O Brasil pode ter de tudo! Inclusive presidência à distância...
por
Artur dos Santos
|
02/08/2022 - 12h

 

Sinceramente eu estou sem palavras. Queria começar essa crônica de maneira menos clichê, mas não fui capaz. Enfim, o que importa é que o Brasil poderá ter seu primeiro Presidente a Distância! Exatamente: o agora ultrapassado EAD dá lugar ao novissíssimo PAD - Presidência a Distância. Não entendeu? Pois explico agora: Roberto Jefferson acabou de lançar sua candidatura presidencial. Não achou estranho? Nada estranho? Nada mesmo? Nem o fato de o ex-deputado estar em Prisão Domiciliar? 

Sim: poderemos ter um presidente que não pode sair de casa. O novo conceito PAD está a todo vapor: já penso em comícios digitais, em boca de urna via ligação de facetime e até visitas virtuais às feiras de rua de todo o Brasil. 

O novo presidente da República pode não precisar - ou melhor, não poder - sair de casa e isso é espetacular: imagina quantos problemas poderiam ser evitados por uma acidental falta de luz na rua? Já me imagino telefonando à Enel e tendo o seguinte diálogo: “Alôu Enel, o presidente-caseiro está sendo corrupto novamente e, como ele já está preso, não pode ser preso de novo… já sabe, né?”, “Claro, jornalista-anônimo-e-completamente-respeitado, vamos cortar a energia do bairro, mas é a terceira vez essa semana”. Gente, quantas possibilidades! Se eleito, saberemos toda a hora aonde estará: em casa, oras. Já vejo as manchetes: “Presidente zera o netflix e pede à ANCINE que faça mais filmes”, ou até: “Presidente acorda 5 minutos antes do pronunciamento e tem remelas nos olhos em rede nacional”. Ai ai, ein?

 

O livre e mesclado mercado ataca novamente! Agora eleitores se preocupam em comprar toalhas.
por
Artur dos Santos
|
26/07/2022 - 12h

O livre mercadinho não tem limites e continua a me impressionar a cada quatro anos… Antes eram simples bonés, camisetas, bolsinhas, copos, canecas, carteiras, óculos, shorts, cuecas, meias, lencinhos, marca páginas, capinhas de celular, carregadores, fones, cadernos, blusas de frio (embora as eleições marquem o início da primavera) e as mais impensáveis bugigangas como talheres, tocas, garrafas… já falei carteiras? Todas de todos os espectros políticos, claro - senão não seria o livre e mesclado mercado. 

Mas sabe o que eu não tinha visto? Toalhas… sim, toalhas. De todos os tamanhos e de todos os candidatos e algumas com preços mais altos do que as intenções de voto até agora divulgadas - como é o caso da Simone Tebet: nunca vi toalha custar um real com margem de erro -, as toalhas políticas tomaram conta dos varais improvisados de vendinhas na grande São Paulo. 

Sabe o que eu acho? Deve ser por causa da pandemia; agora nos importamos mais com a higiene, e nada mais convidativo para cuidar da higiene do que secar seu corpo com o rosto do seu presidenciável favorito. 

Próximos passos? Higiene bucal, isso sim! Vão ter escovas de dentes, pastas e enxaguantes bucais - a indústria farmacêutica faz um imenso boom na política novamente! -, embora o que alguns candidatos e eleitores mais precisem seja sabão pra lavar a boca.

 

Crônica em homenagem ao Dia Nacional da Liberdade de Imprensa.
por
Artur dos Santos
|
07/06/2022 - 12h

Liberdade Crônica

 

A imprensa não é livre e não fala do que quer. Ela  NÃO é censurada, NEM e se auto censura. A ditadura não acabou e aqui ainda estão todas as limitações impostas aos jornais TAMBÉM. Jornalistas NÃO somem por tratarem a verdade; NÃO são mais mortos em campos de batalha por representarem o quarto poder NEM perseguidos nas ruas. Sem a imprensa livre não há democracia, e, como nenhum TODOS aqui defendem-na, NUNCA correrá risco de censura. 

