. Conta que apesar das ligações com a igreja católica o território da capela ainda pertence aos negros e indígenas e acrescenta que “A cruz vazada é a cruz utilizada dentro dos cemitérios pagãos, aqueles que não acreditavam em Cristo, ou que acreditavam em outras divindades e não em uma só e a cruz pagã está centralizada bem no meio da porta, ou seja esse território é pagão.”

Foto 4
Detalhes da Capela dos Aflitos. Foto: Maria Elisa Tauil/AGEMT

Mesmo com sua grande importância histórica a Capela dos Aflitos foi negligenciada pelo poder público durante anos e embora seu prédio seja tombado como patrimônio histórico de São Paulo sua estrutura ficou sem manutenção por muito tempo. O projeto de restauração da capela foi aprovado em 2011, mas só foi iniciado no final de 2023. Esse novo projeto prevê muitas mudanças tanto no interior quanto no exterior do prédio e também visa construir o Memorial dos Aflitos, que tem como objetivo se tornar um centro cultural e um espaço em que os remanescentes humanos sejam guardados de maneira correta. 

Os fiéis se movimentam pelo restauro da capela desde 2018 quando um sobrado ao lado foi demolido fazendo surgir novas rachaduras no prédio. Diante do ocorrido os frequentadores da capela se uniram e fundaram a Unamca (União dos Amigos da Capela dos Aflitos) a fim de pressionar o poder público para que enfim dessem andamento no projeto de restauração. A proprietária do terreno ao lado pretendia construir ali um centro comercial, mas irregularidades no obra foram denunciadas pela Unamca e por possuir valor arqueológico o Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo) e o Conpresp (Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo) exigiram que o local fosse fechado para estudo; que revelou nove ossadas que estavam enterradas ali. 

A Unamca também se esforça para manter a memória do local viva e realiza diversos eventos na região tais como: a Festa do Chaguinhas, a Festa de São Benedito e a Festa de Santo Antônio do Categeró. Eles também disponibilizam palestras e oficinas que incentivam a educação e o reconhecimento sobre a resistência negra e indígena do bairro. 

Antes de ser fechada para reforma o horário de funcionamento da capela era das 09:00 às 16:00 e recebia fiéis, pesquisadores e visitantes de diferentes lugares. “A capela é importante pra gente porque ela guarda e preserva a nossa história, aquela que não está nos livros” afirma Sandra “Toda vez que a gente vem aqui e conta essa história, a gente tá revivendo aquele tempo e tá dizendo: A história presente é importante, mas história passada também é importante porque a gente tem que saber de onde a gente veio.” 

Foto 6
Foto : Raissa Santos Cerqueira/AGEMT
Foto 7
Foto: Maria Elisa Tauil/AGEMT

 

O podcast é uma conversa com a diretora de cinema Tatiana Lohmann, sobre a aprovação da cota de tela para o cinema
por
Annanda Deusdará
Maria Luisa Lisboa
|
03/06/2024 - 12h

O podcast é uma conversa com a diretora de cinema Tatiana Lohmann, sobre a aprovação da cota de tela para o cinema e qual o impacto dessa medida para o setor audiovisual brasileiro. Além da nova lei, o papo também aborda a importância que o governo atual e o anterior deram para cinema. Ouça aqui:

Créditos: Entrevistada - Tatiana Lohmann -

Repórter- Maria Luisa Lisboa

Roteiro - Annanda Deusdará e Maria Luisa Lisboa 

Edição - Annanda Deusdará 

Imagem - Divulgação Ancine 

Descubra as maravilhas que existem no território caribenho
por
Júlia Takahashi
|
29/05/2024 - 12h

“Sou América Latina, um povo sem pernas, mas que caminha”. Esse trecho faz parte da música “Latinoamérica”, do grupo Calle 13, em parceria com diferentes cantoras latinas como Maria Rita, brasileira, Susana Baca, peruana, e Totó la Momposina, colombiana. A música traz a beleza e diversidade da América Latina em contraponto com a dominação e exploração de grandes potências. Calle 13 é um grupo porto-riquenho que exalta a cultura latina, mas principalmente seu país de origem, e é para lá que AGEMT vai: Porto Rico.