Foi no dia 7 de Junho de 1977 que mais de 3 mil jornalistas assinaram um manifesto que exigia o fim da censura e a instauração de uma imprensa livre no Brasil. 1 ano e meio antes, Vladmir Herzog era torturado e suicidado pelo governo federal

A censura acabou, entretanto, e não devemos mais nos preocupar com isso. Afinal, um país no qual um jornalista e um indigenista COINCIDENTEMENTE desaparecem após sofrerem ameaças - um dia antes da simbólica data da liberdade da imprensa -, é um país que não só lidou com como exauriu todas as questões advindas da censura. 

 

por
Artur dos Santos
|
14/05/2022 - 12h

Eu juro que entrei, que passei pelos arcos da entrada, e levantei os braços: “Estamos de volta!”. Lembrei de quando meu pai me trazia para ver os intermináveis filmes egípcios (com três horas de duração) em meio a "inteligentinhos" cinéfilos de boina. De qualquer forma, “Estamos de volta!”.

É uma afronta o desmonte cultural que estamos sofrendo nos últimos anos; como essas antigas paredes de tijolos (roídas pelo tempo), a cultura - assim como o samba, se me permitem - agoniza mas não morre. Confesso que engasguei durante os discursos de abertura, que engasguei quando vi as cenas do incêndio (de causas ainda não concluídas) consumindo a história do cinema nacional. A nossa história. 

Lá fora, a praga que corrói nossa cultura; aqui dentro, "A Praga" de José Mojica, filme inédito, feito em português e dublado em português devido a seu áudio estar corrompido e perdido com os anos de esquecimento. Ali, voltamos à primeira vez em que vimos o Zé do Caixão amedrontar nossos sonhos e fazer com que cortássemos nossas unhas o mais curto possível, voltamos ao primeiro estranhamento do cinema perturbador que temos aqui no Brasil… todo mundo estava em novidade.

Quando Zé do Caixão abre o filme nos perguntando se somos supersticiosos ou se desafiamos o desconhecido, eu sabia que era de verdade. 

Sexta feira 13. Ali, éramos as almas da cinemateca brasileira. 

por
Luan Leão
|
09/04/2022 - 12h

Nadismo.

É quase inequívoco que as artes em geral levam o ser humano à distração, ao relaxamento. Ficamos presos na série que maratonamos na madrugada, no livro que lemos no final da tarde, abusamos do repeat nos aplicativos de música, e é natural, e até esperado, que essas coisas venham trazer relaxamento para o corpo e a mente. 

Quando falamos de sono, uma das dicas que sempre surgem é: “coloca uma música para relaxar”, confesso que sou apaixonado por música e não dispenso ouvir algo sempre que posso, mas, mais do que ouvir algo, não tem nada mais relaxante, prazeroso e cômodo do que não fazer nada. 

Em uma entrevista no extinto Programa do Porchat, a jornalista e apresentadora Marília Gabriela foi perguntada sobre isso, o que ela gostava de fazer no tempo livre. A resposta foi imediata de bate e pronto, sem medo das reações: fazer nada!

Marília Gabriela
Marília Gabriela no Programa do Porchat. Foto: Reprodução Record TV

É preciso coragem para admitir que fazer nada é um exercício, afinal, em um mundo que aparentar ser, vale mais que o ser, alguém que tem prazer em não fazer nada é um perdido na vida, alguém vadio, com tempo de sobra e sem compromisso com nada e nem ninguém. Errado! O não fazer nada exige do sujeito uma concentração ímpar. 

Tem que estar ali, não só o corpo, a mente também, e é neste ponto que é preciso a atenção. A mente nunca está não fazendo nada, até porque sempre estamos pensando em alguma coisa, mas a mente de quando não fazemos nada ela pode até pensar coisas relevantes, mas a obrigação dela naquele momento é fazer nada, sem preocupações, sem dilemas, apenas, não fazer nada. 