Localizado na América Central, no Nordeste do Caribe, Porto Rico é um ilha com várias ilhas menores, repleto de montanhas, floresta tropical, praias e uma das maiores redes de cavernas da América. O território pertence aos Estados Unidos desde 1898, porém, os moradores da ilha não têm direito de votar nas eleições presidenciais do país e não tem representação eleitoral no Congresso, mas respondem às leis norte-americanas.

 

ruelas do centro antigo
Ruelas do centro antigo / por Dennisvdw

A capital, San Juan, foi fundada em 1521, é a segunda cidade mais antiga das Américas e considerada Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO. A arquitetura da cidade é  chamativa, coberta por casas coloniais coloridas do século XVII e XVIII.

O centro e as praças são pontos que chamam a atenção dos visitantes por suas ruelas antigas, tradicionais e arborizadas e a sua. Mas, não podemos deixar a natureza porto-riquenha de lado: o Parque Las Cavernas del Río Camuy é o maior sistema de cavernas do mundo, com cerca de 220 na região, além da Playa Flamenco, que está entre as 10 mais bonitas do mundo pelo Traveler’s Choice 2015 TripAdvisor.

Porto Rico é muito procurada pelas suas águas bioluminescentes, causado pela presença de microrganismos que criam um efeito natural quando são manifestados, hipnotizando todos seus visitantes. A Baía dos Mosquitos, localizada na Ilha de Vieques, é a mais famosa e é considerada a mais brilhante do mundo.

Mosquitos Bay
Mosquitos Bay - foto por Daniela Paolucci 

 

Em San Juan, é possível encontrar os principais museus do território. O Museu de Arte de Puerto Rico é um dos maiores museus de arte do Caribe e abriga 24 galerias em alas históricas e modernas, além da arquitetura e o jardim serem uma verdadeira obra-prima. O Museo de las Américas também não fica de fora. Com exposições sobre a colonização, povos indígenas e africanos, o museu está localizado em uma antigo alojamento de soldados espanhóis, construído no século XIX.

Ainda, para os amantes do modernismo, o Museo de Arte y Diseño de Miramar chama a atenção pelo seu impressionante prédio, construído em 1913. Suas exposições percorrem a relação forma e função da arte por objetos modernos de eletrodomésticos. A ilha também é berço de Jennifer Lopez e do antigo grupo dos anos 80, Menudo, do qual Ricky Martin fazia parte.

Outro ponto turístico histórico são as fortificações da Velha San Juan, instituído como Patrimônio Mundial da UNESCO, em 1983. Essas estruturas são importantes  para a cidade de San Juan, pelo papel de defesa da região contra o Império Espanhol no Caribe, durante o período colonial.

Forte de Velha San Juan
Forte de Velha San Juan - foto por caribbbeanislands

Com certeza, Porto Rico é um território importante da América Latina, mesmo pertencendo aos Estados Unidos. O grupo Calle 13 engrandece não só a região de origem, mas nos faz ter orgulho do nosso sangue latino. AGEMT segue pelo mundo, e já temos encontro marcado no próximo destino. Até lá!

Artistas periféricos exibem suas obras na construção clássica da Avenida Rio Branco, com destaque para o trabalho da artista visual Lidia Lisbôa.
por
Livia Vilela
|
29/05/2024 - 12h

Na busca por dar voz e visibilidade às comunidades periféricas, assentamentos, ocupações, quilombolas e populações ribeirinhas, o Museu das Favelas surge para redefinir o papel tradicional dos museus na sociedade. Em um esforço de construção coletiva, este espaço propõe uma série de iniciativas voltadas para a aproximação, diálogo e reflexão com diversos artistas. Localizado no Palácio dos Campos Elíseos,  que serviu como sede do governo estadual entre 1935 e 1965. O Museu das Favelas está agora em um espaço historicamente simbólico e associado à elite política e cafeeira. O objetivo desta ocupação é aproximar a cultura do povo e criar novos espaços de inclusão, abrindo portas para um novo momento da arte brasileira.

Internamente, a obra de Lidia Lisboa toma conta do ambiente. O processo de criação das esculturas envolveu mulheres locais, unindo o trabalho têxtil ao artístico em uma fusão de habilidades e histórias. A arte de Lidia abrange escultura, gravura, pintura, costura e crochê. Seus trabalhos de grandes dimensões provocam reflexões sobre a sensibilidade humana e a resistência física. Para conferir a exposição, acesso o link.

Estação que dá acesso a bairro de cultura asiática teve seu nome alterado durante governo de Bruno Covas
por
Vinícus Evangelista
|
30/04/2024 - 12h

Famoso por suas icônicas luminárias japonesas e por abrigar a maior comunidade asiática do Brasil, o bairro da Liberdade, em São Paulo, atrai cerca de 20 mil visitantes todos os fins de semana, conforme dados da APECC (Associação Paulista dos Empreendedores do Circuito das Compras). Muitos, cativados pela culinária, produtos e atmosfera oriental que permeia as ruas, desconhecem a origem negra do bairro e pouco têm acesso a essa história quando caminham sob a região próxima ao centro da cidade. A conexão com a cultura asiática foi ainda mais fortalecida com a mudança do nome da estação de metrô que serve a região para “Japão-Liberdade”, uma iniciativa sancionada pelo então prefeito Bruno Covas (PSDB) em 2018.

“Você trocar o nome de ‘Liberdade’ para ‘Japão-Liberdade’ faz duas coisas, primeiro, mata uma parte da história importantíssima do país, e segundo, gera um conflito e um desconforto desnecessário entre dois povos que ajudaram tanto no crescimento do Brasil”, explica o empreendedor social Thiago Braziel, em entrevista a CartaCapital. “Dentro do bairro Liberdade não são só Japoneses que vivem, são pessoas da China, Coréia, Taiwan, que estão ali ajudando a construir o Brasil”, completa. A estética do bairro tal qual conhecemos hoje começou a se moldar em 1970, quando foram instaladas as primeiras famosas lanternas orientais, porém, séculos antes disso, o bairro era visto como periferia. Conhecido como “bairro da pólvora”, nome que fazia alusão a Casa da Pólvora, fundada em 1754. Na época, a população do bairro era majoritariamente indígena e de origem africana, com dois locais que chamavam atenção: o Pelourinho, atual 7 de Setembro, e o Largo da Forca, atual Praça da Sé, onde escravizados que tentassem fugir ou cometessem, à época, outros crimes dignos de pena de morte, eram açoitados no primeiro local e castigados ao segundo, até serem enforcados publicamente.
 

Foto 1
Placa instalada no Largo 7 de Setembro, antigo Pelourinho, em 2019. Foto: Vinícius Evangelista
​​​

 

A teoria mais aceita para a origem do nome ‘Liberdade’ se deu em 1871 durante o Brasil colônia, na execução dos militares negros sentenciados por liderarem uma revolta que reivindicava acertos nos atrasos remuneratórios e exigia igualdade salarial entre soldados brasileiros e portugueses. Os líderes Joaquim Cotindiba e Francisco José das Chagas, conhecido como Chaguinhas, foram enviados de Santos, onde atuavam, até São Paulo, para serem enforcados publicamente no Largo da Forca. A prática de enforcamento público, comum à época, servia para dar exemplo e amedrontar possíveis revoltosos. A primeira execução a ser realizada foi a de Joaquim, que foi morto, porém na vez de Chaguinhas, a corda que o enforcaria arrebentou em duas tentativas. Os espectadores então começaram a gritar “Liberdade!”, clamando pela absolvição do condenado, porém, ele foi levado a uma terceira tentativa de enforcamento. Dessa vez com uma corda de couro, Chaguinhas foi enforcado, porém não morreu imediatamente, ele ainda apresentava sinais vitais mesmo pendurado pelo pescoço, até ser morto a pauladas.