Podemos associar o não fazer nada a dormir, e de todo não estaria errado, mas não fazer nada vai além do exercício, é um estado de espírito que você decide estar. 

Para fugir do caos, para descansar a mente, para recarregar as energias, a melhor escolha que fazemos, tendo apenas como compromisso o nosso relaxamento, é não fazer nada. E no final, não fazer nada, já é fazer alguma coisa. 

 

Plural, histórico, belo, as obras retrataram a vivacidade do Brasil em períodos que o dia era cinza, em que os anos eram chumbo. 
por
Luan Leão
|
29/03/2022 - 12h

Um dos principais capistas da MPB, Elifas Andreato nos deixou na manhã desta terça-feira (29), aos 76 anos. Com cores fortes e de traços únicos, as capas de Elifas expressavam a alma dos inúmeros discos, LP’s, CD’s e DVD 's. Existe despedida possível para artistas da grandeza de Andreato ? 

 

Defensor da democracia e com obra marcada pela defesa dos direitos humanos, Andreato expande aquilo que entendemos como artista. Plural, histórico, belo, as obras de Elifas retrataram a vivacidade do Brasil em períodos que o dia era cinza, em que os anos eram chumbo. 

 

O paranaense de Rolândia levava para as suas capas alma, uma alma multicolorida e musical. E Andreato fazia com uma sensibilidade que só alguém de alma grande conseguiria fazer, alguém que acreditava em um país daquela forma, um país multicolorido. Elifas criou a identidade visual das capas de discos do final do século XX, você talvez não saiba, mas já admirou a obra dele sem o conhecer. 

 

O “Ópera do Malandro”, de Chico Buarque, é um dos trabalhos mais conhecidos de Andreato. Hoje o Brasil acordou cantando uma faixa desse disco, “Pedaço de Mim”. 

 

“Ó pedaço de mim

Ó metade exilada de mim

Leva os teus sinais 

Que a saudade dói como um barco” 

 

Como vamos nos despedir de Elifas e de sua obra ? Não existe despedida possível. 

 

As ilustrações de Elifas ficam como acalento para um país arrasado por perdas recentes. Um país que tem perdido a cor. Um país pintado de ódio. A cultura brasileira não perde um símbolo, ganha uma missão. 

 

A missão de fazer o Brasil vivo, belo e multicolorido, como Elifas Andreato fez em toda a sua vida. 

 

A morte inesperada nos mostra a fragilidade humana.Marília Mendonça nos deixou nesta sexta-feira, 05/10, mas a sua arte não a deixará morrer.
por
Luan Leão
|
06/11/2021 - 12h

A morte inesperada nos mostra a fragilidade humana. Não que seja desconhecida, pelo contrário, todos sabem o quanto o ser humano é frágil e efêmero. Talvez a única certeza da vida seja a morte, e apesar de saber disso, não temos preparo para vivenciar esse processo. 

Um artista não morre, porque sua obra não o deixa morrer. Artistas são eternos na memória cultural. Marília Mendonça nos deixou nesta sexta-feira (05), mas a sua arte não a deixará morrer. Marília foi um fenômeno da música brasileira, uma artista completa. Instrumentista, cantora, compositora, é quase impossível que alguém nunca a tenha escutado no Brasil. Às vezes escutou sem querer, pelo som alto do carro que passou na rua tocando: “apaixonadinha, você me deixou, apaixonadinha, você me deixou”. O Brasil se rendeu ao talento de Marília, estava encantado. Encantado não, apaixonadinho.

A goiana de 26 anos de idade era presença certa na trilha sonora das festas de muitas famílias. Rainha da sofrência, Marília nos fazia sofrer como ninguém. Aliás, sofrer pela voz de Marília não era sofrer. Até quem não tem motivo para sofrer, coloca a mão no peito e balança de um lado para o outro cantarolando: “Tá espalhando por aí que eu esfriei, que eu 'tô' mal, que eu 'tô' sem sal, realmente eu 'tô', sem saudade de você, eu já fiz foi te esquecer”. Obviamente, alguém que canta isso nas condições já ditas, não esqueceu, e sente muita saudade. Mas sofrer com Marília não é sofrer, virou quase um hobby. 