“Atrás da porta que era a da cela de Chaguinhas as pessoas colocam pedidos, batem três vezes e acendem a vela no velário, um ritual feito há 201 anos. Francisco José das Chagas então é um herói de uma revolta nativista, ele é um mártir e um santo popular.”, afirma Wesley de Souza Vieira, pesquisador da USP, em entrevista ao Brasil de Fato.

A partir de doações de cabelo, o projeto confecciona perucas gratuitas para pacientes em tratamento quimioterápico
por
João Pedro Lopes
Natália Perez
|
30/04/2024 - 12h

“Quando estava carequinha e ganhei uma peruca, vi o quanto essa peruca me ajudou a enfrentar o tratamento, os olhares de pena e também o espelho”, diz Débora Pieretti, fundadora do projeto à AGEMT. Sua ideia foi criar eventos para corte de cabelo solidário, nos quais as mechas doadas são usadas para a confecção de perucas que são doadas para mulheres - que assim como ela - perderam seus cabelos para tratamentos contra o câncer ou queda de cabelo (alopecia).

Em 2017, no dia 8 de março nascia a ONG Instituto Amor em Mechas. Um mês depois, no Dia Mundial da Saúde, foram entregues as primeiras perucas. Distribuídas em salões de belezas, urnas do projeto reúnem doações de mechas de cabelo cortadas que provavelmente seriam descartadas. Desde então, a meta mensal da entidade é arrecadar 1 quilo de mechas por urna, nas mais de 400 espalhadas pelo país. 

“Na verdade, a gente doa mais que uma peruca, nós doamos o kit do amor que além da peruca tem lenço, álcool em gel, colar de pérola, brinco, maquiagem, máscara, livro de autoajuda, tudo isso dentro de uma bolsa, tudo de forma gratuita” conta Débora. Com uma média mensal de 110 kits, o projeto já doou mais de 6100 kits do amor.  

 

MECHA
Desde sua fundação em 2017, o Instituto Amor em Mechas já entregou milhares de perucas e kits do amor gratuitamente, promovendo a autoestima e a confiança de mulheres em tratamento contra o câncer em todo o Brasil.
Foto: João Pedro Lopes

Motivação 

Durante seu tratamento quimioterápico, em 2016, Débora participou de um evento para pacientes oncológicas, no qual enquanto o cabeleireiro cortava a  franja da peruca que acabara de ganhar, pensou: "Quando eu estiver melhor quero que outras mulheres tenham a oportunidade de sentir o que eu estava sentindo e de terem acesso a uma peruca gratuitamente”, afirma.

Um ano depois, ela começou o projeto na sala de casa. Não muito depois, viu a necessidade de expandir, ter uma sala comercial e um estatuto formal com a parte jurídica. Apresentou sua ideia para empresas e assim fechou ações do Amor em Mechas principalmente durante o Outubro Rosa, mês de conscientização e alerta sobre o câncer de mama. 

“Estar triste e deprimida interfere no sistema imunológico, por isso procuramos levar alegria em nossas ações, elevando a autoestima da mulher em tratamento, para se sentir bela e feminina” explica ela. Além de seus marcos próprios, o projeto conta também com parcerias com empresas como Magazine Luiza e Max Love para a promoção de mais eventos. “A gente acredita que se cada um faz um pouquinho podemos chegar lá, por isso a hashtag do projeto é #juntos_podemos_mais.” 

 

MECHA
A iniciativa do Instituto Amor em Mechas vai além da doação de perucas, abrangendo parcerias com empresas e eventos como o Outubro Rosa, visando levar alegria e apoio às mulheres em sua jornada contra o câncer.
​​​​Foto: João Pedro Lopes

Trote Solidário 

Há 3 anos a PUC-SP recebe o Instituto durante a semana de Recepção Solidária dos novos alunos. Promovido pela Pastoral Universitária e pela Pró-reitora de Cultura e Relações Comunitárias, o evento aconteceu no dia 5 de março no hall em frente à biblioteca da universidade. “Para nós é super importante essa arrecadação tanto da mecha como também do nosso bazar. As pessoas que aqui participam do bazar estão também participando do trote solidário.” 