Um dos principais nomes do cenário sertanejo atual, Marília empoderou mulheres, fazia da dor de um coração partido poesia, e com isso um afago nos sofredores. 

Quando nos deparamos com uma situação assim, constatamos o que já é do conhecimento de todos: somos breves! Todos sentem, porque se foi uma mãe, uma filha, uma neta, um alguém que faz parte da memória afetiva do país. Esses fatores aproximam ainda mais todos da dor da perda, do sentimento de que precisamos cada vez mais valorizar o agora. A perda súbita deixa as lacunas do que não aconteceu, do que não vai acontecer, afinal, já foi.

Não existe manual de como lidar com o luto, cada um o vive à sua maneira. Idas repentinas nos deixam mais frágeis, porque passamos a refletir sobre como estamos vivendo. É doloroso quando vemos alguém deixar os seus sem ao menos se despedir, sem um último abraço, um último “eu te amo”. E dói porque estamos tão suscetíveis quanto. A incerteza amedronta, e tudo é incerto.

É incerto que viveremos o que planejamos. É incerto que teremos tempo de deixar para depois aquela conversa, aquele beijo, aquele abraço. É incerto. O escritor José Saramago escreveu que quando pudermos olhar, temos que ver. Quando pudermos ver, temos que reparar. Ao reparar, humanizamos o próximo, deixamos de ver de forma insensível o que acontece à nossa volta. 

Somos breves demais para deixar para depois. O “depois” é um tempo que não temos controle, e nem sabemos se chegará. Breves demais para não aproveitar o agora. 

Marília deixa filho, familiares, amigos e uma multidão de fãs e admiradores da sua música, do ser humano Marília Dias Mendonça. 

É Marília, vai doer demais escutar o seu “bye, bye”. 

 

O anseio gerado pela expectativa de determinada mensagem já me tirou noites de sono, me fazendo sonhar de olhos abertos pelas madrugadas.
por
Victoria Nogueira
|
28/06/2021 - 12h

A semana, norteada por aparatos tecnológicos, não poderia ser melhor descrita pelo envio e recebimento de e-mails. Abro a caixa de entrada: de segunda à sexta, entulhada por arquivos que chegam aos montes. No fim de semana, finalmente, dão uma trégua. E, quando aparecem no almoço de sábado ou jantar de domingo, certamente são para lembrar-me de finalizar a compra de um produto esquecido no carrinho da loja virtual.

O anseio gerado pela expectativa de determinada mensagem já me tirou noites de sono, me fazendo sonhar de olhos abertos pelas madrugadas. E, só quem viveu sabe, a decepção que é abrir a caixa de entrada e não encontrar nada ali para além das propagandas implorando para serem notadas. Ou, na pior das hipóteses, as contas do mês que chegaram...de novo! Não há tecnologia que nos salve dos boletos aguardando pagamento.

Encaro o correio eletrônico como metáforas que simbolizam a passagem do tempo, uma retrospectiva da vida moderna. Afinal, basta comparar os e-mails de janeiro aos de dezembro. O que aconteceu neste período? Histórias que tomaram outros caminhos, se apaixonaram, se despediram de entes e amigos queridos, se viram diante de episódios jamais imaginados. São tantos rumos que poderiam ser recontados a partir da narrativa deixada pelos substitutos das cartas. Não obstante, não raro incorporam os papéis de jornais ou livrarias, lhe recomendando autores nunca lidos anteriormente, te levando para a notícia tão fresca quanto uma melancia recém tirada da geladeira. Como leitora, me sinto plenamente derrotada pelos algoritmos quando sou obrigada a assumir que dada recomendação estava certa. “Por que eu não havia lido isso antes?”.