Além de participações em eventos, aquele que deseja colaborar pode ir até um dos pontos de coleta ou enviar pelo correio para o Instituto, sediado na Barra Funda. Durante o ano todo são bem-vindas doações financeiras, lenços ou bijuterias e principalmente mechas de cabelo de no mínimo de 15cm.  

“Eu sabia que ia ter, mas não tinha certeza se viria. Aí quando vi o pessoal aqui, me animei. Foi um pensamento de só ir, sabe? Cabelo cresce!” contou Letícia Patrocínio, uma das estudantes que mais doou cabelo no evento da Amor em Mechas na PUC. 

Para mais informações de como doar, acesse. Abaixo mais fotos do evento na PUC-SP.

MECHA
Letícia Patrocínio, uma das participantes do evento da Amor em Mechas na PUC-SP, compartilha sua experiência de doação, destacando a importância de contribuir para a causa e espalhar a mensagem de que 'cabelo cresce'.
Foto: João Pedro Lopes

 

MECHA
Em parceria com universidades como a PUC-SP, o Instituto Amor em Mechas promove eventos solidários, como o Trote Solidário, incentivando a doação de mechas de cabelo e contribuindo para a causa.
Foto: João Pedro Lopes

 

MECHA
Débora Pieretti, inspirada por sua própria jornada contra o câncer, fundou o Instituto Amor em Mechas, que oferece não apenas perucas, mas também um 'kit do amor' completo, incluindo itens essenciais e mensagens de esperança.
Foto: João Pedro Lopes

 

MECHA
Com mais de 400 urnas de doação distribuídas pelo país, o Instituto Amor em Mechas tem como meta mensal arrecadar 1 quilo de mechas por urna, demonstrando o poder da solidariedade em transformar vidas durante o tratamento contra o câncer.
Foto: João Pedro Lopes

 

MECHA
O Instituto Amor em Mechas, com sua missão de promover a beleza feminina e elevar a autoestima, oferece não apenas perucas, mas todo um kit do amor, repleto de cuidados e acessórios, para que cada mulher em tratamento contra o câncer possa sentir-se bela e confiante em sua jornada.
Foto: João Pedro Lopes

 

MECHA
Os eventos de corte de cabelo solidário do Instituto Amor em Mechas são momentos de solidariedade e esperança, onde cada mecha doada se transforma em uma oportunidade de fazer a diferença na vida de mulheres em tratamento.
Foto: João Pedro Lopes

 

A nova exposição do MASP explora designs contemporâneos, moda conceitual e a arte por trás das peças.
por
Livia Machado Vilela
|
29/04/2024 - 12h

A coleção MASP RENNER reúne, pela primeira vez, as peças criadas por artistas e estilistas contemporâneos brasileiros especialmente para o acervo do MASP. O projeto durou três temporadas, entre 2017 e 2022, e envolveu 26 duplas de artistas e designers de moda, resultando em 78 trabalhos que compõem a exposição. 

foto 1
Sônia Gomes + Gustavo Silvestre, Vestido 3 (2020)

“A coleção foi pensada para exclusivamente para o museu, não sendo comercializada", afirma Leandro Muniz, curador-assistente da exposição. Ele explica, ainda, que existem diversos pontos de encontro entre moda e arte, como a técnica e o conceito por trás das obras. A exposição tem o objetivo de destacar estes pontos de encontro, aproximando a moda e arte aos olhos do público. 

A relação do MASP com a moda, no entanto, nasceu de um projeto anterior, que serviu de inspiração para a parceria do museu com seu patrocinador: a Renner. A coleção MASP Rhodia produziu 79 looks na década de 1960, que foram doados ao museu em 1972. O objetivo da coleção era continuar divulgando as ideias da indústria química Rhodia, que realizava desfiles no país para promover seus tecidos sintéticos e encomendava as peças aos seus criados, refletindo as tendências da arte e da moda.