Eu, como uma cronista amadora que me vejo constantemente rascunhando acerca do mundo que tenho à minha volta, faço da caixa de entrada um verdadeiro acervo de lembranças. Sendo incapaz de escrever sobre todas elas, me pego bisbilhotando os textos que exalam formalidade, sempre terminados em “abraço” ou “atenciosamente”. Dou risada. Mando cópia para outras pessoas. Me transporto para o passado enquanto recordo os momentos especiais cujos detalhes seriam apagados da memória se não fossem, claro, os e-mails.

                                                                   Email Envelope Símbolo Com - Fotografias de stock e mais imagens de Apoio -  iStock

 

Reprodução: iStock

Na calçada do Parque Trianon, jovens ligados a movimentos estudantis improvisam um ensaio de bateria, enquanto outros, escrevem faixas com palavras de ordem como “Comida no Prato e Vacina no Braço”
por
Eduardo Rocha da Luz - RA00074318
|
18/06/2021 - 12h

Em 29 de maio de 2021, promoveu-se, em várias capitais do Brasil, manifestações contra as conduções das políticas públicas do presidente Jair Bolsonaro sobre a pandemia. Mas como promover esses atos em plena pandemia, onde o distanciamento social, higienização das mãos e uso constante de máscaras se faz necessário? E mais ainda, como registrar esse acontecimento de forma segura?


Dias antes, ao longo da semana que antecipou o ato, pouco se ouviu falar sobre o que viria a ser realizado. Apenas algumas poucas menções surgiam em redes sociais e na internet no geral. Parecia algo especulativo, nada realmente certo. Até que no dia 27 de maio, em uma chamada simples e rápida em emissora de TV, a APEOESP (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo) confirma o ato, marcado para dali 2 dias, em frente ao MASP (Museu de arte de São Paulo), às 16hs. Certo, tinha uma oficialização exposta. Não se tratava apenas de especulação.

Ao chegar na região da Avenida Paulista, por volta das 11hs, o que se podia ver, eram em sua maioria, transeuntes descompromissados, com seus afazeres cotidianos, alguns pedintes e vendedores ambulantes. Nada que indicasse o que viria a se tornar aquele local. Em dado momento, tenho a atenção atraída para um carro estacionado em um recuo de calçada, em frente ao Parque Trianon. Do porta malas desse veículo, um casal, paramentados com luvas, máscaras e óculos de proteção, retiram marmitex e realizam a distribuição às pessoas em situação de rua, que rapidamente e de forma organizada, entram em fila, para receber o alimento.


Aguardo até que terminem seus afazeres e me aproximo para tentar uma conversa. Os dois se mostram bem extrovertidos e até é possível ver a alegria, em seus olhos, ao falar sobre a ação que realizam com o “Projeto Guarda-Chuva - Combate a Fome de Ponta a Ponta”. Onde, em resumo, são arrecadados alimentos em restaurantes da região e distribuídos por voluntários. Como que por um passe de mágica, enquanto conversávamos, um caminhão de som “aparece” em frente ao MASP, barracas estão montadas na calçada, algumas bandeiras hasteadas e uma pequena movimentação de pessoas é percebida. Me despeço do casal e atenho a observar a nova movimentação.


Neste momento me dou conta que o grande vão livre do MASP, não está tão livre como deveria ser, pois esse está cercado por grades de contenção e dentro delas, guardas municipais vigiam o movimento. É possível ver que na barraca montada pela APEOESP, além dos adesivos, que costumam ser comuns, são distribuídos máscaras de proteção PFF e aplicação de álcool em gel aos que se aproximam. Na calçada do Parque Trianon, jovens ligados a movimentos estudantis improvisam um ensaio de bateria, enquanto outros, escrevem faixas com palavras de ordem, como “Comida no Prato e Vacina no Braço”. A movimentação dos transeuntes descompromissados dá lugar a todo o tipo de pessoas, homens e mulheres desacompanhados, famílias com crianças, casais héteros e homoafetivos, idosos, policiais militares, muitos policiais militares. Em comum, todos usando suas máscaras de proteção.


Por volta das 14hs, como que ordenando que voltassem para suas casas, uma chuva torrencial deságua sobre nossas cabeças, dando início à dispersão dos poucos que até aquele momento, ali se encontravam. Mas essa chuva mostrou a que veio. Apenas para acalmar os ânimos dos que pudessem estar mais exaltados. Chuva passageira. Alguém sobe no caminhão de som e inicia uma chamada melodiosa: “Pode chover, pode molhar, eu tô na rua é pra mudar”. Essa chamada ecoou ao longe, fazendo com que as pessoas a atendessem e viessem para a rua.

Quase que de imediato, surgiam mais e mais pessoas, com cartazes feitos em casa, escrito com garranchos ilegíveis. Cada qual com seu pedido ou questionamento: “Fora genocida”, “Chega de Cloroquina, cadê nossa vacina”, “Bolsonaro mata mais que a Covid”, entre tantos outros. Aquele quarteirão em frente ao MASP já não comporta a multidão, que já havia invadido a Avenida Paulista. Nesse momento já são 3 quarteirões, lotados de manifestantes mascarados com suas N95 e munidos de cartazes. Uma pequena tropa de homens vestidos de preto, arrastam uma enorme faixa pelo chão e na sequência à estende. O que se pode ler é: “Gaviões da Fiel contra o comendador da morte” e o brasão do Corinthians. Perto dali, outro caminhão de som, mais palavras de ordem. Uma bateria toca um ritmo chamativo e constante, mais pessoas mascaradas chegam, mais cartazes, mais pedidos de vacinas.

Às 17hs decidi ir embora, meu registro estava finalizado. Minha contribuição já estava feita. Chegou o momento de me besuntar de álcool em gel e ir pra casa. Esperar o noticiário da noite e me regozijar das imagens aéreas que seriam mostradas, ver proporção que tomou essa manifestação pacífica. A manifestação não foi pautada pelos grandes veículos de imprensa.

Clique aqui para vivenciar essa manifestação

por
Victoria Nogueira
|
09/05/2021 - 12h

A pandemia ainda nos mantinha confinados quando me pego ao abrir e fechar de páginas da internet. Os buscadores de imagens, como verdadeiros garçons, me serviam com fotos datadas da década de 70.

Embora não tenha vivido nenhum daqueles anos, não preciso lembrar o quão amargurada foi a política dessa época. A ditadura aqui instaurada apenas retocou na bandeira brasileira algo que já lhe havia sido concedido em tempos passados: a tristeza, atrelada à vergonha, e que contrastava com a expectativa de que tudo melhoraria. 

Como uma metáfora de esperança, que provavelmente era fruto de mera coincidência, um reduto de cores podia ser visto em fotografias capturadas ao contorno do Calçadão de Copacabana. Fuscas das mais diferentes tonalidades faziam dali um estacionamento a céu aberto. As crias da engenharia encaravam o mar ao fundo,  viam as “Garotas de Copacabana” desfilarem na areia da praia. Tão diferente de Brasília! Triste! Escura! Sob uma constante tempestade que, hoje perguntaria facilmente a um meteorologista, se, de fato, há de ter cessado.

Mas no Rio...Ah, no Rio! Havia espaço para o verde que moldava o Corcovado. Lá no alto, o azul e verde excessivos enchiam as janelas dos aviões que seguiam seus trilhos invisíveis rumo ao Galeão. Recepcionados de braços abertos pelo Cristo, não tardaria para que uma leva de gente trouxesse ao concreto carioca novas cores, cabelos e risadas. 

Sendo assim, se tratando de cores, o Rio entende bem, contrapondo tons claros e escuros ao longo de seu território. Quem não se lembrará do preto ocasionado pela doença miserável? Ou do amarelo que passa como bala aos ares dos morros cariocas lhes conferindo o vermelho “cor de sangue”? 

Mas, voltemos ao Rio cujas praias esbanjam cores, pés que sambam durante 365 dias, e televisões antenadas no Maracanã. O Rio de Janeiro, diziam eles, é alegria. É beleza, Pão de Açúcar, mulheres bonitas, carnaval. É uma aquarela. O resto? Que resto?