Já na vez da coleção MASP RENNER, foram artistas e estilistas que atuam no cenário atual para colaborarem com a produção. Tendo em mente uma variedade de temas que abrangem questões de gênero, sexualidade, religiosidade, sustentabilidade e a pandemia da Covid-19.

imagem 2
Randolph Lamonier + Vicenta Parotta, Casa Transcomunal (2022)

Quatro modos de operar são destacados no trabalho dos designers: aqueles que traduzem a sua marca pessoal nas peças, os que brincam com modelagens e a estrutura das roupas, outros que usam a moda como um meio de expressão política e social, e os que desafiam o conceito e os limites da moda. Todas estas ideias apresentam o mesmo ponto de encontro e o mesmo incentivador: o MASP. 

Segundo Leandro Muniz, “Alguns estilistas optaram por representar resistência e focaram no quesito social. Enquanto outros representaram o corpo, a técnica e a escultura das peças”. Para o curador-assistente, três palavras resumem a exposição: Memória, narrativa e corpo.

imagem 3
Leda Catunda + Marcelo Sommer, Roupa de noivo (2017)

Para acompanhar a cobertura da exposição, acesse o link do vídeo

 

 

Montadora alemã denunciava trabalhadores “subversivos” para a polícia
por
Matheus Almeida
Anderson Santos
|
29/04/2024 - 12h

Em 2024 completamos 60 anos do início da Ditadura Militar Brasileira. Durante os 21 anos que permaneceu no poder, o governo praticou abusos de poder e crimes contra sua própria população. Porém a violência não foi apenas estatal, visto que existiram empresas que colaboraram com o regime ditatorial. Uma delas é a atual segunda maior montadora de carros no mundo, a Volkswagen. 

Durante os anos de repressão a empresa trabalhou em conjunto com os órgãos de segurança pública, mantendo um controle ideológico dos seus funcionários e denunciando aqueles que apresentam qualquer atividade considerada “subversiva”. Um exemplo foi a demissão do eletricista José Miguel, despedido por distribuir um jornal entre os trabalhadores, além disso suas informações pessoais foram entregues à polícia. Não só informações eram entregues como os empregados também, sendo permitido prisões ilegais dentro das fábricas. Henrich Plagge foi um deles. Preso dentro do local onde trabalhava, Plagge foi levado ao DOPS e ficou encarcerado por cerca de três meses, submetido a torturas. O verdadeiro paradeiro dele foi ocultado, no dia da prisão, um gerente da fábrica foi a casa de Henrich e contou para sua esposa, Neide, que ele havia viajado a trabalho. 

Os operários que tinham contato com sindicatos eram classificados como “indesejáveis” e colocados nas chamadas “Listas Negras”, documentos com nome e endereço dos observados. As pessoas presentes nessa lista eram proibidas de serem empregadas em outras empresas e principalmente cargos de gerência e chefia. Outras companhias também contribuíram com essa lista, porém foi a Volkswagen quem mais registrou funcionários, 73. 

Em 2015, dez centrais sindicais e outras entidades civis entraram com uma representação no Ministério Público contra a Volkswagen, com base em levantamentos feitos pela Comissão Nacional da Verdade, onde foi apontada coparticipação da empresa alemã em repressões realizadas durante o regime militar. O MP iniciou negociações para a assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta com a montadora em 2018, procurando um acordo para recompor danos causados às vítimas da repressão. Em 2020, mesmo com contradições, ambas as partes chegaram a um acordo com a empresa tendo que pagar R$36 milhões para ex-trabalhadores de suas fábricas que foram perseguidos durante o período. Isso livrou a Volkswagen de possíveis processos judiciais. 

O Ministério Público Federal (MPF) em 31 de março de 2021, divulgou o relatório final sobre a investigação da participação da Volkswagen na ditadura militar no Brasil (1964-1985), apontando que a montadora alemã se aliou de maneira autônoma ao regime e participou de diversos atos de repressão política. O relatório do MPF aponta que, apesar de não existirem provas que ligam a empresa alemã ao começo do Golpe, ela esteve presente no apoio a sua manutenção e obteve benefícios financeiros e de privação de direitos. Friedrich Schultz-Wenk, presidente da Volks em 1964, era ex-filiado ao partido nazista e demonstrava apoio aos militares em ações contra membros e apoiadores de partidos de esquerda.

Lucio Bellentani
Lúcio Bellentani, ex-funcionário da empresa - Foto: Lucas Lacaz Ruiz/Folhapress

Segundo o relatório, a Volkswagen por meio do seu Departamento de Segurança Industrial, delatava os seus trabalhadores aos órgãos de repressão do regime e prisões foram efetuadas dentro das fábricas. Lúcio Bellentani, ex-funcionário da Volks, declarou à Comissão da Verdade de São Paulo: “na hora em que cheguei à sala de segurança da Volkswagen, já começou a tortura, já comecei a apanhar ali, comecei a levar tapa, soco” 

Bellentani também disse em entrevista ao Brasil de Fato que ainda sofre com as consequências psicológicas. "Eu passei a ser uma testemunha viva do ocorrido dentro da fábrica. Eu fui preso lá, comecei a ser torturado lá. Foram 48 dias de pancadaria e tortura, não tinha dia nem hora. O problema é a sequela psicológica. Quem paga o pato é a minha esposa. Principalmente nesse período que estou dando bastante depoimento, tem noite que eu sonho que estou brigando". 

A Volkswagen também esteve presente em mobilizações para enfrentar as greves dos metalúrgicos que ocorreram entre 1979 e 1980 demonstrando, segundo o relatório, que ela "agiu para criminalizar as lideranças sindicais, colaborando com a polícia política para reprimir o movimento". 

A mostra reúne obras de presos políticos, projeto realizado pelo coletivo “Mulheres Possíveis” e acervo de resistência LGBT durante a Ditadura Militar
por
Ana Julia Bertolaccini
Raissa Santos Cerqueira
|
28/04/2024 - 12h

“Toda obra de arte precisa ser exposta, principalmente sobre um período tão sombrio da nossa história, tão triste, tão horroroso e que a gente não pode deixar de falar sobre", afirma Alberto Iszlaji Júnior, professor de história graduado pela PUC-SP durante visita à exposição “Sol Fulgurante: Arquivos de Vida e Resistência”. A parceria da Pinacoteca com o Memorial da Resistência reúne obras feitas por presos políticos durante o golpe militar que partem da Coleção Alípio Freire, doada ao Memorial em 2023, e ficará em cartaz até 18 de agosto na Pina Estação, com entrada gratuita aos sábados.

foto 1
(Obra “Fantasmas da Esperança” de Marcela Cantuária - 2018/Foto: Ana Julia Bertolaccini)

“Sempre que eu trago os alunos aqui (no Memorial), o objetivo é que eles reflitam sobre a luta pela liberdade e pelo estado democrático de direito que temos hoje”, afirma, em entrevista à AGEMT, Ronaldo Silva, professor de história e filosofia que levou seus alunos para uma visita ao local.

foto 2
(Entrada da Exposição/Foto: Ana Julia Bertolaccini)

A exposição se divide em três partes, sendo a primeira delas um conjunto de pinturas, colagens e outros tipos de arte, produzidas em presídios da cidade de São Paulo nos anos 1970, como Carandiru, Tiradentes e o Presídio Militar Romão Gomes (Barro Branco). A segunda seção, parte de um projeto artístico realizado pelo coletivo “Mulheres Possíveis”, concluído em 2019, composto por desenhos e cartas descritivas desenvolvidas por mulheres em situação de cárcere na Penitenciária Feminina da Capital.

A última parte é destinada ao Acervo Bajubá, com arquivos que registram as memórias de resistência da comunidade LGBT+ durante o período militar. “A gente não pode esquecer que entre os anos 1960 e os anos 1970, a liberdade dos corpos era muito latente, lá fora principalmente, e essas influências entravam aqui (no Brasil) apesar da ditadura, então tinha muita resistência.”, afirma Alberto.

Muitas das obras são da autoria do jornalista Alípio Freire (In Memorian), preso político encarcerado e torturado no presídio Tiradentes, e tem destinatários identificados, pois eram enviadas como cartas para parentes, amigos e conhecidos. O jornalista, escritor e artista plástico detido pelo regime militar aos 23 anos, passou cinco anos prisioneiro devido ao seu envolvimento com a militância contra a ditadura. “O Brasil nessa época tinha uma Lei de Segurança Nacional que prendia elementos subversivos e aí a definição de elemento subversivo era qualquer coisa.” Explica Alberto à AGEMT.

“Uma pessoa que estivesse andando na rua e fizesse alguma crítica a um militar poderia ser presa como elemento subversivo, assim como algum membro da luta armada.” Adiciona o professor. Alípio e todos os presos políticos detidos pelos militares entre 64 e 85 eram considerados elementos subversivos ao regime. 
“Na minha opinião, acho que a arte é uma forma de você resistir a alguma coisa, geralmente. E o estar preso naquelas condições, daquela forma é muito difícil você resistir, então encontrar na arte algum lugar pra resistência é fundamental.” Afirma Alberto.

Todas as obras expostas pela Pinacoteca foram produzidas por presos políticos encarcerados em diversos presídios de São Paulo, algumas das obras também foram produzidas por presos ainda no DOPS (Departamento de Ordem Política e Social). As produções se divergem entre pinturas explícitas que fazem referências claras à ditadura e pinturas mais poéticas que passam uma mensagem mais simbólica e menos explícita. “Pode ser tanto um recado que você está dando para o seu torturador mesmo que seja de forma não tão explícita assim porque você também não quer que isso seja algum tipo tipo de censura, seja atrapalhado de alguma forma; ou pode ser pura e simplesmente expressão de uma pessoa que está presa durante a ditadura”, opina o professor. 

O projeto artístico desenvolvido pelo coletivo “Mulheres Possíveis” traz a discussão sobre o sistema carcerário atual brasileiro e sua relação com o passado opressor e violento dos anos de chumbo. Para Alberto: “Boa parte da situação carcerária que a gente tem hoje, falando de problemas, falando sobre crime organizado principalmente, vem da ditadura. É um resquício dela” e, acrescenta: "o que a gente vê hoje da situação carcerária, da pessoa ser presa tendo um delito pequeno e entrando no sistema carcerário, não conseguir mais deixá-lo, de alguma forma é também um resquício disso.” completa. 

“O Brasil não olha para sua população carcerária de forma adequada, o Brasil teme, e parece que é um temor de discutir o assunto, é como se estivesse ‘defendendo bandido’ quando na verdade não". A área da exposição reservada à memória das resistências LGBT+ durante o período conta com revistas e jornais produzidos com foco na comunidade, usando principalmente capas do jornal “O Lampião da Esquina”, que foi o primeiro jornal de circulação nacional feito “por” e “para” homossexuais. Ele circulou entre abril de 1978 e julho de 1981 surgindo dentro do contexto de imprensa alternativa da época. Os itens foram reunidos pelo acervo Bajubá, um projeto comunitário que se dedica ao registro de memórias das comunidades LGBT+ brasileiras. Eles também reúnem  uma coleção de itens que registram a diversidade sexual e a pluralidade de expressões e identidades de gênero no Brasil. O Bajubá colabora com exposições, capacitações e projetos de produção, mediação e circulação de narrativas sobre as histórias de pessoas LGBT+ no território nacional.

foto 4
(Jornais que pertencem ao Acervo Bajubá/Foto: Ana Julia Bertolaccini)